AGRO & NEGÓCIO

Webinar “Agricultura e a Agenda 2030” reúne ministros, cientistas e representantes do agronegócio

Publicado


.

A agricultura é multifuncional e tem forte relação com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Para debater as contribuições, oportunidades e desafios do setor para o alcance das metas dos ODS, a Embrapa reunirá especialistas em agricultura e desenvolvimento sustentável na próxima sexta-feira (25), na webinar “Agricultura e a Agenda 2030”. A transmissão será pelo canal da Embrapa no Youtube (www.youtube.com/embrapa), às 15h. A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Tereza Cristina Dias, e o presidente da Embrapa, Celso Moretti, participam da abertura do evento virtual. A coordenação do evento é da Rede ODS Embrapa.

Os convidados para o debate são o ex-ministro da Agricultura e coordenador do Centro de Agronegócio da Fundação Getúlio Vargas, Roberto Rodrigues, o assessor sênior do Programa das Nações Unidas no Brasil (PNUD), Haroldo Machado Filho, a coordenadora da Rede ODS Embrapa, pesquisadora da Secretaria de Inteligência e Relações Estratégicas (Sire), Valéria Hammes e o jornalista especializado em agronegócio, José Luiz Tejon, que irá moderar o painel.

O evento acontece no dia em que são celebrados os cinco anos da assinatura da Agenda 2030 das Nações Unidas. Os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) foram estabelecidos pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2015 e compõem uma agenda mundial para a construção e implementação de políticas públicas que visam guiar a humanidade até 2030. A Agenda é composta por 17 objetivos e 169 metas.

A pesquisa agropecuária nacional é forte aliada do Brasil e do Planeta no alcance das metas da Agenda 2030 e, diante dos novos desafios advindos da pandemia da Covid-19, torna-se ainda mais necessária para contribuir com a segurança alimentar global. Ao gerar conhecimentos e ativos tecnológicos para a sustentabilidade da agropecuária brasileira, a Embrapa vinculou sua atuação, direta ou indiretamente, a todos os ODS. É também uma forma de prestar contas à sociedade sobre os impactos positivos da pesquisa agropecuária para o combate à fome e à pobreza, aumento da eficiência do uso dos recursos naturais, redução das emissões de gases de efeito estufa na produção agropecuária, entre outras contribuições alinhadas aos ODS.

Conheça  as contribuições da Embrapa para os 17 ODS acessando aqui

O presidente Celso Moretti destaca que a presença da Embrapa no debate sobre temas como a erradicação da fome no mundo, sustentabilidade, acesso à água, juntamente com 193 países, é uma oportunidade de apresentar o esforço e os resultados obtidos pela ciência brasileira em uma agenda de interesse global.

Por sua vez a ONU no Brasil destaca o senso de urgência da Agenda 2030, que se tornou ainda maior com a pandemia do Coronavírus, pois temas que já estavam expressos na Agenda em 2015, como o acesso à água e a saneamento básico e a universalização dos serviços de saúde, se mostram imprescindíveis para a superação desta crise ocasionada pela pandemia.

Confira a matéria: Censo de urgência da Agenda 2030 é ainda maior com a pandemia, diz ONU no Brasil

Valéria Hammes, coordenadora da Rede ODS na Embrapa, destaca que é essencial para qualquer instituição estar atenta à Agenda 2030 e aos 17 ODS. “É uma estratégia que pode permear as ações da Empresa e o desdobramento de metas conforme a missão de cada Unidade. Além de dar foco no desenvolvimento sustentável, esta estratégia amplia o escopo, benefícios e consequente percepção de impacto das ações de pesquisa, inovação e transferência de tecnologia, para além do setor agropecuário, ampliando por decorrência a capacidade de atração de recursos por meio de novos parceiros”, afirma Valéria, lembrando que a Embrapa contribui com 81 das 169 metas, ou seja, 47,9%.

Entre as ações de PD&Ie TT, são exemplos de contribuição da Embrapa com a Agenda 2030: a tecnologia social das barragens subterrâneas, desenvolvida pela Embrapa há cerca de 30 anos e adotada por famílias agricultoras no Semiárido, que foi uma das finalistas da primeira edição do Prêmio ODS Brasil na categoria Ensino, Pesquisa e Extensão (acesse aqui para saber mais). A pesquisa com os alimentos biofortificados que hoje integram a rede de segurança alimentar de escolas públicas, a agricultura provedora de servidos ambientais, o uso de tecnologias para adaptação a mudanças climáticas, a fossa séptica biodigestora, as tecnologias para a valorização da biodiversidade, entre outras.

Perdas e Desperdícios

A redução das perdas e do desperdício de alimentos (PDA) também faz parte de uma agenda global alinhada aos ODS. Um dos principais desafios para promover essa redução é entender melhor o contexto latino-americano, uma região que exporta alimentos para o mundo, mas paradoxalmente, ainda enfrenta insegurança alimentar moderada. A Embrapa atua, em parceria com outras instituições públicas e privadas, e com organismos internacionais, em ações que visam à redução de perdas e desperdícios de alimentos.

Saiba mais sobre a atuação da Embrapa neste tema acessando aqui

Ciclo de debates virtuais

Esta live é a segunda de um ciclo de debates virtuais organizados pela Embrapa com o objetivo de discutir e propor iniciativas que contribuam para que os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e as metas propostas pela Agenda 2030 sejam fortalecidas na Empresa, no âmbito da programação de pesquisa, desenvolvimento e inovação. O primeiro encontro foi realizado com os empregados e gestores da Empresa e debateu o alinhamento do tema junto ao VII Plano Diretor da Empresa.

Serviço:

Webinar “A agricultura e a Agenda 2030” – Canal Youtube da Embrapa
25/09/2020 – às 15h
Acesse aqui para participar

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
publicidade

AGRO & NEGÓCIO

Terceiro encontro virtual do Leite Seguro está remarcado para o dia 6

Publicado


No próximo dia 6 de novembro a Embrapa e instituições parceiras do programa Leite Seguro realizam a terceira live de apresentação do trabalho. O encontro virtual vai apresentar o Laboratório de Qualidade do Leite da Embrapa (LABLEITE), as Instruções Normativas 76 e 77 e os trabalhos de pesquisa de Resíduos e Contaminantes. No último evento, em 21 de outubro, por problemas técnicos inerentes à Empresa, o encontro virtual foi transferido.

Serão realizadas cinco lives ao todo do Programa, sendo que esta terceira irá centrar-se num sistema de monitoramento de resíduos e contaminantes, com possibilidade de incorporar o Monitoramento Espacial-Temporal de Qualidade do Leite (SIMQL) e também de desenvolver um Sistema de Gerenciamento e Alerta de Crises e Emergências em Lácteos (SIGALAC), para informação e proteção do consumidor em caso de eventos adversos na cadeia produtiva, a exemplo das fraudes que ocorreram há poucos anos no RS.

Os encontros virtuais
A primeira live foi de apresentação do Programa e a segunda sobre Boas Práticas Agropecuárias e o uso da ferramenta Protambo. Após esta terceira, estão marcadas outras duas, uma no dia 20 de novembro que abordará sobre as Tecnologias da Embrapa para a atividade leiteira e a última, no dia 11 de dezembro,  sobre Benefícios do Consumo de Leite.

O projeto Programa Leite Seguro é um projeto em parceria da Embrapa Clima Temperado e o Laboratório Federal de Defesa Agropecuária – LFDA/RS, com a perspectiva de gerar e transferir tecnologias para aumentar a segurança, a qualidade e a integridade do leite e seus derivados nos estados do RS, SC e PR.

Serviço:Terceira Live do Programa Leite Seguro

Data: 6 de novembro
Horário: às 14h
Local: 
 https://bit.ly/34zlWdH

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Agronegocio

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana