Saúde

Síndrome de Sjogren e a boca

Publicados

em


source
Síndrome de Sjogren e a boca
Getty Images

Síndrome de Sjogren e a boca

A síndrome de Sjogren (pronuncia-se xegren) é uma doença autoimune, ou seja, na qual o sistema imune, responsável pela defesa contra microorganismos invasores, acaba atacando as células do próprio corpo, nesse casos das glândulas salivares e lacrimais. ​ Esta doença pode aparecer sozinha (primária) ou junto com outras doenças autoimunes (secundária) como a artrite reumatoide e o lúpus eritematoso sistêmico.

A causa ou causas dessa doença não foram ainda esclarecidas, mas é provável que múltiplos fatores estejam envolvidos, como genéticos, viróticos, hormonais ou a associação destes.

Dr Bruno Puglisi diz que a xerostomia, termo técnico utilizado na odontologia para descrever boca seca, apresenta como queixas a sensação de queimadura da boca, disfagia (dificuldade no ato de deglutir), especialmente para alimentos secos. Há uma maior tendência para o desenvolvimento de cáries, estomatite, mau hálito, anomalias do olfato e paladar. Aproximadamente 60% dos indivíduos acometidos pela síndrome apresentam hipertrofia das glândulas salivares.

Principais sintomas

Na síndrome de Sjögren há uma desregulação da imunidade da pessoa, o que provoca uma inflamação e autodestruição de glândulas. Desta forma, estas glândulas não conseguem produzir secreções, e surgem sintomas como:

  • Boca seca, conhecida como xerostomia
  • Dificuldade para engolir alimentos secos
  • Dificuldade para falar por muito tempo
  • Dor na barriga
  • Olhos secos
  • Sensação de areia nos olhos e vermelhidão
  • Vista cansada
  • Sensibilidade à luz
  • Risco de ulcerações da córnea
  • Aumento do risco de infecções como cáries, gengivite e conjuntivite
  • Pele seca e ressecamento da mucosa das partes íntimas

Mesmo sendo uma síndrome mais comum em mulheres, pode ocorrer em ambos os sexos, portanto, todos devem ficar atentos aos sintomas.

Tratamento

Esta doença, apesar de não ter cura, tem uma evolução benigna, e se desenvolve ao longo de muitos anos, existindo também opções de tratamentos para aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida da pessoa, como colírios e saliva artificial.

O tratamento inicia-se com a orientação adequada de médico especialista a cada paciente. “Os medicamentos podem ser lubrificantes, substitutos de lágrima, estimuladores de saliva , anti-inflamatórios, corticoides e imunossupressores em determinados casos.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

Vacinação para adolescentes de 12 anos começa hoje no DF

Publicados

em


Adolescentes com idade a partir dos 12 anos já podem se vacinar no Distrito Federal. A ampliação do público-alvo foi possível após a chegada prevista de 28,08 mil doses de imunizantes da Pfizer. Apenas a vacina desse fabricante tem autorização, no Brasil, para ser aplicada em jovens de 12 a 17 anos.  A estimativa é que vivam 41.211 jovens nessa faixa etária na capital do país, segundo dados da Secretaria de Saúde do DF (SES-DF). 

Com a ampliação da idade, a campanha de vacinação do DF atinge a última faixa etária que pode receber o imunizante no Brasil. Menores de 12 anos ainda não têm autorização oficial para serem imunizados contra a covid-19 no país. Os pontos de vacinação podem ser consultados pela página da SES-DF . 

Também hoje, começa a aplicação da dose de reforço em idosos com 80 anos ou mais que tenham recebido a segunda dose há pelo menos seis meses. Eles deverão receber prioritariamente a vacina da Pfizer ou, na falta dessa, os imunizantes da Janssen ou AstraZeneca. Na semana passada, essa dose de reforço já havia sido disponibilizada para pessoas com 85 anos ou mais, mas houve baixa procura e o governo do Distrito Federal (GDF) decidiu ampliar o público.  

Em entrevista coletiva, o secretário de Saúde do DF, general Manoel Pafiadache disse que vai em busca do público que ainda não se vacinou no DF. “Nós vamos atrás de quem ainda não se vacinou e adotar uma série de medidas, juntamente com a Subsecretaria de Vigilância à Saúde, para alcançar esse público, seja na área rural, ou criando pontos em locais específicos, como na rodoviária”, anunciou o secretário. Segundo ele, as medidas têm como objetivo alcançar pelo menos 90% da população vacinada na capital federal. “Isso é o mínimo. O ideal é que alcancemos 100%”, afirmou.

Quem também pode receber o reforço são as pessoas com alto grau de imunossupressão, que incluem doenças renais, câncer, entre outras enfermidades mais graves. Das quase 12 mil vagas abertas para esse público, apenas 4.353 haviam sido preenchidas até as 15h de ontem (27), segundo o GDF. Esse público pode receber a dose de reforço, desde que tenha recebido a segunda dose ou dose única há pelo menos 28 dias. É  necessário agendar a vacinação no site vacina.saude.df.gov.br e escolher data, local e horário.

No comprovante de agendamento o paciente será informado se há necessidade, ou não, de apresentar relatório médico. A informação ficará disponível no cabeçalho do comprovante. Quem tiver dificuldade em agendar pode acionar a Ouvidoria, por meio do site, ou se dirigir à Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima. Caso haja inconsistências no cadastro, basta fazer alteração no mesmo site

Transmissão

O índice RT diário, que mede a taxa de transmissão da covid-19 no Distrito Federal, estava em 0,90 nesta segunda-feira (27), informou a Secretaria de Saúde. Isso quer dizer que cada 100 pessoas infectadas com o novo coronavírus transmitem a doença para outras 90. Há sete dias, o RT estava em 1.06. A pandemia só pode ser considerada controlada quando esse índice fica abaixo de 1 ao longo de pelos menos algumas semanas seguidas, de forma estável. 

Os dados foram apresentados pela secretária adjunta de Assistência à Saúde, Raquel Beviláqua, que também destacou a situação dos leitos de UTI e com suporte de ventilação mecânica para atender pacientes com covid-19.

“Tivemos um aumento dos casos ativos de covid-19, o que se refletiu em pequeno aumento na taxa de ocupação dos leitos. Em relação a leitos de UTI covid, a ocupação está em 64,71%, a leitos com suporte ventilatório pulmonar, em 58,67%, e a leitos de UTI gerais na rede, em 90,85%”, informou a secretária. 

No fim da tarde dessa segunda-feira (27), 17 pacientes com covid-19 aguardavam internação em UTI e oito já haviam sido direcionados a uma vaga. Os demais estavam em processo de direcionamento. A secretária destacou que há leitos disponíveis para atender a esses pacientes que aguardam direcionamento.

Vacinação 

Até a manhã de ontem, um total de 2,172 milhões de pessoas havia recebido pelo menos uma dose de vacina contra a covid-19 no DF, totalizando 71,16% da população. 

A imunização completa (duas doses ou dose única) foi aplicada em 1,175 milhão, o que representa 38,51% do público geral.

Edição: Graça Adjuto

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana