economia

Vendedor aproveitou desconto exclusivo e deu prejuízo de R$ 47 mi para Fiat

Publicados

em


source
Em apenas um mês, ele vendeu 250 carros
Agência Brasil

Em apenas um mês, ele vendeu 250 carros

Um vendedor na concessionária da Fiat gerou um prejuízo para a empresa de R$ 47 milhões . Ele chefiou, por mais de dez anos , um esquema de venda de descontos exclusivos para funcionários. Apollon Nimo, de 34 anos dava descontos aos compradores de 5% no valor total do carro. 

Ele se tornou o maior vendedor dos Estados Unidos na concessionária Parkway Chrysler Dodge Jeep Ram, em Michigan. E, com isso, foi premiado pela companhia com bônus que chegaram a US$ 700 mil (R$ 3,8 milhões), além de seu salário entre 2010 e 2019.

Ele vendia os registros dos funcionários no Facebook, e foi denunciado pelos colegas. eles perceberam que seus números estavam sendo utilizados sem consentimento. 

Os investigadores ficaram desconfiados quando Nimo vendeu cerca de 250 veículos apenas em janeiro de 2020. O homem foi preso e pode pegar até 20 anos de pena.

Você viu?

“A FCA US está comprometida em preservar a integridade de nossos programas de compra de funcionários e está cooperando com o Ministério Público dos EUA”, disse a montadora em um comunicado.

“Observamos que os revendedores são empresas independentes e são os únicos responsáveis por sua conduta e operações. Como o assunto está em andamento, não podemos discuti-lo mais no momento.”



Comentários Facebook
Propaganda

economia

Ipea: inflação desacelera para todas as faixas de renda em abril

Publicados

em


A inflação de abril desacelerou em relação a março para todas as faixas de renda pesquisadas pelo Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea), que divulgou hoje (14) uma análise do Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda.

Apesar disso, a pesquisa mostra que a redução no ritmo de aumento de preços foi mais forte entre as famílias de maior renda, que também acumulam menor inflação em um período de 12 meses, de acordo com o Ipea.

Com esse movimento, o aumento mensal de preços em abril foi mais intenso entre as famílias de renda muito baixa (menor que R$ 1.650,50), para quem a inflação passou de 0,71% em março para 0,45% em abril. Em 12 meses, essas famílias acumulam inflação de 7,71%, enquanto a inflação geral foi de 6,76%, segundo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Para as famílias de renda baixa (de R$ 1.650,50 a R$ 2.471,09), a inflação de abril foi de 0,42%, enquanto a de março registrou índice de 0,85%. Essas famílias acumulam uma inflação de 7,5% em 12 meses, também acima da inflação média da economia brasileira.

Na outra ponta da tabela, as famílias de renda alta (mais de R$ 16.509,66) acumulam uma inflação anualizada de 5,21%, abaixo do índice geral. Para essas famílias, a inflação mensal caiu de 1% em março para 0,23% em abril.

O Ipea explica que, em abril, o grupo saúde e cuidados pessoais constituiu o principal fator de pressão sobre os preços, com a alta de produtos farmacêuticos.

Para as famílias de renda mais baixa, esse quadro se soma ao peso do aumento das carnes, aves, ovos, leites e derivados. Mesmo assim, contribuíram para a desaceleração da inflação entre os mais pobres as quedas de tarifas de energia elétrica, ônibus intermunicipais e botijão de gás.

Para as famílias mais ricas, o peso do encarecimento de alimentos e medicamentos é menor, o que se soma à deflação (redução de preços) de combustíveis e transportes por aplicativo.

Classe média

As famílias de renda média alta (R$ 8.254,83 e R$ 16.509,66) foram as que tiveram maior desaceleração da inflação entre todos os grupos de renda, já que o índice de março foi de 1,08%, e o de abril, de 0,20%. No caso dessas famílias, a variação de preços em 12 meses está em 5,85%, baixo da inflação geral.

Para o grupo de renda média (R$ 4.127,41 e R$ 8.254,83), a inflação de abril foi de 0,26%, enquanto a de março era de 1,09%. Em 12 meses, a inflação que incide sobre a cesta de compras dessas famílias acumula 6,61%, também abaixo do índice geral de 6,76%.

Assim como os grupos de renda baixa (R$ 2.471,09 e R$ 4.127,41), os de renda média-baixa experimentam uma inflação acumulada maior que os demais grupos de renda média. A inflação para essas famílias passou de 1,02% em março para 0,33% em abril e acumula 7,3% em 12 meses, acima do IPCA.

Inflação de 2021

Quando são analisadas somente as taxas mensais de 2021, a situação se inverte e os grupos de menor renda passam a acumular as menores variações de preço. Enquanto a renda muito baixa tem inflação de 2,06% desde janeiro, sobre a renda alta incide uma variação acumulada de 2,52%.

Segundo o Ipea, essa diferença repercute, basicamente, a desaceleração dos alimentos e a forte alta dos combustíveis ocorrida no primeiro trimestre de 2021.

A inflação acumulada em 2021 é mais intensa sobre a renda média, com uma taxa acumulada de 2,62% entre janeiro e abril.  

Edição: Valéria Aguiar

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana