barra do garcas

Município de Barra do Garças comemora 71 anos; conheça sua história e lendas

Publicado

Localizada no Médio Araguaia mato-grossense, o município comemora nesta terça (15.09), 71 anos. A criação do município de Barra do Garças veio a ser uma encampação do município de Araguaiana, ou seja, uma mudança de sede de Araguaiana para Barra do Garças, passando Araguaiana à distrito de Barra do Garças. 

As primeira notícias acerca da região se deram por conta das lendárias Minas dos Martírios, no século XVII. 

Neste período o imenso quadrilátero barra-garcense era habitado de cima abaixo por povos indígenas das nações boróro e xavante. 

A região teve efetivo início povoador com a navegação do rio Araguaia, ao tempo da guerra do Paraguai, quando o presidente da Província, Couto Magalhães, viu a necessidade de ligação entre as bacias hidrográficas do Prata e Tocantins, unindo o sul ao norte, pelo centro. Iniciou-se então a navegação do rio Araguaia. 

Couto Magalhães mandou transportar em carros-de-boi três navios, desmontados para viagem – do rio Cuiabá até o Porto de Itacaiú, onde seriam montados. 

Foram criados presídios, que serviam também de posto de registro: Ínsua, Passa Vinte e Macedina. 

O presídio de Ínsua foi transferido para as margens do rio Araguaia, em lugar denominado Porto Grande, que ficou cognominado Registro do Araguaia. Nas andanças entre presídios, os militares faziam postos na foz do rio Garças. 

O local de referência era assinalado por uma pedra, a pedra da Barra Cuiabana, a primeira denominação de Barra do Garças. Em Barra Cuiabana viviam José Pedro, o filho Vicente e outras pessoas, exatamente em frente à Barra Goiana, hoje Aragarças. 

A pedra da Barra Cuiabana tinha uma lenda. Dizem que Simão da Silva Arraya enterrou um recipiente (talvez uma garrafa) contendo diamante nas proximidades da grande pedra. Arraya marcou a pedra com os dizeres “S. S. Arraya – 1871”. Para José Pedro, a inscrição foi esculpida por uma caravana desmobilizada em retorno da Guerra, liderada por Simão Arraya, somente para marcar a passagem pelo lugar. 

Na versão de Raul José de Mello, antigo coletor de rendas de registro do Araguaia a história é outra: “…em 1871, o pai de Marcos Afonso (um dos herdeiros) e mais Simão da Silva Arraya e dois ex-combatentes de guerra encontraram enorme quantidade de diamantes. 

Na época a comercialização era difícil, e sabedores do valor do achado começaram a guardá-lo em uma garrafa. De certa feita foram atacados por índios bororós. 

Antes de fugirem enterraram a garrafa e mais tarde marcaram a pedra.” A verdade é que ninguém encontrou a tal garrafa, e se foi achada, não foi divulgado – daí ser lenda. 

Em 1897, Antônio Cândido de Carvalho encontrou diamantes no rio das Garças. A notícia trouxe muita gente à região, aumentando o contingente populacional araguaiano. 

Neste período a economia regional dividia-se entre a garimpagem e a extração de látex da mangabeira, que proliferava no cerrado. 

Sua população foi formada por pessoas vindas de vários estados brasileiros, incentivados pelo desdobramento do Oeste em busca do ouro e do diamante. 

Região desbravada pelo Marechal Rondon, na metade do século passado e efetivado pelos sertanistas irmãos Villas Boas, que abrindo picadas (com a Fundação Brasil Central), fez nascer no seu rastro várias cidades. 

O tempo passou, as pessoas foram chegando, e fizeram nascer esta maravilhosa cidade, à margem esquerda do Rio Araguaia, que delimita as fronteiras de Mato Grosso e Goiás. 

A região urbana conhecida como grande Barra é formada além de Barra do Garças, por Pontal do Araguaia (MT) e Aragarças (GO).

 Hoje Barra desponta com um futuro pólo de Saúde, Educacional, Comercial, Político e Turístico de Mato Grosso, pois qualidade é que não lhe faltam: Serras com dezenas de Cachoeiras, Praias, Rios, Águas Termais, além de uma série de atividades especialmente desenvolvida para proporcionar ao turista uma excelente estadia. 

Economia

Segundo o Observatório do Desenvolvimento da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec), Barra do Garças conta com um frigorífico, uma indústria de ração animal e quatro distribuidoras de insumo. Os números, do IBGE, são de 2017.

O setor de serviços responde pela metade do PIB municipal, avaliado em R$ 1,754 bilhão.

O município tem um rebanho bovino que somam 428,6 mil cabeças e responde pela terceira posição na produção de mel de abelha no Brasil, produziu em 2018 (IBGE), 37 toneladas. A produção de soja e de 103,2 mil toneladas, enquanto no milho, 2,4 mil toneladas. 

Comentários Facebook
publicidade

barra do garcas

Polícia recupera veículo Toyota SW4 roubada em Mato Grosso

Publicado

Policiais militares de Mato Grosso e Goiás recuperaram nesta quarta-feira (1º.07), o veículo Toyota SW4 branca, que havia sido roubado de uma casa, no sábado (27.06), em Barra do Garças (a 509 km de Cuiabá).

Conforme o boletim de ocorrência, o veículo estava abandonado em uma área de mata no bairro Novo Mundo, na cidade de Aragarças, Goiás.

Nenhum suspeito foi localizado.

Serviço

A sociedade pode contribuir com as ações da Polícia Militar de qualquer cidade do Estado, pelo 190 ou, sem precisar se identificar, por meio do disque-denúncia 0800.65.3939. Nesse número, sem custo de ligação, qualquer cidadão pode informar situações suspeitas ou crimes. Exemplos: a presença de foragidos da Justiça com mandado de prisão em aberto e ponto de venda de droga.

Fonte: PM MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Agronegocio

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana