BRASIL E MUNDO

SP: clínica em que mulher trans fazia cirurgia não tinha aval dos Bombeiros

Publicados

em


source
Lorena Muniz, de 25 anos, estava sedada em sala de cirurgia quando incêndio começou em clínica
Reprodução/ Instragram

Lorena Muniz, de 25 anos, estava sedada em sala de cirurgia quando incêndio começou em clínica

Na madrugada de segunda-feira (22), Lorena Muniz, mulher trans de 25 anos, morreu enquanto realizava uma cirurgia de colocação de silicone , após um incêndio atingir a clínica em que realizava o procedimento, no centro de São Paulo . O Hospital das Clínicas (HC), na Zona Oeste da cidade, não possuía permissão do Corpo de Bombeiros para funcionar. As informações foram apuradas pelo G1. 

De acordo com as informações do comunicador Washington Barbosa, marido da vítima, Muniz se encontrava sedada quando as chamas tiveram seu início e foi deixada para trás pela equipe. Com isso, ela inalou fumaça, ficou inconsciente por sete minutos e só depois foi socorrida. Porém, o advogado da clínica Saúde Aqui, declara que não houve omissão de socorro. 

O Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros ( AVCB ), é um documento que assegura que a construção tenha os devidos equipamentos para combater um incêndio , quando necessário. Quando chegado no sistema dos bombeiros, a clínica não aparece como auto vistoriado. 

Por meio de nota, a vigilância sanitária da capital afirmou que o local possui uma licença para realização de procedimentos médicos-cirúrgicos de pequeno porte com o uso de anestesia geral. Mas, na nota não foi especificado se o tipo de cirurgia efetuada em Lorena Muniz fazia parte dos procedimentos de pequeno porte. Segundo a prefeitura local, a unidade de vigilância em saúde da região está investigando o caso. 

Você viu?

Daniel de Santana Bassani, advogado da unidade clínica, disse que o local sempre funcionava de maneira normal e que os funcionários já eram treinados para lidarem com esse tipo de acontecimento.  

“Tinha treinamento pra lidar com este tipo de situação, tanto que eles evadiram as pessoas e, quando tentaram retornar, não conseguiram. Havia dois auxiliares de enfermagem que tentaram retirar a paciente, mas na esquina vinha vindo uma viatura e ela já interveio pra que eles não entrassem lá, e aguardassem o Corpo de Bombeiros. Nós tentamos fazer de tudo pra retirar a paciente, mas os policiais militares, de forma coerente, não permitiram que fosse retirada por pessoas que não tinham a capacidade pra isso. Os bombeiros entraram e retiraram”, declarou Bassani. 

A vítima veio de Recife até São Paulo com o intuito de realizar a cirurgia de silicone. Segundo o relato do marido de Muniz, o ar condicionado da clínica começou a pegar fogo e todos os funcionários saíram do local deixando Lorena sedada na sala cirúrgica. Até o momento, a causa de sua morte não foi divulgada. A Polícia Civil está envolvida nas apurações pela 1º DP (Sé), por meio de inquérito policial e foi registrado como incêndio como lesão corporal culposa

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública apontou que “testemunhas foram ouvidas e laudos periciais estão em andamento para determinar as causas do incêndio, e se houve negligência dos profissionais da clínica no resgate de pacientes”. Um boletim, relatando a causa do óbito, deve ser adicionada ao inquérito policial quando concluído. 

Comentários Facebook
Propaganda

BRASIL E MUNDO

Em Sergipe, Governo Federal apresenta obras do Canal do Xingó, que vai garantir abastecimento de água a 3 milhões de pessoas

Publicados

em


O Governo Federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), apresentou, nesta quarta-feira (27), em Propriá (SE), o projeto da obra do Canal do Xingó, que vai garantir abastecimento de água para aproximadamente 3 milhões de pessoas em municípios de Sergipe e da Bahia. O ministro Rogério Marinho mostrou os detalhes do empreendimento, que vai ampliar a oferta de água, promovendo o desenvolvimento econômico associado a atividades produtivas em ramos como agropecuária e agroindústria.

“Esta obra é de extrema relevância para o povo sergipano. A água será captada no reservatório da Usina Hidrelétrica de Paulo Afonso IV e poderá ser utilizada para abastecimento humano, atividades agropecuárias e agroindustriais. É água para matar a sede das pessoas, produção irrigada de alimentos e geração de riqueza”, explicou o ministro Rogério Marinho. “Este empreendimento traz, de uma vez por todas, segurança hídrica para Sergipe”, ressaltou.

A obra será executada pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), instituição vinculada ao MDR, e atenderá as cidades de Paulo Afonso e Santa Brígida, na Bahia, e Canindé do São Francisco, Poço Redondo, Porto da Folha, Monte Alegre de Sergipe e Nossa Senhora da Glória, em Sergipe.

A fase I vai da captação até o Reservatório 5 (Capela), no município de Poço Redondo; a fase II sai do Reservatório 5 e vai até o Reservatório 8, no município de Porto da Folha; a fase III vai do reservatório 8 ao reservatório 11, no município de Monte Alegre, e a fase IV começa no reservatório 11 e segue até o reservatório 12, no fim do canal, no município de Nossa Senhora da Glória. O primeiro trecho, de 50 quilômetros de extensão, está em fase de elaboração do projeto executivo. Já o segundo encontra-se em fase de elaboração do projeto básico.

A agenda desta quarta-feira integra a programação da Jornada das Águas – evento que partiu da nascente histórica do Rio São Francisco, no norte de Minas Gerais, e já passou por Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Piauí e, agora, Sergipe e ainda seguirá para Alagoas. Em cada um desses estados, o MDR vem apresentando anúncios e entregas de obras de infraestrutura hídrica, preservação e recuperação de nascentes e cursos d’água, saneamento, irrigação, apoio ao setor produtivo e aos municípios, além de mudanças normativas que vão revolucionar a maneira como o brasileiro se relaciona com a água.

Mais saneamento

 

Mais cedo, em Japoatã, o ministro Rogério Marinho inaugurou o Sistema de Esgotamento Sanitário (SES) da cidade (foto à esquerda). A obra recebeu investimento federal de R$ 6,8 milhões e conta com quatro estações elevatórias, 2 mil metros de linha de recalque, 10 mil metros de redes coletoras e 1,8 mil ligações domiciliares. A Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) é composta de lagoa facultativa e lagoa de maturação em série, lagoa de polimento, leitos de secagem e 696 metros de extensão do emissário. A intervenção vai aumentar a qualidade da água de Japoatã e beneficiar mais de 4,3 mil pessoas.

O prefeito de Japoatã, Cláudio da Samam, comemorou o investimento na região. “Vamos acabar com esses esgotos a céu aberto e, com isso, melhorar a qualidade de vida das pessoas. O saneamento básico é muito importante e esta obra vai permitir que 70% da nossa população seja atendida. Esperamos, em breve, ter toda a comunidade de Japoatã com esgoto e água tratados”, comentou.

Ainda em busca de levar água de qualidade e em quantidade aos moradores das regiões mais secas do País, Marinho assinou ordem de serviço para o início da implantação do sistema de esgotamento sanitário da cidade de Cedro. O investimento federal de R$ 7,1 milhões engloba rede coletora, ramais prediais, sete estações elevatórias do efluente e uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE). Essa ação vai beneficiar cerca de 5 mil pessoas e a previsão de entrega é em dezembro de 2022. As intervenções serão executadas pela Codevasf.

Na última terça-feira, na cidade de São Cristóvão, a equipe do ministério já havia visitado as obras de complementação do Sistema de Esgotamento Sanitário da Bacia do Rio Poxim e implantação do Sistema de Esgotamento Sanitário em localidades nas áreas de influência das sub-bacias 01 e 02 do rio. O investimento no empreendimento é de R$ 59 milhões, dos quais R$ 33,3 milhões por meio de financiamento com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), R$ 14,6 milhões em repasses por meio do Orçamento Geral da União e R$ 11 milhões em contrapartida do governo do estado, que também atua como executor do projeto.

Mais sustentabilidade

As ações de preservação, conservação e recuperação de bacias hidrográficas também estão contempladas na Jornada das Águas. Em Propriá, houve o peixamento de cerca de mil Pitus, espécie de camarão em extinção no Brasil. Os animais foram reproduzidos no Centro Pesqueiro da Codevasf, único local no País onde o crustáceo é cultivado em cativeiro. A Companhia possui seis Centros Integrados de Recursos Pesqueiros e Aquicultura na bacia do São Francisco, localizados em municípios de Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Sergipe e Alagoas. Nos centros, foram realizados os primeiros projetos bem-sucedidos de reprodução artificial de espécies de importância ecológica e econômica para a região do São Francisco, como o surubim e o pirá.

Mais segurança hídrica

O ministro Rogério Marinho assinou, ainda, ordem de serviço para a instalação de dois novos conjuntos elevatórios, com bombas motores, bases e acessórios, que irão compor o Projeto de Irrigação Jacaré-Curitiba, na Estação de Bombeamento EB100. Com investimento federal R$ 4,7 milhões de reais, essa infraestrutura vai contribuir para o desenvolvimento da agricultura irrigada, atendendo mais de 10 mil pessoas nas cidades de Canindé de São Francisco e Poço Redondo.

Mais desenvolvimento econômico e social

 

Em Sergipe, o Governo Federal desenvolve políticas de apoio ao desenvolvimento econômico e social, fomentando a criação de Rotas da Integração, entre elas a do mel e do leite. Em Propriá, o ministro Rogério Marinho visitou uma exposição de produtos locais (foto à direita), alguns deles provenientes de polos de agricultura irrigada apoiados pela Codevasf.

Atualmente, o MDR apoia dez Rotas em todas as regiões do País: do Açaí, da Biodiversidade, do Cacau, do Cordeiro, da Economia Circular, da Fruticultura, do Leite, do Mel, do Peixe e da Tecnologia da Informação e Comunicação. A Rota da Moda está em fase de implementação e será a 11ª modalidade. As ações já alcançam 50 unidades espalhadas por todas as regiões brasileiras e englobam produtores de mais de 600 cidades. Desde 2019, o MDR já investiu mais de R$ 45,5 milhões nas Rotas.

Jornada das Águas

A rota que vem sendo percorrida pela equipe do MDR desde o dia 18 de outubro, em São de Roque de Minas (MG), inclui anúncios, entregas e liberações de recursos em dez estados. Nesse período, tem sido promovida uma série de iniciativas que têm como essência quatro eixos: de infraestrutura, com entregas, inaugurações e anúncios de obras que levarão água aos moradores das regiões mais secas do país; de sustentabilidade, com ações de saneamento básico e de preservação, conservação e recuperação de bacias hidrográficas; de desenvolvimento econômico e social, com o apoio a organização de arranjos produtivos locais, promovendo geração de emprego e renda; e de melhoria da governança, com a modernização de toda a regulação do setor.

“Não existe desenvolvimento econômico sem água. A água é o principal insumo estratégico do Brasil. Ela está nos alimentos que exportamos, na energia, na indústria, na saúde… Sem ela não há vida. É por isso que o governo vem atuando para garantir que a água chegue às pessoas, mas também para que ela seja preservada e continue disponível para as próximas gerações”, finaliza o ministro Rogério Marinho.

Saiba mais sobre o Canal do Xingó no vídeo abaixo:

Com informações do Ministério do Desenvolvimento Regional

Fonte: Brasil.gov

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana