BRASIL E MUNDO

STF derruba decreto de Bolsonaro que dificulta combate à tortura

Publicados

em


source
STF derruba decreto de Bolsonaro que dificulta combate à tortura
REPRODUÇÃO/AGÊNCIA BRASIL

STF derruba decreto de Bolsonaro que dificulta combate à tortura

Sete dos 11 ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) votaram para derrubar os principais trechos de um  decreto do presidente Jair Bolsonaro que, entre outras coisas, acabava com a remuneração dos peritos do Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura (MNPCT). Responsáveis por fiscalizar a ocorrência da prática em prisões e outras instalações de privação de liberdade, eles passariam a trabalhar de graça. O decreto já tinha sido suspenso pela Justiça Federal do Rio de Janeiro no curso de outra ação.

Caso se confirme a decisão do STF, os peritos terão uma decisão do mais alto tribunal do país garantindo sua remuneração, que gira em torno dos R$ 10 mil brutos por mês. No voto que deu na última sexta-feira, o relator, o ministro Dias Toffoli, destacou que a falta de salário impossibilita um trabalho de dedicação integral e desestimula a entrada de profissionais especializados no órgão, fragilizando o combate à tortura no país.

O julgamento começou na sexta-feira passada no plenário virtual, em que os ministros votam pelo sistema eletrônico da Corte, sem se reunirem. Os integrantes do tribunal têm até sexta-feira desta semana para votar. Até lá, o julgamento pode ser interrompido por algum ministro, suspendendo-o com um pedido de vista, ou então levando-o para julgamento no plenário físico. Nesse caso, continuará valendo a decisão da Justiça Federal que garante os salários dos peritos.

A decisão será tomada por maioria de votos. Até agora, além de Toffoli, votaram contra o decreto de Bolsonaro os ministros Edson Fachin, Alexandre de Moraes, Cármen Lúcia, Luís Roberto Barroso, Ricardo Lewandowski e Rosa Weber. Ainda faltam votar: André Mendonça, Nunes Marques, Gilmar Mendes e o presidente da Corte, Luiz Fux.

Leia Também

“O exercício da função de perito do MNPCT em caráter voluntário teria uma única consequência: o afastamento de profissionais qualificados e dispostos a comprometerem-se com o trabalho de fiscalização e, consequentemente, a impossibilidade de execução das competências legais do órgão. É dizer: como poderá o Estado exigir de profissionais qualificados e especializados tamanha responsabilidade e risco sem remunerá-los para tanto?”, diz trecho do voto de Toffoli.

Ele também citou os compromissos do Brasil para acabar com a tortura, que ainda continua ocorrendo nos presídios do país. Para o ministro, o decreto “tem o condão de fragilizar o combate à tortura no país”, “viola frontalmente a Constituição”, e esvazia políticas públicas previstas em lei. Mudanças na legislação teriam que ser feitas apenas pelo Congresso Nacional, e não por decreto presidencial, havendo portanto violação à separação dos poderes e abuso de poder regulamentar. Para Toffoli, “a violação se mostra especialmente grave, diante do potencial desmonte de órgão cuja competência é a prevenção e o combate à tortura”.

O MNPCT, ligado ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, tem acesso às instalações de privação de liberdade, como prisões e instituições socioeducativas, para verificar a ocorrência de tortura. O órgão é composto por 11 peritos com mandato de três anos, tendo autonomia para escolher os locais que vão visitar e elaborar seus relatórios.

O MNPCT é um dos 15 órgãos colegiados ligados ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Em discurso na Organização das Nações Unidas (ONU) na segunda-feira de Carnaval, a ministra Damares Alves, que chefia a pasta, disse que MNPCT estava em pleno funcionamento. Na prática, porém, desde 2019 o governo tem enfraquecido a atividade dos órgãos colegiados voltados para a proteção de minorias e monitoramento de violações de direitos humanos, seja alterando a composição para aumentar sua influência, retirando recursos ou até mesmo mudando o foco de trabalho.

Comentários Facebook
Propaganda

BRASIL E MUNDO

Texas: mais de 40 corpos são encontrados dentro de caminhão abandonado

Publicados

em

Local onde vários corpos foram encontrados no Texas
Reprodução – 28.06.2022

Local onde vários corpos foram encontrados no Texas

Quarenta e seis pessoas foram encontradas mortas em uma carreta de um caminhão perto da cidade de San Antonio, no Texas, nos Estados Unidos, nesta segunda-feira. A hipótese inicial é que as vítimas sejam imigrantes, que entraram no país de forma ilegal.

Além dos cadáveres, outras 16 pessoas foram encontrados vivas e levadas a hospitais da região, segundo o governo local. O Departamento de Segurança Interna dos EUA assumiu a investigação.

Acredita-se que todas as vítimas tenham cruzado ilegalmente a fronteira com os Estados Unidos. A passagem mais próxima fica a cerca de 225 km dali.

San Antonio é um importante ponto de trânsito para os migrantes que vão do Texas para outros pontos dos EUA. Dezenas de milhares de migrantes passaram pela cidade nos últimos meses, segundo ativistas defensores dos imigrantes.

Oficiais do Departamento de Polícia de San Antonio estão agora procurando o motorista do veículo, que parecia ter sido abandonado em uma área remota perto de trilhos de trem e de um terreno com outros carros. O chefe de polícia de San Antonio, William McManus, disse que três pessoas estão sob custódia.

“Essas mortes estão na conta de [Joe] Biden”, disse no Twitter o governador do Texas, Greg Abbott, um republicano. “Eles são resultado de suas políticas mortais de fronteira. Eles mostram as consequências mortais de sua recusa em fazer cumprir a lei.”

Houve um número recorde de travessias de migrantes na fronteira com o México nos últimos meses, o que provocou críticas às políticas de imigração do presidente.

O chanceler do México, Marcelo Ebrard, afirmou que o cônsul mexicano está indo para o local e que a nacionalidade das vítimas ainda é desconhecida.

A área era um local conhecido pelos moradores como um “ponto de desembarque” para imigrantes, disse ao New York Times Ruby Chavez, 53, uma dona de casa que mora a cerca de 1,6 km dali.

“Você pode dizer que eles acabaram de chegar aqui. Nós os vemos com mochilas ou pedindo comida ou dinheiro”, disse Chavez. “É triste. E agora estou ouvindo que há crianças.”

Além disso, as temperaturas chegaram a 40º nesta segunda-feira e uma onda de calor também vem batendo recordes na região. À medida que as temperaturas sobem, os migrantes perto da fronteira mexicana ficam mais vulneráveis ​​a insolação, desidratação e morte.

No último dia da Cúpula das Américas, o governo dos EUA apresentou uma declaração com compromissos regionais para conter a imigração irregular, um dos principais temas da agenda política do presidente. Antes do início da Cúpula, Biden anunciou um pacote de investimentos de US$ 1,9 bilhão, destinado à criação de empregos em nações que tradicionalmente são o ponto de partida para muitos dos que tentam cruzar a fronteira dos EUA.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana