economia

Thai Airways nega rumores sobre compra de novas aeronaves

Publicados

em


source
Thai Airways nega rumores sobre compra de novas aeronaves
Calebe Murilo

Thai Airways nega rumores sobre compra de novas aeronaves

A companhia de bandeira tailandesa Thai Airways, após diversos rumores, negou planejar a compra de 30 aeronaves até o final de 2025. De acordo com o presidente da empresa, Chasin Treenuchagron, caso a demanda por voos aumentasse, seria considerado primeiro uma opção de aluguel de aviões.

Durante entrevista ao portal The Nation , da Tailândia, Treenuchagron destacou que a Thai Airways não apresentaria nenhum plano de compra de novas aeronaves.

“Há um boato de que a THAI apresentaria um plano de compra de novos aviões junto com o plano de reabilitação de negócios da empresa ao Tribunal Central de Falências em 2 de março, mas isso não é verdade”, destacou o presidente da companhia, Chasin Treenuchagron.

Esteja informado: clique aqui e leia mais notícias de Aviação!

Você viu?

alt

Ainda de acordo com o presidente, nos próximos cinco anos, a empresa pretende reduzir o tamanho de sua frota, como já vem concretizando, colocando à venda 18 aeronaves Boeing 777, dez 747’s, dois Boeing 737-400, nove Airbus A340, dois Airbus A380 e um A300-600.

Ademais, a intenção é reduzir o custo de manutenção ao nível necessário, além de encontrar novas fontes de receita e aumentar a eficiência administrativa de acordo com a atual demanda do mercado.

O post Thai Airways nega rumores sobre compra de novas aeronaves apareceu primeiro em Contato Radar – Notícias de aviação .

Comentários Facebook
Propaganda

economia

Dólar fecha praticamente estável a R$ 5,60

Publicados

em


Após as turbulências dos últimos dias, o mercado financeiro iniciou a semana com trégua. O dólar ensaiou uma queda, mas fechou praticamente estável. A bolsa fechou com leve alta.

O dólar comercial encerrou esta segunda-feira (1º) vendido a R$ 5,601, com recuo de R$ 0,005 (-0,87%). A cotação chegou a cair para R$ 5,55 na mínima da sessão, perto das 13h, mas a queda desacelerou até a divisa fechar próxima da estabilidade.

No mercado de ações, o dia foi parecido. O índice Ibovespa, da B3, fechou o dia aos 110.335 pontos, com alta de 0,27%. Na máxima do dia, por volta das 14h50, o indicador chegou a subir 2,18%, mas perdeu força até fechar próximo da estabilidade.

No cenário externo, o mercado foi influenciado pela redução dos rendimentos dos títulos de dez anos do Tesouro norte-americano, considerados os investimentos mais seguros do mundo. Depois de atingirem máximas em 12 meses na semana passada, os juros desses papéis começaram o mês em queda. Juros mais baixos dos títulos dos Estados Unidos reduzem a fuga de recursos de países emergentes, como o Brasil.

Paralelamente, o avanço na votação do pacote de estímulos de US$ 1,9 trilhão do governo do presidente Joe Biden deu impulso aos mercados. No sábado, a Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou o texto, que segue para o Senado. A injeção de mais dólares na economia global reduz as pressões sobre as economias emergentes.

No Brasil, o mercado continuou na expectativa em torno das negociações da proposta de emenda à Constituição (PEC) emergencial, que introduzirá medidas de corte de gastos para compensar a recriação do auxilio emergencial. O parecer do senador Márcio Bittar (MDB-AC) deverá ser lido amanhã (2).

A troca de comando na Petrobras também pesou. Hoje, a estatal anunciou o quinto aumento neste ano para os combustíveis, o que indica que, por enquanto, a mudança de presidente não interferiu na política de preços da companhia.

*Com informações da Reuters.

Edição: Aline Leal

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana