GERAL

TV Brasil estreia nova faixa de novelas com Os Imigrantes

Publicados

em

Clássico da teledramaturgia no país, a novela Os Imigrantes marca o lançamento do segundo horário de folhetins na programação da TV Brasil, que passa a exibir tramas emocionantes na telinha também às 18h a partir desta segunda-feira (9). No ar de segunda a sábado, a novela antecede o conteúdo jornalístico transmitido ao vivo, às 19h, enquanto a histórica produção A Escrava Isaura é a atração da faixa nobre, às 20h, com destaque de público no canal.

Gestora da TV Brasil, a Empresa Brasil de Comunicação (EBC) adquiriu os direitos de exibição da obra depois da repercussão positiva de folhetins anteriores. O contrato de licenciamento permite exibir a novela em sinal aberto e fechado, pelas afiliadas da Rede Nacional de Comunicação Pública (RNCP), pela TV Brasil Web e pelo aplicativo TV Brasil Play. A novela tem horário alternativo na madrugada, à 01h15.

A novidade reforça o empenho institucional em oferecer programação de qualidade para o cidadão brasileiro, segundo Glen Valente, diretor-presidente da EBC.

“A transmissão da novela Os Imigrantes atende ao interesse da empresa em promover atrações nacionais que contribuam para o desenvolvimento da consciência crítica das pessoas. O alcance de novos públicos é um dos objetivos da exibição de obras que atravessam gerações, como as novelas escolhidas pelo canal para sua grade”, afirma Glen Valente.

A nova janela para atrações do gênero acompanha a saga dos imigrantes que vieram para o Brasil no fim do século 19. Sempre no mesmo horário, às 18h, os capítulos do premiado folhetim terminam para o início do telejornal Repórter Brasil, às 19h, e do programa esportivo Stadium, às 19h40.

Trama de época

“Os Imigrantes” marca o lançamento do segundo horário de folhetins na programação da TV Brasil – Divulgação/TV Brasil

Considerada uma das novelas brasileiras de maior duração, com 190 episódios, Os Imigrantes reúne elenco de astros para revelar os desafios dos estrangeiros ao chegar em território nacional.

Os atores Rubens de Falco, Othon Bastos e Altair Lima vivem personagens homônimos, mas de países distintos. Os protagonistas interpretam um italiano, um português e um espanhol chamados Antônio.

A obra – escrita pelo consagrado autor Benedito Ruy Barbosa e dirigida por Atílio Riccó e Henrique Martins – teve sua primeira exibição entre 1981 e 1982 na TV Bandeirantes. O folhetim foi uma das obras que marcou a carreira do novelista.

Elogiada pela crítica especializada e reconhecida pelos espectadores, a produção alcançou público cativo. Entre as conquistas de Os Imigrantes estão diversas premiações da época como o Troféu Imprensa e várias categorias da láurea concedida pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA).

Desenvolvida em cinco fases, com passagens de tempo entre os capítulos, e mudanças em núcleos do elenco, a narrativa ganhou sequência com o subtítulo Terceira Geração para completar a história das famílias que se estabeleceram no Brasil.

A redação da etapa final da trama, com o enredo que envolve os acontecimentos com os descendentes dos imigrantes, foi feita por Renata Pallottini e Wilson Aguiar Filho. Essa etapa da produção de dramaturgia foi supervisionada por Antônio Abujamra e Antonino Seabra.

Com performances audaciosas, a novela Os Imigrantes traz grande elenco com dezenas de personalidades das artes cênicas.

Referência na dramaturgia nacional, a novela tem fotografia marcante, com bonitas cenas que se destacam pelo impacto visual positivo. Além dos cenários, a produção também conta com figurinos de época e caracterização apropriada para cada fase da história que acompanha a ação de personagens desde o século 19 até o início dos anos 60.

Outro destaque do folhetim diz respeito à trilha sonora, com repertório nacional e internacional em vários LPs. A seleção teve obras da Itália, Espanha e Portugal. O trabalho de sonorização autêntico traz vasto apanhado musical para retratar a origem rural e urbana dos personagens. A combinação inclui obras instrumentais, músicas brasileiras com influência norte-americana, bem como jazz e valsas românticas.

Conflitos da trama

O enredo de Os Imigrantes retrata com ousadia a odisseia dos estrangeiros que saíram de suas nações para tentar a sorte no Brasil. Eles chegaram à América do Sul no fim do século 19 com muitos sonhos na bagagem.

A produção acompanha a vida de famílias que ajudaram a construir o país com atuação em setores variados da economia, mas principalmente nas lavouras de café do interior de São Paulo.

A trama é centrada na história de três homens e suas descendências ao longo das décadas. O enredo mostra a vida daquela geração e das seguintes. Os protagonistas compartilham o mesmo nome, mas são de nacionalidades diferentes. Com criatividade, a novela ilustra os sacrifícios e embates de italianos, portugueses e espanhóis para prosperar em terras brasileiras.

Os Imigrantes marca o lançamento do segundo horário de folhetins na programação da TV Brasil, Os Imigrantes marca o lançamento do segundo horário de folhetins na programação da TV Brasil,

Os Imigrantes marca o lançamento do segundo horário de folhetins na programação da TV Brasil, – Divulgação/TV Brasil

O trio é interpretado por grandes atores. O italiano Antônio di Salvio foi representado por Herson Capri na primeira fase e Rubens de Falco nas etapas seguintes. Já o português Antônio Pereira teve a atuação de David Arcanjo e Othon Bastos, enquanto o espanhol Antônio Hernandez foi vivido pelos atores Jose Piñero e Altair Lima.

Com o fim da escravidão, os grandes fazendeiros precisavam de trabalhadores, já que muitos negros se recusavam a servir como mão de obra barata, mesmo pagos, após tanta tortura e sofrimento que viveram no passado. Os estrangeiros surgiram como oportunidade para desenvolver o trabalho no campo.

Para trazer os imigrantes, o Brasil os atraiu de países da Europa e até do Japão. Essas pessoas vieram com sua prole, na esperança de adquirir terras para seu sustento em um novo mundo. Ao chegar, porém, encaravam dura realidade.

Contratados ao desembarcar no porto ou vagando pelas cidades até obter ocupação, muitos desses estrangeiros foram trabalhar nas lavouras de café no interior de São Paulo. A labuta incluiu não só adultos, homens e mulheres, como crianças.

A novela acompanha a rotina de diversos personagens que enfrentam desventuras no Brasil, em tramas envolventes. Os primeiros capítulos destacam a chegada dos três Antônios ao país no fim do século 19. A segunda fase caracteriza a vida das famílias 25 anos depois nas décadas de 10 e 20.

A terceira etapa do folhetim apresenta os netos dos imigrantes nos anos 30. Os dramas da velhice do trio principal, enquanto a família cresce, são abordados na quarta fase da produção que se estende pela década de 40.

Na quinta fase, no começo dos anos 50, a saga das novas gerações é revelada com a morte dos patriarcas.

Com o subtítulo Terceira Geração, os episódios que marcam o encerramento do clássico Os Imigrantes mostram como se portaram até a década de 60 os filhos e netos dos estrangeiros que vieram ao Brasil no século anterior, durante o início da trama.

Os Imigrantes marca o lançamento do segundo horário de folhetins na programação da TV Brasil, Os Imigrantes marca o lançamento do segundo horário de folhetins na programação da TV Brasil,

Os Imigrantes marca o lançamento do segundo horário de folhetins na programação da TV Brasil, – Divulgação/TV Brasil

Ficha Técnica

País: Brasil

Anos: 1981 e 1982

Gênero: drama

Capítulos: 190

Autores: Benedito Ruy Barbosa, Renata Pallottini e Wilson Aguiar Filho

Direção: Atílio Riccó e Henrique Martins

Supervisão: Antônio Abujamra e Antonino Seabra (Terceira Geração)

Primeira exibição: Bandeirantes, de 27 de abril de 1981 a 1º de novembro de 1982

Elenco: Rubens de Falco, Othon Bastos, Altair Lima, Herson Capri, David Arcanjo, José Piñero, Yoná Magalhães, Maria Estela, Lúcia Veríssimo, Rolando Boldrin, Norma Bengell, José Augusto Zago, Fúlvio Stefanini, Cristina Mullins, Dionísio Azevedo, Felipe Donavan, Flora Geny, Luís Carlos Arutin, Riva Nimitz, Baby Garroux, Sandra Barsotti, Agnaldo Rayol, Paulo Betti, Denise Del Vecchio, Fúlvio Stefanini, Chica Xavier, John Herbert, Herson Capri, Ricardo Blat, Solange Couto, Cláudia Alencar, Lília Cabral, Gésio Amadeu, Mateus Carrieri, Taumaturgo Ferreira, Nicole Puzzi, Arlindo Barreto, entre outros.

Classificação Indicativa: 14 anos

#VemVer

Com atrações inéditas, novas temporadas e horários de produções consagradas, lançamento de reality e mais tempo para o telejornalismo, a TV Brasil está com nova programação desde o início de abril. Sempre com foco em qualidade e credibilidade, a emissora pública oferece ainda mais informação e entretenimento para o público com a nova grade.

As novidades foram projetadas para fidelizar o espectador que já assiste ao canal público e para atrair novas audiências. O conteúdo jornalístico aumentou, com edições aos sábados dos telejornais locais e a transmissão do Repórter Brasil Noite. A estreia da novela Os Imigrantes reforça esse objetivo.

Ao vivo e on demand

Acompanhe a programação da TV Brasil pelo canal aberto, TV por assinatura e parabólica. Sintonize: tvbrasil.ebc.com.br/comosintonizar

Seus programas favoritos estão no TV Brasil Play, pelo site play.ebc.com.br ou por aplicativo no smartphone. O app pode ser baixado gratuitamente e está disponível para Android e iOS. Assista também pela WebTV .

Serviço:

Os Imigrantes, na TV Brasil

Estreia: segunda-feira, dia 9/5, às 18h

Exibição: segunda a sábado às 18h, com reapresentação à 01h15

Facebook 
Twitter 
Instagram 
YouTube
TikTok 

Para saber como sintonizar a TV Brasil em sua cidade, acesse: tvbrasil.ebc.com.br/comosintonizar.

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook
Propaganda

GERAL

IBGE precisará recompor orçamento do Censo 2022 por causa da inflação

Publicados

em

O diretor de Pesquisas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Cimar Azeredo, afirmou hoje (27) que o orçamento do Censo 2022 terá que passar por recomposição. De acordo com Azeredo, o avanço da inflação provocou impacto em insumos e equipamentos que são usados na realização das entrevistas. Em 2019, o custo da pesquisa nacional foi estimado em R$ 2,3 bilhões. Depois disso, os valores sofreram reajustes consideráveis.

Conforme adiantou, o IBGE já sabe que, entre os gastos que vão extrapolar os valores definidos atualmente, estão o preço da gasolina e dos aluguéis de automóveis e aeronaves, necessários para o trabalho de campo. Azevedo citou o alto consumo de gasolina, o aluguel de carros e aeronaves, usadas sobretudo para sobrevoar áreas da Região Norte, que tiveram aumentos muito expressivos.

“São coisas que, umas a gente vai conseguir contornar e outras, não. E aí, não contornando, a gente vai ter que tentar recompor isso”, afirmou Azevedo no primeiro dia do Seminário do Censo 2022 para Jornalistas, realizado pelo IBGE.

Segundo o diretor de Pesquisas do IBGE, o assunto está encaminhado com o Ministério da Economia. “Já temos uma sinalização positiva do Ministério da Economia. Na época, o secretário responsável pelo IBGE era o Esteves [secretário especial do Tesouro e Orçamento, Esteves Colnago]. E, em um seminário técnico [em dezembro de 2021] ele colocou isso para o IBGE, de que era esperado o processo de complementação do orçamento para realização do censo e chegou até a afirmar que, uma vez começado o censo, ele vai terminar. Isso foi muito importante.”

Azevedo acrescentou que, em dezembro, já se apresentava a preocupação da influência dos aumentos em decorrência da inflação no orçamento.

Ele informou que o IBGE vai enviar ao Ministério da Economia a proposta de recomposição e que “está bastante tranquilo com isso”, por ter recebido sinal verde do Ministério da Economia. O IBGE ainda não tem o valor necessário para a recomposição, porque já foram feitos alguns ajustes na operação do censo que está usando mais tecnologia e treinamentos que puderam ser feitos a distância, o que reduziu custos, acrescentou.

Em resposta à Agência Brasil, o Ministério da Economia informou que a Secretaria de Orçamento Federal só se manifesta sobre “créditos orçamentários cuja proposta já esteja formalizada e seus efeitos tornados públicos”.

Seleção

Cimar Azeredo admitiu que o atraso para a realização do censo em 2020 e em 2021, com consequente o adiamento de dois concursos consecutivos, provocou problemas na contratação de recenseadores e causou desânimo e descrédito entre os interessados em participar do trabalho, pois teriam que pagar de novo a taxa de inscrição.

Segundo ele, o concurso para o Censo 2022 não teve a procura esperada, e foi necessário abrir processo seletivo complementar feito por entrega de currículos. “Dentro da estrutura hierárquica [do censo] tem o processo de contratação acontecendo, mas nada ainda que esteja em ponto crítico. Tem problemas em alguns lugares, em outros, a situação está praticamente resolvida. Tem apoio da imprensa local muito bom, e a situação está se resolvendo. A gente acredita que estará com os recenseadores todos contratados, os 180 mil que a gente vai precisar durante o censo”, afirmou.

O treinamento dos recenseadores será feito no período de 18 a 22 de julho – mas o edital de convocação sairá no dia 11. Os recenseadores serão contratados depois do período de treinamento. “Eles são convocados, recebem uma ajuda de custo durante o treinamento e, quando termina, fazem uma prova que é a que certifica e qualifica o recenseador para fazer o trabalho”, explicou.

Depois disso, o candidato entra no processo de receber o setor em que vai atuar durante o censo. “Tem aí um processo de formação e de ajuste para saber se, embora não tenha feito o concurso, a pessoa tenha sido chamada pelo currículo dela. Existe um teste para ser contratado”, finalizou.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana