artigos

Será que é impossível?

Publicado

Por Francisney Liberato

A despeito das dificuldades e das adversidades encontradas no caminho, como você tem lidado com essas situações? De forma positiva ou negativa?

Quando você tem um grande desafio para desenvolver no seu trabalho ou na área pessoal, você administra a sua motivação para conseguir o resultado, ou seus pensamentos o sabotam?

Se encararmos a vida de forma positiva, proativa, com perspectivas de grandes resultados, fazendo a nossa parte, querendo realmente conquistar o que, aparentemente, é impossível, as probabilidades crescerão.

O impossível se torna possível, quando conquistado.

A impossibilidade é algo relativo, pois, para você, pode ser algo complicado, mas para outra pessoa pode ser algo fácil. Tudo depende da perspectiva que você tem sobre o objeto a ser conquistado. Não existe nada impossível para o ser humano. Deus nos dotou de total capacidade para solucionarmos quaisquer tipos de problemas, como, também, para conquistar o que desejarmos.

Nunca diga que algo é impossível, mas sim que ainda não fez!

Quer parar de reclamar das adversidades da vida? Quer ter sonhos e projetos para serem conquistados? Quer superar o impossível? Como tem administrado as situações que chegam em sua vida?

As “impossibilidades” que introduzimos para as situações difíceis podem ser notadas, por nós, como grandes oportunidades a serem conquistadas.

Há pessoas que, por não terem acesso ou contato com certas situações difíceis, as enxergam como impossíveis, o que de fato não é.

Dessa forma, o impossível passa a ser possível quando cremos que somos capazes de trazer a solução. Assim, transporemos todas as batalhas e adversidades que encontrarmos em nossa vida.

A música “Conquistando o Impossível”, da cantora Jamily, nos incentiva a conquistar os nossos sonhos: “Acredite que nenhum de nós já nasceu com jeito pra super-herói. Nossos sonhos a gente é quem constrói. É vencendo os limites escalando as fortalezas. Conquistando o impossível pela fé”.

Desde criança, nunca tive facilidade e gosto pelos estudos. Fui praticamente à força fazer a faculdade de Ciências Contábeis. E, você sabe quais eram as disciplinas que eu mais detestava? As disciplinas da área do direito. Após concluir, com muita dificuldade a faculdade, fui para o próximo passo.

O impossível só existia, para mim, por não haver dado a oportunidade de fazer ou de despertar a coragem de enfrentar o novo desafio.

Após o término da faculdade, e de enxergar a vida com uma nova perspectiva, por incrível que pareça, fiz a segunda faculdade, que nada mais, nada menos, foi o curso de Direito, matéria que outrora era detestada por mim.

Normalmente, colocamos limites em nossa vida, que às vezes apenas nós enxergamos, porque as pessoas de sucesso não criam limites, pelo contrário, elas veem o infinito.

Por incrível que pareça, em junho de 2020, concluí a terceira faculdade, que foi o curso de Administração. Jamais pensava em conquistar as três faculdades, porém, diante das possibilidades, oportunidades, a minha mente se alargou para enxergar novos rumos.

Criar limites para as nossas vidas pode ser uma crença limitante contra o nosso desenvolvimento.

Se existisse o impossível, Thomas Edison não conseguiria criar o filamento da lâmpada incandescente, com muita persistência, que gerou luz a partir de corrente elétrica. Se existisse o impossível, não teria sido possível que Neil Armstrong, Buzz Aldrin e Michael Collins chegassem com sucesso à lua com o Apollo 11, em 20 de julho de 1969. Se existisse o impossível, Usain Bolt, da Jamaica, não teria atingido o recorde mundial de atletismo, conquistado durante o Campeonato Mundial de Atletismo de 2009, em Berlim, na Alemanha, com a marca de 9,58s.

Será que ainda existe impossível para você? Que tal começar agora a pensar de forma diferente? Assim como os exemplos citados, os grandes seres humanos de sucesso no mundo quebraram a linha do impossível, porque permitiram enxergar suas capacidades, aproveitando as pequenas oportunidades. Lembre-se que você é um campeão: “Campeão, vencedor. Deus dá asas, faz teu voo. Campeão, vencedor. Essa fé que te faz imbatível. Te mostra o teu valor”.

Francisney Liberato Batista Siqueira é Auditor Público Externo do Tribunal de Contas de Mato Grosso e Chefe de gabinete de Conselheiro do TCE-MT. Palestrante Nacional, Professor, Coach e Mentor. Bacharel em Administração, Bacharel em Ciências Contábeis (CRC-MT) e Bacharel em Direito (OAB-MT). Autor dos Livros: “Mude sua vida em 50 dias”, “Como falar em público com eficiência”, “A arte de ser feliz” e “Singularidade”.

Comentários Facebook
publicidade

artigos

A mensagem de Ulysses Guimarães

Publicado

Por Diogo Botelho

No dia 5 de outubro de 1988, o presidente da Assembleia Nacional Constituinte, Ulysses Guimarães, ao promulgar a Constituição exortou a nação: “Não roubar, não deixar roubar, pôr na cadeia quem roube, eis o primeiro mandamento da moral pública.” (pág. 14.381). 

É com base nesta mensagem que não tenho as mínimas condições de anuir com o símbolo nacional da corrupção. Não há precedente no mundo civilizado de candidato filmado naquelas circunstâncias ser consagrado, legitimado e justificado pelo voto popular! 

Aliás, caro leitor, o que se debate nas consciências livres e republicanas é que em Cuiabá, não estamos a lidar com a corrupção em sentido genérico. Corrupção houve até nas hostes celestiais (que o diga o anjo de luz). Porém, o paletó só há em Cuiabá! 

Transparência, ética, probidade e respeito com a coisa pública são os primeiros e comezinhos valores republicanos que jamais devem ser negociados. É o colostro que o cidadão deve ser nutrido para que possamos consolidar o sonho democrático.

 Os meios de contenção a violência contra a mulher, a homofobia, raça, religião, de defesa da criança, do idoso e das pessoas com deficiência, ou seja, de proteção das minorias, somente serão viabilizadas se os primeiros valores republicanos forem preservados. Fora disso, é retórica populista! 

É por isso que a mensagem de Ulysses Guimarães não foi um exercício de retórica, mas, sim, de pura lógica republicana e democrática. 

Ulysses já tinha a exata compressão de que as promessas constitucionais serão em vão e só serão cumpridas se os gestores tiverem compromisso ético com a coisa pública, a República! 

Assim, a prática ética antecede a qualquer formulação política, de maneira que o episódio do paletó, o símbolo nacional do fiel retrato da corrupção, uma vez chancelado pela soberana vontade popular é uma ameaça letal a Cuiabá, importando em precedente que irá corroer como ácido as nossas frágeis estruturas democráticas. 

O paletó é uma ameaça a democracia. É a pior forma de autoritarismo. É a ditadura da corrupção.

Portanto, digo não a Emanuel, e sim a Abílio. 

Como dizia o sábio Ulysses: Excelências, eis a realidade. 

Diogo Botelho é advogado.

 

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Agronegocio

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana