Saúde

Vacinação contra o Influenza na capital paulista será feita em escolas

Publicados

em


Para evitar aglomerações e possíveis confusões com a vacinação contra a covid-19, a prefeitura de São Paulo decidiu aplicar a vacina contra a gripe do vírus Influenza somente em escolas este ano. A vacinação contra o Influenza tem início no dia 12 de abril.

“A vacinação da influenza no município de São Paulo será aplicada exclusivamente em escolas e estabelecimentos de educação. Estamos separando exatamente por conta da vacinação de covid-19, que tem ocorrido nos nossos mega drive-thrus e nas 468 unidades básicas de saúde. A ideia é que a gente não faça qualquer aglomeração ou cruzamento dessas populações que vão estar recebendo dois tipos de vacinas diferentes”, disse hoje (8) Edson Aparecido, secretário municipal da Saúde de São Paulo.

Além de concentrar a vacinação contra a gripe somente em escolas, a prefeitura decidiu também separar os grupos prioritários. A primeira fase da vacinação na capital paulista vai ocorrer entre os dias 12 de abril e 10 de maio. Nessa fase, serão vacinados crianças de seis meses a seis anos de idade, gestantes, puérperas, povos indígenas e trabalhadores da área da saúde.

Já os idosos moradores da capital e que costumavam ser os primeiros a serem vacinados contra a gripe, estarão este ano na segunda etapa de vacinação, que ocorre entre os dias 11 de maio e 8 de junho. Nessa etapa também serão vacinados os profissionais da área da educação. Isso porque a prioridade é para que os idosos sejam vacinados contra a covid-19. Além disso, deve ocorrer um intervalo mínimo de 14 dias entre as duas vacinas. “É uma mudança de público, sempre os idosos entram também nessa primeira fase de vacinação, mas desta vez, em função da covid-19, priorizamos a vacinação de covid para os idosos e fizemos essa inversão para que a gente não cruze os públicos e locais”, disse o secretário.

Na terceira etapa de vacinação na cidade, que vai ocorrer entre os dias 9 de junho e 09 de julho, serão vacinados agentes de segurança pública, pessoas portadoras de doenças crônicas, caminhoneiros, integrantes das forças armadas, trabalhadores de transporte coletivo e portuários, funcionários do sistema prisional e adolescentes e jovens de até 21 anos que estão sob medida socioeducativa, além da população privada de liberdade.

A prefeitura destacou que quem tomou a vacina contra a covid-19 há menos de 14 dias deve adiar a vacinação contra a gripe. “Pessoas que estiverem com covid-19 ou que tiveram covid há menos de 28 dias devem adiar a vacinação do influenza. Também deve-se dar um intervalo de 14 dias entre a vacina contra a covid, seja em primeira ou segunda dose, e a vacina de Influenza”, explicou o secretário.

A prefeitura informou que vai aproveitar a campanha de vacinação contra o Influenza para atualizar a caderneta de vacinação para outras doenças, como sarampo e febre amarela.

Segundo o secretário, a vacinação contra a gripe tem o objetivo de reduzir complicações e mortalidade pela doença, além de facilitar o diagnóstico de covid-19.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

Benefícios da vacina da AstraZeneca superarem riscos de coágulos, diz estudo

Publicados

em


source
Imunizante da AstraZeneca
Reprodução/AstraZeneca

Imunizante da AstraZeneca

Um estudo dinamarquês e norueguês publicado na revista cientítica “British Medical Journal” (BMJ) nesta quarta-feira, dia 5, avaliou a relação entre os benefícios da vacina AstraZeneca contra Covid-19 e os riscos de eventos adversos e formação de coágulos sanguíneos que ela poderia causar. A pesquisa, liderada pelo professor Anton Pottegard, concluiu que o imunizante traz riscos “absolutamente baixos” e, portanto, tem seu uso recomendado como forma de proteção.

Pottegard explicou ao GLOBO que os contextos podem variar de país para país e, com isso, a forma de utilização da vacina também é alterada. Ele citou o exemplo de seu país, Dinamarca, que possui outras opções de vacinas e já aplicou doses em boa parte de seus idosos. Considerando uma taxa de transmissão mais baixa do que a de países como o Brasil e a Índia, são levados em conta os riscos maiores de formação de coágulos para a população mais jovem, na faixa de 20 a 39 anos. Em 14 de março, a Autoridade de Saúde Dinamarquesa anunciou a interrupção da AstraZeneca. Naquele país, a campanha é feita com os imunizantes da Pfizer/BioNTech e da Moderna.

No entanto, quando o contexto é de maior taxa de transmissão da doença, de menor opções e quantidade de vacinas e onde ainda há muitos idosos e pessoas com comorbidades a receberem suas doses, os beneficios superam os riscos, por protegerem os recepteroes de uma infecção potencialmente fatal. A pesquisa também verificou que há diferença muito baixa entre os resultados para jovens e idosos, mulheres e homens, sendo o risco ligeiramente maior para jovens e mulheres.

— Na Dinamarca, ela (a AstraZeneca) não é mais usada. Esse é, contudo, um país com menor risco de transmissão (da Covid-19), possui outras vacinas e maior parte dos idosos foi vacinada. Neste contexto, faz sentido (determinar essa medida). Entretanto, se estiver em um país com maior taxa de transmissão e vacinas em menor quantidade, os benefícios superam os riscos. Então, a melhor decisão a tomar é usar a vacina (da AstraZeneca) em todos no contexto do Brasil — frisou o pesquisador.

Em uma postagem no Twitter, Pottegard ressaltou sua preocupação de a pesquisa gerar mal entendidos por mencionar os eventos adversos em alguns casos de vacinados com a dose de Oxford.

— Fico preocupado com a má interpretação da pesquisa, porque os riscos são muito baixos — explicou, completando: — Minha preocupação é que a má interpretação leve a crer que a vacina não deva ser usada e isso acabe provocando a morte de muitas pessoas.

A pesquisa liderada por ele contou com participantes de 18 a 65 anos que receberam a primeira dose da AstraZeneca entre 9 de fevereiro e 11 de março na Dinamarca e Noruega. Foram então analisadas as taxas de eventos cardiovasculares e hemostáticos nos primeiros 28 dias após a aplicação e compará-las com os índices observados nas populações em geral.

Você viu?

Os riscos avaliados incluíram incidentes arteriais, tromboembolismo venoso, trombocitopenia ou distúrbios de coagulação e sangramento, considerando comparações por idade e gênero.

O estudo verificou que, no período mencionado, 148.792 pessoas com média de 45 anos, sendo 80% mulheres, receberam sua primeira dose da AstraZeneca na Dinamarca. Já na Noruega, foram contabilizadas 132.472, com média de 44 anos e 78% mulheres.

A pesquisa verificou, entre os 281.264 receptores, um aumento na incidência de coágulos sanguíneos nas veias (coágulos sanguíneos venosos), incluindo um ligeiro aumento na incidência de coágulos sanguíneos nas veias do cérebro, correspondendo a um coágulo adicional por 40 mil vacinados.

No entanto, “os resultados foram amplamente tranquilizadores”, afirmam os autores, justificando que não encontraram um aumento na incidência para a maioria dos eventos adversos estudados.

“Os riscos absolutos de eventos tromboembólicos venosos foram, no entanto, pequenos, e os achados devem ser interpretados à luz dos efeitos benéficos comprovados da vacina, o contexto do país em questão e as limitações à generalização dos achados do estudo”, conclui o estudo.

Segundo o portal de notícias científicas “Eureka Alert”, os resultados do estudo foram encaminhados às autoridades dinamarquesas, norueguesas e internacionais e já foram considerados nas avaliações feitas pelo órgão regulador dinamarquês.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana