TECNOLOGIA

Terei que pagar pelo Google Fotos? Veja quanto tempo de graça você ainda tem

Publicados

em


source
Google será limitado nesta terça-feira
Unsplash/Mitchell Luo

Google será limitado nesta terça-feira

A partir desta terça-feira (1), o Google Fotos deixa de armazenar imagens e vídeos de forma ilimitada gratuitamente. Todos os arquivos que forem adicionados ao serviço depois desta data passarão a contar na cota de armazenamento da conta Google em questão (que contabiliza Drive , Gmail e Fotos ). Entenda todos os detalhes da mudança neste link .

Isso significa que o Google Fotos deixa de ser gratuito? Não necessariamente. Atualmente, é possível subir fotos e vídeos na nuvem de forma ilimitada, desde que com qualidade reduzida. A partir de junho, até os arquivos com qualidade reduzida vão gastar a cota de armazenamento dos usuários.

Apesar disso, o Google oferece 15 GB gratuitos a cada usuário, e o consumo de muitas pessoas pode ser pequeno o suficiente para se manter gratuito por algum tempo. De acordo com a empresa, mais de 80% dos usuários devem conseguir usar o Google Fotos por mais três anos sem pagar nada.

O Google ainda projetou uma estimativa para cada pessoa em específico, baseado no comportamento individual de uso do aplicativo de backup . Clicando neste link , você consegue ver por quanto tempo, em média, ainda poderá usar o Google Fotos de graça.

Comentários Facebook
Propaganda

TECNOLOGIA

Robôs ajudam a desafogar sistema de saúde na pandemia; saiba como

Publicados

em


source
Robôs ajudam durante a pandemia
Unsplash/Franck V

Robôs ajudam durante a pandemia

O uso de inteligência artificial por meio de robôs pode ajudar a fazer a triagem de pacientes para aliviar o sistema de saúde sobrecarregado durante a pandemia da Covid-19. Pesquisadores desenvolveram a Laura, uma assistente virtual capaz de identificar e interpretar informações de quem busca atendimento hospitalar.

O projeto é da Escola de Medicina da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), Fundação Getulio Vargas (FGV) e Instituto Laura Fressatto. O algoritmo é capaz de descrever a gravidade da doença de um paciente a partir dos sintomas informados. Isso ajuda no direcionamento dessa pessoa para um profissional adequado, evitando tempo de triagem e encaminhamento.

Caso a pessoa seja identificada com sintomas leves, ela continua sendo monitorada pelo robô, sendo coletadas informações a cada três dias de seu estado de saúde. Caso haja uma piora, um enfermeiro entra em contato por meio de chamada de vídeo, para entender o quadro.

“O paciente entra em contato com a plataforma do robô Laura e digita algumas informações que o robô identifica e interpreta. O paciente tanto pode receber informações, como prevenção, vacinas e orientações sobre Covid-19, mas também pode descrever os sintomas [que está sentindo] para o algorítimo”, disse o médico Murilo Guedes, líder do estudo, à Agência Brasil.

Você viu?

Robô capaz de ajudar na saúde

A pesquisa compilou atendimentos realizados na plataforma da Laura com 24,1 mil pessoas entre julho e outubro de 2020. As tiragens foram feitas em três cidades brasileiras: Curitiba (PR), São Bernardo do Campo (SP) e Catanduva (SP).

44,8% dos pacientes analisados foram classificados com sintomas leves de Covid-19, 33,6% dos casos foram considerados moderados e apenas 14,2% foram diagnosticados como casos graves da doença. Os resultados preliminares de viabilidade dessa tecnologia foram publicados no jornal Frontiers in Digital Health.

O estudo segue em andamento e os próximos passos envolvem analisar a segurança do robô para fazer diagnósticos de saúde. Isso é feito medindo a precisão das avaliações médicas fornecidas pela inteligência artificial. Outros testes com a tecnologia já estão sendo aplicados.

“O que a gente ainda precisa fazer, daqui para a frente, é mostrar que a ferramenta tem eficácia na avaliação dela e que ela é segura. O grande objetivo aqui é otimização de recursos em saúde para desafogar as instituições de saúde”, finalizou Murilo.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana