ecossistemas

Pesquisa demonstra que fragmentação de florestas causa alterações morfológicas

Publicados

em

(Imagem meramente ilustrativa)

A redução e a fragmentação das áreas de florestas têm causado impactos na aparência (fenótipo) e morfologia de pequenos mamíferos na Amazônia mato-grossense. Essa é a conclusão principal da  tese de doutorado  do egresso da Unemat, Welvis Felipe Fernandes Castilheiro, que foi apresentada e aprovada neste mês na Universidade de Lisboa, em Portugal, intitulada: “Impactos da fragmentação de florestas  em pequenos mamíferos no sul da Amazônia”.

O recém doutor, explica que o seu trabalho de doutoramento, teve inicio ainda na graduação na Unemat, mas durante os seis anos de  pesquisas para o doutorado na Universidade de Lisboa ele utilizou o modelo de morfometria geométrica, o que segundo ele é uma metodologia pouco habitual no Brasil, e que permite basicamente poder avaliar as diferenças morfológicas das espécies. 

“Bom, o estudo tem uma ligação com a minha monografia defendida na Unemat, a mesma tinha por objetivo avaliar os impactos da fragmentação na dieta de pequenos mamíferos na Amazônia, tivemos resultados surpreendentes e com base em toda uma literatura já descrita previamente pelo professor doutor Manoel dos Santos-Filho, da Unemat, que inclusive foi meu orientador de monografia e mestrado. Agora tentamos desenvolver uma tese de doutoramento que tivesse objetivos semelhantes, mas verificando outra perspectiva”.

De acordo com o pesquisador a Unemat foi significativa para a sua transformação de vida. “A Unemat foi meu berço para a pesquisa e educação, sou graduado em Biologia pela Universidade do Estado de Mato Grosso, onde tive excelentes professores, depois fiz o mestrado em Ciências Ambientais na instituição, e também tive o prazer de lecionar na instituição em alguns cursos superiores. Tenho um profundo agradecimento pela Unemat, por ter feito uma grande mudança na minha educação e, consequentemente, na minha vida. Espero agora depois de ter obtido experiência por tantos anos no exterior, retornar a Unemat e ao meu país”, afirma.

No doutorado, o pesquisador avaliou os impactos da fragmentação florestal no fenótipo dos pequenos mamíferos. “Geralmente os trabalhos existentes demonstram diferenças em números dos indivíduos, mas nosso trabalho conseguiu mostrar, claramente, que o aumento do estresse no desenvolvimento das espécies é positivamente correlacionado com a diminuição das áreas. Ou seja, a fragmentação da floresta não altera apenas os padrões de números de indivíduos, mas também aspectos da morfologia. Outros impactos também demonstrados no trabalho, dizem respeito a diferenças significativas morfológicas quando se compara áreas contínuas de floresta e pequenos fragmentos, existe uma diferença clara entre estes dois ambientes, demonstrando que a perda da floresta amazônica tem causado consequências alterando as populações morfologicamente”, explica Welvis.

Metodologia aplicada:

O estudo de doutorado analisou 143 amostras de espécimes pertencentes à ordem Rodentia (82 ratos-de-espinhos de cauda longa, Proechimys longicaudatus, e 61 ratos de cauda peluda, Necromys lasiurus) e 191 espécimes pertencentes à ordem Didelphimorphia (109 cuícas, Marmosa demerarae, e 82 cuícas da Amazónia, Monodelphis glirina).   Todos os animais analisados foram coletados no município de Alta Floresta, em Mato Grosso, em uma das regiões mais impactadas e desmatadas da  floresta amazônica, e que resulta em uma paisagem hiper-fragmentada cercada por pastagens e com algumas áreas altamente isoladas.

De acordo com o pesquisador, foi utilizada a abordagem que tem por base a morfometria geométrica, em que foram avaliadas três aplicações distintas desta ferramenta na análise fenotípica da mandíbula das quatro espécies em estudo. A primeira aplicação diz respeito a componente simétrica, que explica a variação entre os indivíduos, para avaliar a variação populacional no tamanho e na forma da estrutura mandibular entre fragmentos florestais. Outro ponto de análise diz respeito a componente assimétrica, avaliando os níveis de assimetria flutuante, ou seja, da variação intra-individual de estruturas com simetria bilateral, esquerda- direita, permitindo a avaliação dos níveis de perturbação durante o desenvolvimento embrionário e a terceira aplicação estudada diz respeito a integração morfológica e modularidade, avaliando a tendência de diferentes características variarem de forma conjunta e coordenada numa estrutura morfológica.

Welvis explica que é sabido que as alterações provocadas pela fragmentação de habitat têm reflexo nos níveis de abundância, estrutura populacional e ocupação do habitat de indivíduos que enfrentam tais mudanças no seu ambiente.  Mas o que os estudos ainda não tinham apontado é até que ponto seria possível detectar alterações morfológicas em nível  individual e populacional, particularmente em espécies de pequenos mamíferos Neotropicais.

Resultados

De acordo com o pesquisador, os resultados deste estudo revelaram que residir em fragmentos pequenos tem causado alterações significativas na forma das mandíbulas dos indivíduos na maioria das espécies analisadas. As distâncias morfométricas entre os grupos são sistematicamente e significativamente maiores quando a comparação é efetuada envolvendo fragmentos pequenos em comparação com fragmentos grandes ou áreas contínuas, quando disponíveis para comparação. Os estudos mostraram ainda essas variações morfológicas indicam elevados níveis de estresse durante o desenvolvimento embrionário desses indivíduos, neste caso, associado ao estresse ambiental inerente às alterações provocadas pela fragmentação do habitat.

A pesquisa demonstrou ainda que em três das quatro espécies analisadas (ratos-de-espinhos de cauda longa, ratos de cauda peluda e cuícas da Amazônia) os animais residentes em pequenos fragmentos apresentaram alterações no padrão esperado de modularidade e integração morfológica da mandíbula, o que pode, possivelmente, alterar a funcionalidade morfológica dos indivíduos, evidenciando uma disfunção nos padrões normais.

 O que fazer:

Segundo o pesquisador, a partir dos resultados obtidos é possível retirar algumas conclusões gerais com implicações para a conservação da biodiversidade desta região da Amazônia. Ele ressalta a necessidade de manutenção de fragmentos de grandes dimensões em que seja possível atuar como repositório dos níveis de diversidade morfológica o mais semelhantes à floresta contínua original possível. “Também é necessária a manutenção de corredores ecológicos, não apenas com árvores nativas, criando fragmentos de conexão, permitindo que populações isoladas se tornem meta-populações conectadas entre fragmentos e áreas contínuas. Isso promoveria a redução destes impactos menos óbvios ao nível individual e populacional de natureza morfológica”,

De uma forma geral, o estudo mostrou que todas espécies em estudo apresentaram variações fenotípicas significativas associadas à redução de habitat observada nos fragmento pequenos.

Comentários Facebook
Propaganda

ecossistemas

Fotógrafo mexicano filma onça atacando jacaré no Pantanal de Mato Grosso; veja o vídeo

Publicados

em

O fotógrafo mexicano Diego Rodriguez filmou o ataque de uma onça-pintada a um jacaré durante uma expedição no Pantanal mato-grossense.

Veja vídeo:

Apesar de viajar o mundo registrando a vida selvagem, Rodriguez disse que foi a primeira vez que conseguiu gravar um ataque como esse.

Nas imagens, é possível ver a onça tentando levar o jacaré, ainda vivo, para a mata. O jacaré consegue escapar em determinado momento, mas é pego pelo felino novamente.

Segundo o fotógrafo, as imagens foram feitas nas margens do Rio Cuiabá, na região de Porto Jofre. A área é conhecida por ter a maior concentração de onças-pintadas do mundo. A reserva tem 108 mil hectares. Turistas do país e do exterior procuram o parque para ver as onças-pintadas, durante passeios de barco.

O melhor período para observar a onça é entre julho e final de setembro, período da seca. Nesses meses, as onças ficam mais próximas das margens dos rios em busca de água e caça, então, é mais fácil se deparar com o animal.

Em 2013 o fotógrafo americano Justin Black flagrou cena semelhante e publicou as seguintes fotos:

 

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana