AGRO & NEGÓCIO

SoilsPlay aproxima agronegócio da indústria dos jogos digitais

Publicados

em


Embrapa Solos (RJ), Firjan SENAI e Sistema CNA/Senar lançam, no dia 26 de março, às 19h, em live no YouTube, o SoilsPlay: o agro entrou no jogo, um projeto inovador que agrega duas das maiores cadeias de valor do mundo dos negócios: o agronegócio e a indústria de jogos digitais. As startups e empresas que participarão da chamada pública serão desafiadas a apresentar propostas de games que contemplem aspectos técnicos, capacitação e possíveis simulações de cenários, de maneira lúdica e atrativa. Os temas são baseados nas vertentes de sistemas integrados de produção, serviços ecossistêmicos, mercado de carbono, recuperação e conservação de solos e experiência do consumidor.

Com o apoio da Associação Brasileira das Empresas Desenvolvedoras de Jogos Digitais (Abragames), o evento terá como diferencial a sua associação a edital específico, que promoverá o desenvolvimento dos jogos em conjunto com a Embrapa Solos e a Firjan SENAI, visando à obtenção do jogo finalizado e à articulação com o mercado e investidores. Na grande final do SoilsPlay, prevista para junho, uma comissão julgadora escolherá até três propostas entre as finalistas, que estarão automaticamente selecionadas para o edital, que prevê aporte financeiro para o desenvolvimento dos projetos.

Mentores da Embrapa Solos e da Firjan SENAI, principalmente o Instituto Senai de Inovação Sistemas Virtuais de Produção (ISI SVP), darão suporte técnico às equipes conforme previsto em edital. O período e as regras para inscrição serão amplamente divulgados, em breve, após a publicação do edital.

Poderão participar acadêmicos ou profissionais de diversas áreas de conhecimento, organizados em equipes de empresas ou startups. O ISI SVP possui ampla expertise na produção de gamificação para a indústria, assim como para colaborar na produção e submissão das propostas as serem apresentadas pelas empresas e startups na chamada pública.

Para Petula Ponciano, chefe-geral da Embrapa Solos, o SoilsPlay é uma ação que envolve uma nova forma de comunicação do conhecimento que é gerado pelo centro de pesquisa, com base na sustentabilidade de dois recursos essenciais para o planeta: solo e água. “O evento e seus desdobramentos trarão também a perspectiva de trabalharmos novos cenários e desafios para setor agro. Ao mesmo tempo, irão colaborar para popularizar a sustentabilidade da produção agropecuária brasileira e promover o engajamento das pessoas por meio de uma ferramenta dinâmica e moderna, que são os jogos e a gamificação.”

Fabricius Garcia Neto, especialista em captação de recurso da Firjan, ressalta que iniciativas como a do SoilsPlay, idealizada pela Embrapa Solos, são de extrema relevância para o setor agrícola, umas das atividades mais importantes da economia brasileira. “A gameficação do aprendizado de aspecto técnico, administrativo e operacional de uma fazenda, com um roteiro de atividades a partir da experiência real, é uma ferramenta moderna de disseminação do conhecimento que vai apoiar produtores em todo País”.

“Os jogos digitais, além de entreter, são ferramentas importantes de educação e sensibilização para gerações que cresceram jogando videogames e jogos em celular. Esta parceria com a Embrapa e a Firjan SENAI neste desafio é um passo enorme para chamar a atenção em temas cruciais sobre sustentabilidade, ciência e melhores e modernas práticas no agronegócio”, reforça Rodrigo Terra, presidente da Abragames.

O agro entrou no jogo

A última década marcou a consolidação em escala global da importância dos três pilares que definem o desenvolvimento sustentável, com transformações nos aspectos sociais, econômicos e ambientais. No Brasil, os avanços do setor agropecuário com ênfase na sustentabilidade tornaram-se realidade por meio de conhecimento, inovação e tecnologia, que aumentam a rentabilidade do setor e minimizam os impactos ambientais.

“Por outro lado, o Brasil tem abundância de mentes criativas e competentes que circundam e integram os ecossistemas de inovação, o mercado de games, a indústria criativa e as instituições de ensino e pesquisa, mentes ávidas em buscar oportunidades e soluções para questões relevantes. O SoilsPlay nasce com o intuito de aproximar o agro sustentável dessas mentes, para inseri-lo de vez nesses ambientes inovadores”, explica Gizelle Cristina Bebendo, analista da Embrapa.

Para os organizadores, a indústria de jogos digitais e o emprego da gamificação, que têm exibido crescimento contínuo, apresentam-se como potenciais e inestimáveis aliados do agronegócio. “O SoilsPlay é mais do que um evento ou edital, é um movimento para aproximar os games e o agro de forma efetiva”, reforça Gizelle.

Assista

Lançamento do SoilsPlay

Divulgue

Além da página oficial, o SoilsPlay tem perfis no Facebook, Instagram e Twitter. Navegue, interaja e compartilhe as informações sobre o desafio de ideias que une o agronegócio e o mundo dos games.  

>> http://www.soilsplay.com.br/

>> https://www.facebook.com/soilsplay

>> https://www.instagram.com/soilsplay

>> https://twitter.com/PlaySoils

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Propaganda

AGRO & NEGÓCIO

Sistema de alerta dará orientações mensais para produtores de pêssego na entressafra

Publicados

em


De maio a agosto, meses anteriores à safra do pêssego no Rio Grande do Sul, a equipe envolvida no Sistema de Alerta para a Mosca-das-frutas irá elaborar boletins mensais com orientações aos produtores da Região de Pelotas e da Serra Gaúcha. Os boletins extras serão disponibilizados na primeira semana de cada mês, onde serão compartilhadas informações para a melhor condução dos pomares até o período da colheita. A iniciativa é coordenada pela Embrapa Clima Temperado (Pelotas, RS) e pela Embrapa Uva e Vinho (Bento Gonçalves, RS), com apoio da Emater/RS-Ascar.
 
Na região de Pelotas, o monitoramento dos pomares e da mosca-das-frutas é realizado durante o ano inteiro, a partir do acompanhamento da infestação desses insetos-praga. Mas, o envio de orientações ocorria apenas durante a safra. Neste ano, no entanto, a equipe optou por disponibilizar edições mensais de boletins informativos para garantir a sanidade das plantas na entressafra para ambas as regiões. No primeiro boletim extra, de maio, estão orientações para controle da cochonilha e da bacteriose, além de recomendações para a implantação de novos pomares.
 
“O objetivo é passar para o produtor e divulgar as informações relativas aos tratamentos fitossanitários, principalmente, durante a época da entressafra. Então, até o mês de agosto, essas informações vão ser passadas pelo boletim, conforme vinha sendo feito durante a safra, que vai de agosto a dezembro na Região de Pelotas e de agosto a fevereiro na Região da Serra”, explica o pesquisador da Embrapa responsável pelo Projeto, Dori Edson Nava.
 
Envios dos boletins
 
Durante a safra, os boletins são publicados no site do projeto e enviados semanalmente, por e-mail e WhatsApp, para representantes da cadeia produtiva em ambas as regiões participantes, com adaptações nas orientações de acordo com cada realidade. Os boletins também são veiculados em jornal local, no caso da região de Pelotas, publicados em grupo do Projeto no Facebook e adaptados para o rádio. O envio dos boletins extras mensais seguirá o mesmo processo.
 
Sobre o Sistema de Alerta
 
O projeto teve início na safra 2010/2011 na região de Pelotas, sob coordenação da Embrapa, em parceria com o setor produtivo e instituições de ensino, pesquisa e extensão. A partir do monitoramento das moscas-das-frutas nos pomares de pêssego, uma equipe técnica se reúne para avaliar os dados coletados e fazer indicações para o manejo mais adequado na semana. As informações integram boletins enviados a representantes da cadeia produtiva regional no período da safra. Desde 2017, o trabalho também passou a ser realizado na Serra Gaúcha, com foco nos pomares de pêssego para mesa.
 
Na região de Pelotas, esse trabalho conta com o envolvimento dos municípios de Pelotas, Morrro Redondo e Canguçu e respectivas secretarias de Agricultura; Universidade Federal de Pelotas (UFPel); Sindicato da Indústria de Doces e Conservas Alimentícias de Pelotas (Sindocopel); Associação dos Produtores de Pêssego da Região de Pelotas (APPRP); e Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Pelotas. Já na Serra Gaúcha, a iniciativa conta com o apoio do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS) e dos municípios de Bento Gonçalves, Caxias do Sul, Cotiporã, Farroupilha, Nova Pádua, Pinto Bandeira, São Marcos e Veranópolis.
 
Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana