turismo

Viaje no tempo: conheça 5 cidades medievais pelo mundo

Publicados

em


source
York é uma cidade medieval na Inglaterra
Unsplash

York é uma cidade medieval na Inglaterra








A Idade Média foi um período marcado pelo feudalismo, embates entre povos por terras e o domínio da Igreja Católica, mas também está presente no imaginário das pessoas quando pensamos em histórias de reis, rainhas, bruxas e dragões.

Uma das provas do encantamento do público por esse período histórico é o sucesso de histórias medievais, como “Game of Thrones” e “The Witcher”. E, apesar dos inúmeros avanços tecnológicos nos centros urbanos, diversas cidades pelo mundo ainda guardam suas características da Idade Média. 

Desse modo, as muralhas, as torres, os castelos e as ruas de pedras fazem com que o turista se sinta em uma viagem no tempo. Por isso, elaboramos uma lista com cinco cidades pelo mundo que mantêm a arquitetura antiga e bela dos tempos medievais.


York – Inglaterra

A Rua Shambles inspirou o cenário do filme Harry Potter
Reprodução

A Rua Shambles inspirou o cenário do filme Harry Potter


A pequena cidade de York fica a 300 km de Londres e o turista pode chegar lá de trem, carro ou ônibus. A cidade foi construída no ano 71 D.C. pelos romanos. Foi uma cidade muito importante na Idade Média, uma vez que foi um grande pólo comercial e capital da província Britannia Inferior. 

Hoje, York ainda possui construções daquela época, como as ruínas romanas, presentes em toda a cidade. A Catedral de York também é uma beleza que enche os olhos dos apaixonados por história e arquitetura. Erguida no século 8, ela passou por algumas modificações ao longo dos anos, até atingir os padrões de arte gótica que apresenta. 

Outra atração de York é a rua Shambles. A viela, estreita e com paralelepípedos, inspirou o cenário do Beco Diagonal, do filme Harry Potter. E mais: se o turista estiver em Londres e escolher ir de trem, ele sairá da estação King ‘s Cross!

Toledo – Espanha

Toledo é uma cidade medieval na Espanha
Unsplash

Toledo é uma cidade medieval na Espanha


Toledo fica a 30 minutos de trem de Madri e é um delicioso passeio para quem gosta de arte – ela já foi casa do famoso pintor El Greco. Além disso, a cidade é multicultural: por muitos anos, judeus, cristãos e mulçumanos conviveram ali pacificamente. Isso faz com que a cidade abrigue monumentos importantes às três culturas.

As principais atrações são A Catedral de Toledo, do século 13, e o Palácio de Alcazar, uma grandiosa edificação construída no século 3. Mas a cidade inteira é digna de atenção. Desde os mirantes como o Paseo de San Cristobal até as pontes impressionantes, como a Puente de San Martín.

Siena – Itália

Siena, cidade medieval na Itália
Unsplash

Siena, cidade medieval na Itália

Toscana é uma região no centro da Itália conhecida por seus monumentos históricos e artísticos, com trabalhos de Michelangelo e Botticelli.  Quem passa por lá não pode deixar de visitar a cidade de Siena, que encanta a todos com seus prédios medievais.

A Praça del Campo é símbolo de Siena, em formato de concha, é onde estão o Palácio Público (sede do governo) e a Torre de Mangia, ambos do século 14. Duas vezes ao ano, a praça apresenta o Palio delle Contrade, tradicional corrida de cavalos que reúne os bairros da cidade. 

Carcassonne – França

Carcassonne
Unsplash

Carcassonne


Carcassonne está situada no topo da colina na área de Languedoc, sul da França e a 300 km de Barcelona. A cidade está intacta há mais de dois mil anos, o que a torna a cidade mais bem preservada da Europa. Em 1997, foi tombada pela UNESCO como patrimônio, justamente pela sua arquitetura espetacular.

Cercada por grandes muralhas, Carcassonne é cheia de mistérios e lendas sobre a sua formação. A mais famosa delas é a da Dama de Carcas, mulher que viveu no século 13 e que foi responsável por acabar com um ataque feito à cidade. Ela jogou um porco por cima da muralha e quando saiu vitoriosa, tocou os sinos. Já que sonne significa “som”, essa seria a origem do nome da cidade.

No topo da colina existe um castelo que é impressionante por dentro e por fora. Ele possui 52 torres. Os turistas podem visitar o castelo por um tour guiado, que conta a história do local e os acontecimentos históricos que ele presenciou. 

Pingyao – China

Pingyao guarda resquícios da Disnatia Han
Reprodução

Pingyao guarda resquícios da Disnatia Han

Saindo do continente europeu, a cidade de Pingyao está localizada em Xanxin, província situada a 700 km de Pequim. Foi fundada no século 14 e possui uma bela arquitetura preservada da dinastia Han. 

O interessante é que a cidade é cercada por muralhas e dentro delas não entram carros, o que aumenta a experiência de retorno ao passado. Assim, os turistas podem chegar lá por trem bala e se encantar pela arquitetura antiga e medieval.

Você viu?

Fonte: IG Turismo

Comentários Facebook
Propaganda

turismo

Poliglota dá dicas de como aprender novos idiomas sem sair de casa

Publicados

em

 

 

source
Anna Murakawa em Sydney onde mora atualmente
Reprodução / @annamurakawa.violin

Anna Murakawa em Sydney onde mora atualmente

No mundo moderno, não existem mais fronteiras. Graças à internet, a conexão com novas culturas e línguas é uma situação frequente e alcançável. “As pessoas que sabem mais de um idioma estão liderando os caminhos, pois conseguem se comunicar com mais eficácia, têm uma visão de mundo ampliada e estão abertas a entenderem diferentes culturas”, explica Anna Murakawa, de 31 anos, violonista brasileira que fala fluentemente sete idiomas.

Murakawa vive atualmente em Sydney, na  Austrália , e o aprendizado de novas línguas foi de extrema importância para seguir seu sonho em estudar música, ajudando a abrir portas e alcançar sonhos. “Aos 17 anos, saí do Brasil para estudar violino na Bulgária, sem falar inglês e nem tampouco búlgaro. Passei por muitos momentos ruins e me senti humilhada diversas vezes, até que entendi o poder da comunicação e prometi a mim mesma que nunca mais deixaria de entender algo ou de ser entendida”, lembra.

Murakawa, que atualmente fala português, inglês, búlgaro, francês, italiano, russo e espanhol, lista as cinco dicas principais para alcançar a fluência em pouco tempo.

1) Entenda os sons

É preciso ouvir, entender, tentar dizer inúmeras vezes até acertar e continuar esse ciclo. O ser humano, naturalmente, adquire um idioma através do som. “Uma vez que os sons passem a fazer sentido para a pessoa, fica muito mais fácil conseguir assimilar as palavras e frases. Focar também na pronúncia irá acelerar o processo de aprendizado”, conta a musicista.

2) Amplie seu vocabulário com palavras em comum entre os idiomas

As palavras que têm a grafia e significados semelhantes são chamadas de cognatos. Elas existem porque, etimologicamente, têm uma origem comum. Entre o português e o inglês, por exemplo, existem um monte de palavras cognatas. Ou seja, um ponto positivo para aprender o idioma. “É preciso, apenas, entender os sons e em como essas palavras foram transformadas no idioma de estudo. Assim, em um piscar de olhos, o novo vocabulário já estará muito mais extenso”, diz a poliglota, que já viveu também nos Estados Unidos.

3) Saiba qual é o seu vocabulário ativo

Após saber os cognatos, é preciso se perguntar quais são as palavras e frases que mais se usam no cotidiano. Um erro muito cometido é aprender, primeiramente, palavras que quase não são usadas e deixar as coisas que mais importam para depois. Dê prioridade para o vocabulário que faz sentido para aquilo que é usado na sua vida e, depois, amplie-o para outras palavras e expressões. “Estude essas palavras e essas estruturas gramaticais. Se eu sou violinista, de nada adianta eu saber falar ‘girafa’, ‘hipopótamo’ e outras palavras que eu não falo nem no português ao longo do meu dia a dia. Eu preciso focar, antes, em saber falar ‘música’, ‘violino’, ‘escutar’, ‘comer’, ‘andar’, entre outras ações e temas básicos da minha vida”, reforça Murakawa, que já morou em quatro continentes diferentes.

4) Seja consistente durante o aprendizado

Se está estudando um idioma uma vez por semana, saiba que está aprendendo da maneira errada. “Quando aprendemos algo hoje e deixamos para revisar só depois de uma semana, a porcentagem de retenção desse conteúdo é muito baixa. Melhor estudar 10 minutos por dia do que 3 horas em um sábado. É como tomar banho, você tomar um banho hoje não significa que você não vai precisar de banho amanhã”, explica.

5) Se jogue em filmes, livros, vídeos e podcasts

Grande parte das pessoas já ouviram essa dica antes, mas o mais importante quando se está começando a aprender um idioma é que a pessoa consuma coisas relacionadas a tópicos que ela goste e já conhece. “Na primeira vez, você vai entender uma palavra, depois duas, e assim por diante. Isso faz parte do processo, mas você já vai saber o contexto e isso vai te ajudar a compreender o idioma e as estruturas gramaticais de uma maneira muito mais rápida”, finaliza a especialista.

Você viu?

Fonte: IG Turismo

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana