cotriguacu

Educação

Evolução do nível educacional do município

Publicados

em


Nível Educacional da População Jovem

Faixa Etária

Taxa de
analfabetismo 

% menos de 4 anos de estudo

% menos de 8 anos de estudo

% Frequentando a escola

Ano

1991

2000

1991

2000

1991

2000

1991

2000

7 a 14

9,9

13,4

77,7

79,2

10 a 14

4,2

3,8

62,6

47,5

75,1

76,1

15 a 17

2,2

2,8

19,5

16,6

92,3

83,2

30,7

39,1

18 a 24

4,5

6,9

31,9

27,8

79,9

77,2

– = Não se aplica

 Nível Educacional da População Adulta (25 anos ou mais)

Ano 

1991

2000

Taxa de Analfabetismo

13,4

20,3

% Com Menos de 4 Anos de Estudo

43,7

46,6

% Com Menos de 8 Anos de Estudo

86,7

85,8

Média de Anos de Estudo

3,8

3,9

Fonte: PNUD / ATLAS

Ensino – matrículas, docentes e rede escolar 2007

Matrícula – Ensino fundamental – 2007

2.762

Matrículas

Matrícula – Ensino médio – 2007

478

Matrículas

Docentes – Ensino fundamental – 2007

140

Docentes

Docentes – Ensino médio – 2007

30

Docentes

Fonte: IBGE

Comentários Facebook
Propaganda

cotriguacu

Manejo e adubação refletem em maior produção de café para agricultores de Cotriguaçu

Publicados

em

Assistidos há um ano pela Empresa Mato-grossense de Pesquisa e Extensão Rural (Empaer), junto ao Programa REM-MT, produtores de café de Cotriguaçu (a 940 km de Cuiabá) estão otimistas com a safra deste ano. Na segunda colheita prevista para o mês de abril, a meta é chegar a 100 sacas por hectare, 60% a mais que o total do ano passado, que chegou a 60 sacas por hectare.

O aumento na produção dos 50 produtores atendidos nesse período está relacionado ao manejo com o uso de técnicas corretas para adequação do solo, adubação, podas, manejo integrado de pragas e doenças, além do controle de plantas daninhas.

Um exemplo é a produtora Daiane Gilioli, que chegou a pensar em desistir após anos de muita dor de cabeça e despesa. Ela lembra que seu café era amarelo e já teve 70% da produção perdida por não saber como e o que fazer.

Atualmente, com 13 mil pés de café, Daiane destaca que espera ter todo investimento de anos, finalmente, revertidos em renda com a colheita de 2022. “Aprendi que tem tempo para tudo, desde a correção do solo, a adubação, a poda, até as demais técnicas. Segui todas as recomendações e vou colher o resultado de todo esse trabalho”.

O produtor Samuel dos Santos Freitas, do Projeto de Assentamento Nova Cotriguaçu, tem a mesma expectativa de aumento da produção para este ano, em que espera colher até 300 sacas em 2,4 hectares, sendo 8 mil pés de café. Além dos anos de experiência, ele destaca que a assistência da Empaer tem contribuído muito para a superação das metas.

Ainda assim, o maior temor é com as pragas, entre elas, as mais perigosas são a cochonilha e a broca. “Vi produtor perder até 40% da produção por causa dessas pragas. Em 15 dias elas se espalham pela lavoura e tudo fica comprometido. A orientação do uso e da aplicação do inseticida correto faz toda diferença”.

O engenheiro agrônomo da Empaer, Thiago Tombini, explica que todo trabalho de acompanhamento e orientações associado às práticas recomentadas vêm auxiliando na produtividade e na qualidade dos grãos colhidos.

“Tudo influencia diretamente no crescimento e produtividade do cafeeiro por fornecer nutrientes adequados à planta e, principalmente, representar alto valor no custo da produção. Além das questões técnicas sobre o cultivo, orientamos também o produtor sobre outro tema importante, que é a gestão da propriedade”.

 

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana