TRIBUNAL DE JUSTIÇA MT

TJMT concede primeira licença paternidade de 180 dias para servidor solteiro adotante

Publicados

em


O Tribunal de Justiça de Mato Grosso concedeu, no mês de setembro de 2021, a primeira licença paternidade de 180 dias a um servidor solteiro adotante. Wellington Corrêa, assessor da desembargadora Clarice Claudino da Silva, está com a filha há menos de duas semanas. A bebê de apenas três meses chegou no dia 17 de setembro, depois de quatro anos de espera para a adoção.
 
A licença de 180 dias foi concedida apenas quatro dias após Wellington entrar com o pedido do benefício no setor de Recursos Humanos do TJMT. “Foi muito rápido a concessão da licença. Pedi na segunda e já tive a resposta positiva na quinta-feira da mesma semana. Não esperava que seria assim, pensei que iria enfrentar alguma dificuldade. Também foi ágil a inclusão da minha filha no meu plano de saúde e no pedido de auxílio creche quando ela precisar. Temos sido atendidos em tudo que necessitamos. Agradeço e parabenizo o RH e a atual gestão do Tribunal de Justiça”, diz o servidor.
 
A licença paternidade é um direto garantido na Constituição Federal. A jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF) estipula que o prazo de licença ao adotante não pode ser inferior ao da licença à gestante, à luz do princípio da dignidade da pessoa humana e da igualdade entre filhos biológicos e adotados. Também não pode haver distinção entre mãe ou pai adotante.
 
“Estamos habituados a conceder licença para mães adotantes, mas para um pai adotante foi a primeira vez. Ficamos felizes em poder atender à solicitação do servidor, foi algo que nos deu muita satisfação poder realizar”, conta a Coordenadora de Recursos Humanos do TJMT Karine Moraes Giacomeli de Lima.
 
Karine aponta que a concessão da licença paternidade de 180 dias para um servidor vai ao encontro dos princípios de equidade, que é uma das prioridades da atual gestão do Tribunal de Justiça. “A licença é um direito, e também é imprescindível para a convivência integral com a criança, especialmente nos casos de pais adotantes, que precisam estabelecer um vínculo com a criança que não existiu durante a gestação”, destaca Karine.
 
A adoção – Justamente para fortalecer o vínculo com a filha, foi que Wellington fez questão da licença paternidade de 180 dias. “Além de ser um direito, solicitei a licença para ficar com minha filha, cuidar dela, estar presente com ela todo o tempo, fortalecendo a relação, um ato extremamente necessário quando se trata de adoção”, explica Wellington.
 
Ele conta que, aos 46 anos e depois de esperar quatro, já tinha dito a amigos que este seria o último ano em que iria aguardar pela adoção, até que finalmente foi chamado. “Por mais que que se espere e tenha se preparado, é uma grande surpresa. Tudo acontece muito rápido a partir do momento em te comunicam. Não tinha nada preparado, pois não sabia se viria uma menina ou menino e qual idade teria, até que ela chegou. Tive que correr atras de tudo, roupas, utensílios, berço, tudo”.
 
Ele diz que as noites têm sido tranquilas, a bebê dorme bastante, mas os dias têm sido cheios. “Muito trabalho, muito cansativo, mas muito prazeroso, muita felicidade com ela em casa”. Wellington passa o maior tempo possível com a filha no colo, aconchegada a ele. “Para que ela se acostume comigo, vá me conhecendo, sabendo que sou o pai dela, quem cuida e ama. Optei por não ter baba nestes primeiros seis meses justamente para criar e fortalecer o vínculo amoroso”.
 
Angela Jordão
Coordenadoria de Comunicação da Presidência do TJMT
 
 

Comentários Facebook
Propaganda

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MT

Agentes de segurança do TJMT concluem curso para proteção de dignitários

Publicados

em


Agentes de segurança que compõe a Coordenadoria Militar do Poder Judiciário de Mato Grosso concluíram a 13º Edição do Curso de Proteção de Dignitários. O treinamento foi promovido pelo Gabinete Militar do Estado de Mato Grosso e a formatura foi promovida nesta segunda-feira (18 de outubro).
 
Ao todo participaram 40 policiais militares, dentre os quais 5, atuam diretamente com a segurança dos magistrados mato-grossenses. Foram ministradas 200 horas/aula que foram divididas em disciplinas como direção defensiva e evasiva, tiro tático, tiro policial, escolta de autoridades, noções de salvamento aquático e primeiros socorros.
 
De acordo com a coordenadora militar, Cel PM Jane de Sousa Melo, os agentes que participaram da capacitação terão grande importância na proteção dos servidores e magistrados do Judiciário. “Esses cinco Policiais Militares da Coordenadoria Militar que foram capacitados, além de utilizarem as técnicas, serão grandes multiplicadores no Tribunal de Justiça. A participação no curso foi fruto de uma visão técnica da nossa presidente, desembargadora Maria Helena Póvoas, em capacitar magistrados, servidores e policiais militares, para cada vez mais estarem preparados para os desafios da carreira”, ponderou a coordenadora militar.
 
O curso tem o objetivo de capacitar e formar policiais para exercerem a atividade de proteção de autoridades. Além disso, visa criar condições para que o aluno desenvolva as competências o papel de agente de proteção nas diversas modalidades durante o serviço de Proteção de Dignitários.
 
Ulisses Lalio
Coordenadoria de Comunicação da Presidência do TJMT
 
 

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana