TRIBUNAL DE JUSTIÇA MT

Termina domingo prazo de inscrição para seleção na área de Fisioterapia em Apiacás

Publicados

em

Termina neste domingo (7 de agosto) o prazo de inscrições do processo seletivo aberto pela Comarca de Apiacás (964 km a norte de Cuiabá) com a finalidade de credenciar Pessoas Físicas na área de Fisioterapia. A comarca tornou público o Edital n. 11/2022/DF, que versa sobre a seleção. O documento é assinado pelo juiz diretor do fórum, Lawrence Pereira Midon.
 
Conforme o regramento, a inscrição deve ser realizada , exclusivamente, por meio do endereço eletrônico: [email protected], incluindo-se sábados, domingos e feriados.
 
Não serão aceitas outras formas de inscrições e não haverá cobrança de taxa de inscrição. Será admitida somente uma inscrição por candidato.
 
Requisitos
 
São requisitos para o credenciamento de profissionais nas áreas de Fisioterapia: Ter sido selecionado no Processo Seletivo; ser maior de 21 anos; não possuir antecedentes criminais; não exercer cargo público inacumulável; não ter credenciamento anterior com o Poder Judiciário Estadual, ou estar descredenciado há, no mínimo, um ano e ser graduado em Fisioterapia, devidamente reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC) e com registro no Conselho Regional da área profissional, devendo apresentar certificado de curso específico/formação (RPG, Pilates, Shiatsu, Reflexologia), caso a vaga exija.
 
Documentação
 
O requerimento de inscrição consta no Anexo I do Edital n. 11, e deve ser protocolado virtualmente, por meio do endereço eletrônico: [email protected], juntamente com: ficha cadastral; declaração de ciência do edital; declaração de relação de parentesco; documentação (RG, CPF, Carteira de inscrição no Conselho de Classe; certidões negativas, diploma de curso superior entre outros.
 
Avaliação
 
O processo de seleção dos(as) candidatos(as) inscritos(as) será realizado por meio de análise de currículo, efetuada pela Comissão de Apoio ao Processo Seletivo.
 
Recurso
 
Serão admitidos recursos, no prazo de dois dias, contados da publicação do resultado final do processo seletivo no Diário da Justiça Eletrônico (DJE). Os recursos, devidamente fundamentados, deverão ser interpostos somente por meio do endereço eletrônico: [email protected]
 
 
Alcione dos Anjos
Coordenadoria de Comunicação da Presidência do TJMT

Fonte: Tribunal de Justiça de MT

Comentários Facebook
Propaganda

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MT

Assaltante que fingiu ser cliente de motorista de aplicativo tem pena fixada em 7 anos

Publicados

em

Por Andhressa Barboza

Uma mulher que trabalhava como motorista de aplicativo foi vítima de um roubo praticado por uma falsa cliente e dois adolescentes que ajudaram no crime. Ela foi levada de Sinop (450 km de Cuiabá) para Itaúba (513 km de Cuiabá) pelo trio, onde foi deixada em uma estrada de chão na zona rural, com as mãos amarradas com parte do cinto de segurança do veículo que foi cortada. Apontada como mentora do crime, a suposta cliente teve a condenação fixada em 7 anos, 2 meses e 20 dias de reclusão, e pagamento de 14 dias-multa. 

O caso foi julgado pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), por meio da 1ª Câmara Criminal, na sessão do dia 2 de agosto. O voto do desembargador Orlando Perri foi acolhido por unanimidade pelos desembargadores Marcos Machado e Paulo da Cunha.

De acordo com a vítima, ela aceitou uma corrida por meio do aplicativo que iria de um bairro a outro dentro do município de Sinop. Chegando no local, 3 passageiros embarcaram, sendo uma mulher adulta e dois adolescentes. Ao chegar no endereço final, a mulher e um dos menores simularam uma discussão ela começou a chorar e pediu para a motorista a levar para a casa de sua mãe, em outro bairro.

Leia também

Nesse momento, a motorista concordou, mas pediu para que encerrasse a corrida e iniciasse uma nova, conforme as normas do aplicativo que utilizava para trabalhar. Se aproximando do endereço onde deixaria o trio, foi anunciado o assalto. Ela foi rendida pelos bandidos, um deles usando simulacro de arma de fogo e os outros dois, armas brancas.

A mulher que fazia parte do trio de assaltantes apelou ao TJMT alegando que foi contratada por desconhecidos para “prestar um serviço”, que consistiria em “pegar um carro e o levar ao município de Castelo dos Sonhos, no Pará”. Relatou que os “contratantes” entraram no aplicativo e buscaram um veículo que os interessavam. Acrescentou que, após escolherem o automóvel, requisitou os serviços de transporte da vítima. Por fim, revelou que buscaram um dos adolescentes e que, durante o trajeto para o destino estabelecido no aplicativo, fizeram “a cena” simulando uma briga.

No entanto, de acordo com o histórico de chamadas registrados no aplicativo, ficou confirmado que foi a mulher quem solicitou os serviços de transporte.

A vítima ainda contou que ao chegarem em Itaúba, foi deixada em uma estrada na zona rural. Durante o trajeto, os adolescentes comentavam, em todo momento, que o comando “era para matar”, mas era a mulher quem coordenava toda a ação e, inclusive, dava as ordens aos menores, que as obedeciam sem titubear.

 

 

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

TECNOLOGIA

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana