SUA SAÚDE AQUI

Trabalhadores são descartáveis, então precisam se preocupar com sua saúde

Publicados

em

Por Edmundo Pacheco | Portal Mato Grosso

 

22 de novembro – Vamos falar sobre a saúde no trabalho

A saúde do trabalhador deveria ser a primeira preocupação do governo e dos empresários. O País, as riquezas, o PIB, enfim, tudo o que é gerado, construído, comprado e vendido, passa pelas mãos dos trabalhadores. E não são trabalhadores apenas os empregados. Todos nós somos trabalhadores. Todos trabalhamos o tempo todo, às vezes até nos momentos de ócio – claro, há raras exceções que nem vale a pena considerar.

Entender isso faz toda a diferença política, econômica e social.

Entretanto, a saúde do trabalhador não é uma preocupação. E os prejuízos – não apenas econômicos, mas muito pior, contado em vidas humanas -, são astronômicos: segundo a Organização Internacional do Trabalho, todos os anos morrem mais de 2 milhões de pessoas, vítimas de acidentes ou de doenças relacionadas ao trabalho.

No Brasil as altas taxas de acidentes e doenças do trabalho mostram que os prejuízos humanos, sociais e econômicos que custam algo em torno de 70 bilhões de reais por ano.

Preocupe-se com sua saúde. Porque nem a empresa e muito menos o governo vão se preocupar. Para eles, você é peça descartável, que quando dá defeito, troca e joga fora.

Todo trabalho, do mais simples e braçal ao mais complexo e agora também ao virtual (e solitário, porque o homework se tornou comum) exige que o trabalhador tenha uma série de comportamentos que lhe permita ter saúde e vitalidade para manter suas atividades no ritmo exigido, produtividade etc.

Então, trabalhe você cavando valetas, fazendo parte de uma equipe de vendas ou criação, ou sozinho em casa, na frente de um computador, você precisa ter uma alimentação saudável e equilibrada (nas horas e porções corretas), manter hábitos saudáveis (não usar drogas – incluindo cigarro e álcool) fazer exercícios regularmente, estar num ambiente favorável (inclusive ergonomicamente), ter uma noite de sono agradável e tranquila, acesso a lazer físico e mental etc.

Mesmo que você trabalhe sozinho em casa, observe os princípios ergonômicos: verifique se sua postura e mobiliário de trabalho estão adequados. Preserve, sempre que possível, a curvatura natural da coluna e evite permanecer muito tempo na mesma posição. No computador, o topo da tela tem de estar no nível dos olhos, pés apoiados no chão e cotovelos junto ao corpo. Faça pausas no trabalho, alterne as tarefas ao longo do dia. Parar, mesmo que por alguns minutos, evita o cansaço mental e físico, e acaba melhorando o desempenho.

Se você é vendedor de loja e tem que ficar em pé durante longos períodos em pé, por exemplo, alterne a sustentação do corpo entre ambas as pernas. Se você trabalha exposto ao sol, use protetor solar. Aliás, use sempre, no trabalho ou no lazer. É uma das principais medidas para evitar o câncer de pele não melanoma que corresponde a 25% dos tumores malignos registrados no Brasil anualmente.

Se você é dona de casa, cuidado com acidentes domésticos, pisos escorregadios, excesso de tapetes, móveis e objetos pontiagudos e superfícies cortantes. Examine de forma periódica a tubulação de gás e as instalações elétricas e providencie iluminação suficiente em casa.

Se é motorista, dirija de forma defensiva, observe as leis fundamentais de trânsito e as normas de segurança (por exemplo: use sempre o cinto de segurança), jamais beba ao dirigir. Se você dirige apenas de casa para o trabalho, tenha sempre muita atenção. Os acidentes de trajeto – de casa ao trabalho, ou vice-versa – são responsáveis por mais de 43% dos óbitos registrados como acidente de trabalho.

E no geral, faça o que fizer, cuide da alimentação: cerca de 80% dos casos de doenças coronarianas, 90% dos casos de Diabetes Tipo 2 e 30% dos casos de câncer poderiam ser evitados com uma alimentação saudável – mais variada e nutritiva possível. Consuma os diferentes grupos alimentares e priorize sobretudo frutas e hortaliças nas refeições. Evite ao máximo produtos ultraprocessados (salgadinhos em pacote, refrigerante, bolacha recheada) e beba água ao longo do dia. Na dúvida, procure um profissional da área para orientação.

Pratique atividade física regularmente: adotar um exercício físico em pelo menos cinco dias da semana, durante 30 minutos, traz mais disposição para as tarefas diárias e previne doenças do coração, circulatórias e respiratórias. Ajuda, ainda, no controle da pressão arterial e do diabetes. Melhoria do sistema imunológico, do sono e redução da ansiedade são outros benefícios.

Tenha um estilo de vida ativo: ficar menos tempo parado é outra atitude benéfica. Fazer pequenos deslocamentos a pé, ir ao trabalho de bicicleta, trocar o elevador pela escada e levar o cachorro para passear são atitudes que podem ser incorporadas facilmente na rotina diária.

Controle o estresse: ele faz parte de situações no dia a dia, mas é importante saber lidar. Por isso, tente resolver o problema causador do estresse de forma rápida e evite sempre que for possível situações de estresse. Organizar e planejar o dia a dia, além de abandonar maus hábitos como fumo e consumo abusivo de bebidas alcoólicas, também gera melhorias. Buscar o apoio da família e amigos e adotar técnicas de relaxamento também ajuda.

Melhore os relacionamentos ao seu redor: laços de amizade, familiares e atividades sociais fazem bem à saúde e nos ajudam a lidar melhor com a rotina. No trabalho, busque a harmonia: é onde passamos a maior parte do tempo. Cultive amizades e busque cooperar com você mesmo, com as pessoas ao seu redor e com a sociedade como um todo. Planeje seu tempo livre assim como o seu trabalho: faça novos programas e conheça lugares diferentes.

Comentários Facebook
Propaganda

SUA SAÚDE AQUI

Filho de Faustão sofria de obesidade mórbida infantil e fez cirurgia

Publicados

em

Quem vê o João Guilherme, filho do Faustão, atuando no programa da rede bandeirantes, talvez não imagine que um rapaz tão novo já tenha enfrentado tantos problemas de saúde, a ponto de ter que fazer cirurgia bariátrica. O garoto, aos 16 anos, pesava 150 quilos e, seguindo os passos do pai, “entrou na faca” uma fez a cirurgia bariátrica (SAIBA MAIS AQUI).

“Antes, ele levava a sério o negócio de churrasco, pesava 150 quilos. Hoje pesa 75 quilos, não é isso?”, perguntou Faustão durante o Faustão na Band. “Não, 72 quilos. Sabe o que acontece? Para quem é ex-gordo cada quilinho faz diferença”, respondeu João.

Em 2020, João passou por uma cirurgia bariátrica. Faustão fez a mesma cirurgia em 2009. “Eu sempre fui feliz, nunca tive problema. Mas a gente não imagina como pode ser mais feliz por questão de saúde e autoestima”, afirmou o jovem.

Na época, Luciana Cardoso, mãe de João e mulher de Faustão, falou sobre o procedimento do rapaz. “Foi uma indicação médica. Ele tinha indicadores de que poderia ter problemas no futuro”, disse.

OBESIDADE INFANTIL – Foi-se a época em que uma criança gordinha era orgulho para os pais. Sinal de saúde. Hoje sabe-se que a gordura em excesso, em qualquer idade, é um problema grave. Na infância, ainda pior.

Estudos recentes mostram que a obesidade é o terceiro problema de saúde pública que mais demanda gastos da economia brasileira, estando à frente até do tabagismo. Estima-se que os gastos giram em torno de R$ 110 bilhões, o que equivale a 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB) do país.

Outro dado marcante do crescimento epidêmico do excesso de peso é o aumento deste agravo em idades cada vez mais precoces. Em 2004, já se estimava que 10% das crianças e adolescentes do mundo apresentavam excesso de peso e que, dentre elas, um quarto eram obesas. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 15% das crianças brasileiras com idade entre 5 e 9 anos têm obesidade atualmente.

A obesidade mórbida é uma doença crônica progressiva, onde o excesso de gordura corporal se acumula a tal ponto que a saúde fica comprometida. O problema de obesidade em crianças, geralmente, está associado a prática do desmame precoce, combinadas com dietas incorretas – repletas de industrializados como: salgadinhos tipo “snacks”, bebidas com alto teor de açúcares, doces e alimentos frios – e questões culturais (criança gordinha ainda é sinônimo de criança saudável).

Outra causa importante refere-se também ao desequilíbrio entre a ingestão de alimentos e o gasto energético. Atualmente, grande parte do tempo das crianças é dedicado à televisão, videogame, computadores, que constituem um ambiente bastante favorável ao aumento da prevalência da obesidade, já que por dia as crianças brasileiras passam em média 3 horas na escola e “5 horas em frente à TV”, reduzindo, desta forma, a prática de atividades físicas que possibilitem os gastos energéticos.

Dentre os riscos a saúde provenientes da obesidade podemos citar: doenças respiratórias, doenças ortopédicas, colesterol e triglicerídeos elevados, hipertensão arterial e diabetes tipo 2. Pesquisas mostram que apenas 9% dos pais notam problemas dos filhos com a balança. É preciso estar sempre atento e algumas mudanças de hábito são fundamentais para a reeducação alimentar e controle do peso.

Como combater a obesidade

  • Fracione o volume de alimentos em 6 refeições durante o dia, evitando jejuns prolongados;

  • Incentive o consumo de frutas e hortaliças, em diferentes preparações;

  • Evite que a criança belisque fora das refeições e não substitua a refeição por mamadeiras, iogurtes e vitaminas;

  • Restrinja o consumo de guloseimas;

  • Reduza o tempo à frente da televisão, principalmente durante as refeições;

  • Estimule a prática de atividade física;

  • Não ofereça a comida como recompensa ou ameace com castigo caso não consumam a refeição ou determinado item;

  • Dê o exemplo. Não adianta dizer para beber suco e tomar refrigerante;

  • Fique atento e tome cuidado para não cair nas pegadinhas de alimentação saudável.

 

SAIBA MAIS
Entende-se por obesidade quando o Índice de Massa Corporal (IMC) de uma criança de 5 a 10 anos está acima de 30 kg/m². Já a obesidade mórbida é quando o IMC supera os 40 kg/m². Os dados mais recentes divulgados pelo Ministério da Saúde apontam que uma em cada três crianças de 5 a 9 anos está obesa.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana