BRASIL E MUNDO

Veículo da Nasa chega ao polo sul da Lua em 2023 para procurar água

Publicados

em


O Veículo de Exploração Polar para Investigação Volátil (Viper) vai pousar no polo sul da Lua em 2023 para procurar água e outros recursos, anunciou nessa segunda-feira (20) a Nasa, agência espacial norte-americana.

O local da missão, parte do programa Artemis, será perto da borda ocidental da cratera Nobile, onde irá explorar a superfície e subsuperfície da área.

A equipe da agência avaliou trajetórias viáveis para o rover, tendo em conta locais onde o Viper poderia utilizar os seus painéis solares para carregar e conservar o calor durante a viagem de 100 dias.

“Estamos à procura de respostas a algumas perguntas bastante complexas, e estudar esses recursos na Lua, que resistiram ao teste do tempo, vai nos ajudar a responder”, disse Anthony Colaprete, cientista que coordena o projeto.

O Viper, que será lançado a bordo de um foguete Falcon Heavy da empresa privada SpaceX, estudará uma superfície lunar de aproximadamente 93 quilômetros quadrados.

Durante a missão, serão recolhidas amostras de pelo menos três locais em áreas cuidadosamente selecionadas, que proporcionarão maior compreensão de uma vasta gama de diferentes tipos de ambientes lunares, disse a Nasa.

A equipe Viper procurará analisar as características do gelo e outros recursos, utilizando sensores e o berbequim do rover a bordo.

A análise de amostras de uma variedade de profundidades e temperaturas ajudará os cientistas a prever melhor onde mais poderá haver gelo na Lua, com base em terreno semelhante, permitindo à Nasa mapear recursos.

A ideia é compreender melhor a distribuição de recursos na Lua e documentar as futuras missões tripuladas à superfície lunar.

A Nasa explicou que o pólo sul lunar é uma das regiões mais frias do sistema solar.

“Nenhuma missão anterior à superfície da Lua explorou essa região”, acrescentou.

Dados de missões anteriores ajudaram os cientistas a concluir que o gelo e outros recursos potenciais existem em áreas da lua próximas dos pólos.

Os dados que o Viper envia vão fornecer aos cientistas de todo o mundo “maior compreensão da origem cósmica, evolução e história da nossa lua”, disse Thomas Zurbuchen, administrador associado da Nasa para a ciência.

Comentários Facebook
Propaganda

BRASIL E MUNDO

Estados Unidos descartam lockdown; OMS alerta para novos surtos

Publicados

em


A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou hoje (29) que a variante Ômicron do novo coronavírus impõe alto risco de novos surtos de infecção.

A OMS advertiu as 194 nações afiliadas de que a possibilidade de um novo surto pode ter consequências severas, mas ressaltou que nenhuma morte foi registrada até o momento em decorrência da nova variante.

Também hoje, o presidente norte-americano, Joe Biden, afirmou em discurso na Casa Branca que a nova variante é motivo de preocupação, mas não de pânico. Segundo Biden, a variante chegará em solo americano cedo ou tarde; portanto, a melhor abordagem no momento é a vacinação.

Na próxima quinta-feira (2), a Casa Branca, sede do governo dos Estados Unidos, divulgará uma nova estratégia para lidar com a pandemia e suas variantes durante o inverno. Joe Biden adiantou que o plano não incluirá novas ações restritivas à circulação de pessoas ou contenção de aglomerações. “Se as pessoas estiverem vacinadas e usarem máscaras, não há necessidade de novo lockdown [confinamento]”, afirmou.

O presidente ressaltou, entretanto, que ainda demorará algumas semanas até a comprovação da eficácia dos imunizantes disponíveis contra a Ômicron.

O especialista em saúde Anthony Fauci, conselheiro do governo nas ações contra a pandemia, disse que que o país “obviamente está em alerta vermelho”. “É inevitável que se espalhe amplamente”, afirmou em entrevista a uma rede de televisão neste sábado (27), de acordo com a agência internacional de notícias Reuters.

Segundo projeções de órgãos de saúde internacionais, o número de casos da variante Ômicron deve ultrapassar 10 mil nesta semana, em comparação aos 300 registros feitos na semana passada, informou o professor Salim Abdool Karim, infectologista que trabalha no combate à pandemia no governo sul-africano.

Ontem (28), o presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, denunciou em redes sociais o que chamou de abordagem “injustificada e anticientífica” em relação país. Para Ramaphosa, o fechamento de fronteiras e a proibição de voos de países da África Austral fere profundamente economias que dependem do turismo, além de serem “uma espécie de punição pela capacidade científica de detectar novas variantes”.

O presidente da África do Sul fez um apelo para que autoridades internacionais não estabeleçam restrições de voo para a região.

*Com informações da Reuters

Edição: Nádia Franco

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana