geografia

Impactos sobre o ecossistema Cerrado

Conheça aqui as principais ações que degradam este bioma

Publicados

em


João Carlos Vicente Ferreira

Utilização de draga no garimpo de diamantes

A ocupação humana dos Cerrados nos últimos quarenta anos acelerou os processos impactantes sobre a região, devido ao aumento da densidade demográfica. O crescimento não foi apenas vegetativo, mas resultante de intensa migração, dobrando sua participação relativa na população nacional. Entretanto, a população da região do Cerrado apresenta-se altamente agregada, com oitenta por cento vivendo em áreas urbanas.
As grandes pressões exercidas no momento sobre a fauna do cerrado são a destruição de habitat e a caça predatória. O Cerrado é visto como um ecossistema “menor” em termos de prioridade de conservação. Deste modo, não existem estimativas precisas de áreas convertidas à produção agropecuária neste bioma. No entanto, é certo que as taxas de destruição aumentaram consideravelmente, principalmente através da expansão da área cultivada com soja e o crescimento do rebanho bovino.
A caça predatória é também importante como fator de rarefação de várias espécies de vertebrados de maior porte. Aproximadamente 33% das espécies de mamíferos que ocorrem no Cerrado são utilizadas como caça de subsistência, produção de peles ou mesmo como modelos experimentais. As espécies mais afetadas são a paca, a capivara, a anta, o veado-mateiro e os porcos-do-mato. Os cervídeos também são exaustivamente caçados no Cerrado.
A área do Cerrado (incluindo regiões de transição com o Pantanal) categorizada como Parque Nacional, reserva biológica e estação ecológica, não passa de 0,8% de sua superfície. A região amazônica, certamente menos afetada por atividades antrópicas, possui 2,8% de sua extensão representada por unidades de conservação. Estas estimativas indicam que a Amazônia possui 3,5 vezes mais área de superfície preservada que o Cerrado.
A forma mais utilizada de desmatamento do Cerrado é a dos “correntões” puxados por dois tratores, que vão derrubando toda a vegetação que estiver pela frente. Desta forma abre-se espaço para a agricultura moderna ou formação de pastagens. É a partir destas ações que a fauna e flora vão desaparecendo. Sabemos da riqueza que o ecossistema Cerrado abriga, sendo que seu desaparecimento seria uma tragédia. A expansão das atividades humanas no Cerrado (hidrelétricas, urbanização, agricultura, etc.) resulta em grandes impactos na região.
Para manter a riqueza biológica dos Cerrados, seria necessário destinar maiores recursos para preservar e criar novos Parques Nacionais que abrigam o pouco que resta intacto. 

Daniel Bretas

O desmatamento do Cerrado para a plantação de soja tem causado desequilibrio

Além dos aspectos elencados acima vale a pena citar:
Grandes Projetos Agropecuários: Desmatamento de áreas nativas e grandes queimadas; drenagens – erosão, alteração da vasão dos cursos d’água, assoreamento; monocultura extensiva – desequilíbrio ecológico; uso de grandes quantidades de agrotóxicos – poluição das águas; uso de mecanização intensiva – compactação dos solos; destruição de sítios arqueológicos.
Expansão Urbana desordenada: Destruição de nascentes de cursos d’água que formam a bacia do Pantanal; destruição da paisagem; poluição por falta de saneamento básico; destruição da rede de drenagem; abertura de cascalheiras; áreas decapeadas, áreas de extração de areia, estradas, cortes de morros, aterros e drenagens, voçorocas; desmatamento para obtenção de lenha e escoras para construção e fornos; aumento da poluição das águas com esgoto e do solo com lixo; expansão do tráfego de veículos e conseqüente poluição atmosférica e sonora; intensificação da descaracterização da paisagem e biota nativas pela expansão de áreas ocupadas com plantas e animais exóticos.
Invasão de Reservas Indígenas: Impacto cultural e social sobre populações indígenas; desmatamento.
Olarias – Fábricas de Tijolos: Demanda de carvão vegetal; desmatamento do cerrado e floresta pré-amazônica.
Garimpo de Ouro e Pedras Preciosas: Erosão, assoreamento e contaminação dos cursos d’água; impacto sócio-econômico.
Indústria de Transformação: Destruição de cavernas calcáreas para a produção de cimento e calcário agrícola; desmatamento para a produção de carvão vegetal.
Fonte: O Desafio do Desenvolvimento Sustentável.

Comentários Facebook
Propaganda

geografia

Geografia

Um Estado imenso e com características únicas

Publicados

em

Por


 

Marcos Bergamasco

Morro de Santo Antônio

Mato Grosso localiza-se na região Centro-oeste do território brasileiro. O Estado ocupa uma área de 903.357km², sendo o terceiro maior em extensão territorial do país. É o único a possuir características dos três biomas: Pantanal, Cerrado e Amazônia.
Mato Grosso possui um clima caracteristicamente continental, com duas estações bem-definidas, uma chuvosa e outra seca. A estação chuvosa ocorre entre os meses de outubro a março, e a estação seca começa em abril e termina somente em setembro.
O ponto culminante fica a 1.118m de altitude e se localiza na Serra de Santa Bárbara., entre os
municípios de Pontes e Lacerda e Porto Esperidião.

Nos links abaixo você encontra informações sobre cada aspecto da geografia de Mato Grosso.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana