Saúde

Vacinas demonstram eficácia reduzida contra variante sul-africana do coronavírus

Publicados

em


source

Olhar Digital

Variantes do coronavírus podem ser mais resistentes às vacinas
Reprodução

Variantes do coronavírus podem ser mais resistentes às vacinas

Os últimos dois dias foram repletos de novas informações importantes sobre vacinas contra Covid-19. A Novavax anunciou resultados de sua vacina de subunidade proteica com alta eficácia e a Janssen, braço farmacêutico da Johnson & Johnson, também anunciou sucesso em sua pesquisa com uma plataforma de vetor viral, com um diferencial de que o regime de aplicação prevê apenas uma dose, enquanto todas as outras em fases avançadas utilizam duas. No entanto, quando testadas contra a preocupante variante sul-africana do coronavírus o resultado não foi tão bom.

Em ambos os casos, a eficácia das vacinas foi reduzida em comparação com os experimentos realizados em outras regiões onde a variante sul-africana ainda não é prevalente.

No caso da Novavax, os experimentos realizados na África do Sul não tiveram a grande escala esperada de uma fase 3, para averiguar eficácia, com apenas 4.400 participantes. O resultado, porém, foi preocupante. O experimento no Reino Unido aferiu uma eficácia muito alta, superior a 89%, e os resultados foram bons até mesmo contra a variante britânica do vírus, que tem preocupado o mundo com a suspeita de ser mais transmissível. No país africano essa marca foi consideravelmente mais baixa, de apenas 60% entre os participantes no estudo que são soronegativos para HIV.

No caso da Johnson & Johnson, a situação é similar. A empresa anunciou uma eficácia global de 66%, mas esse número foi puxado para baixo graças a um resultado frágil com os ensaios realizados na África do Sul.

Os testes conduzidos pela empresa aferiram uma eficácia de 72% quando analisados apenas os casos registrados nos Estados Unidos. Já na América Latina, o estudo percebeu 66% de eficácia; a queda é mais brusca no ensaio sul-africano com apenas 57% de eficácia. Todos esses números são referentes à proteção conferida contra casos moderados e graves da doença.

Ambas as empresas atribuem os resultados inferiores nos ensaios africanos justamente à variante sul-africana e que se tornou predominante no território. No caso da Janssen, 95% dos participantes contaminados foram diagnosticados com a linhagem B.1.351, que é a variante preocupante dominante do país. Na Novavax, a proporção foi similar. Dos 27 casos acumulados entre os voluntários sul-africanos cujas amostras passaram por sequenciamento genético, 25 (ou 92,6%) foram causados pela linhagem B.1.351.

Você viu?

No caso da Novavax, a empresa já está se planejando sobre como lidar com a variante sul-africana. A empresa diz que pretende começar a testar uma vacina bivalente ou uma nova dose booster, que sejam capazes de imunizar não apenas contra o coronavírus original detectado em Wuhan no fim de 2019, mas também especificamente contra as novas mutações. A Johnson & Johnson, por sua vez, não apresentou uma iniciativa para produzir imunidade específica contra o a linhagem do vírus descoberta na África do Sul.

Até o momento, os ensaios da Novavax e da Janssen são os únicos com dados anunciados já realizados sob a ameaça das novas variantes, então são as duas únicas vacinas com informações concretas sobre a eficácia contra a variante sul-africana. Outras empresas, no entanto, já estão realizando testes com o sangue de pessoas vacinadas para saber se as defesas criadas pela imunização ainda são válidas contra a variante descoberta na África do Sul.

A Pfizer, por exemplo, demonstrou em estudo ainda não publicado que sua vacina ainda produz resposta contra o vírus, mesmo com a variante sul-africana, embora não haja uma medida exata da eficácia. A empresa já anunciou que, caso detecte uma variante do coronavírus que não é reconhecida pela vacina, conseguirá atualizar seu imunizante em questão de seis semanas.

O post Vacinas demonstram eficácia reduzida contra variante sul-africana do coronavírus apareceu primeiro em Olhar Digital.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

SP abre vacinação dos profissionais de saúde a partir de 47 anos; confira

Publicados

em


source
SP abre vacinação dos profissionais de saúde a partir de 47 anos; confira
Reprodução: BBC News Brasil

SP abre vacinação dos profissionais de saúde a partir de 47 anos; confira

Começa nesta segunda-feira (19) a vacinação do grupo prioritário formado por trabalhadores dos serviços da área de saúde com 47, 48 e 49 anos na capital paulista. O público-alvo é de cerca de 40 mil pessoas. Trabalhadores dos serviços de saúde são todos aqueles que atuam em espaços e estabelecimentos de assistência e vigilância à saúde, sejam eles hospitais, clínicas, ambulatórios, laboratórios e outros locais.

O grupo inclui os profissionais de saúde, com prioridade neste momento a médicos; enfermeiros/técnicos e auxiliares; nutricionistas; fisioterapeutas/ terapeutas ocupacionais; biólogos; biomédicos/técnicos de laboratório que façam coleta de RT-PCR SARS CoV2 e análise de amostra de covid-19; farmacêuticos/técnico de farmácia; odontólogos/ASB (auxiliar de saúde bucal) e TSB (técnico de saúde bucal; fonoaudiólogos; psicólogos; assistentes sociais; profissionais da educação física e médicos veterinários.

Toda a rede de vacinação da cidade – inclusive as 468 unidades básicas de Saúde (UBS) – está disponível aos públicos elegíveis da campanha, o que inclui pessoas de grupos prioritários anteriores que ainda não iniciaram ou completaram o esquema vacinal.

A Secretaria Municipal de Saúde alerta que, mesmo após a vacinação, as pessoas devem manter as regras de distanciamento social, o uso de máscaras e a lavagem constante das mãos. O uso de álcool em gel também segue indispensável.

A secretaria recomenda ainda que as pessoas busquem a vacina de maneira gradual, evitando aglomerações nos postos da capital e preenchendo o pré-cadastro no site Vacina Já, a fim de agilizar o tempo de atendimento para imunização.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana