POLÍTICA NACIONAL

Senado lança canal de informações no aplicativo Telegram

Publicado


.

O Senado lançou na segunda-feira (14) seu canal no aplicativo de mensagens Telegram. Em menos de 24 horas mais de mil pessoas já se inscreveram para receber atualizações sobre as atividades da Casa no aplicativo. Para assinar o serviço, acesse este link.

No novo canal serão enviadas notícias sobre as votações, discussões e projetos do Senado em formatos de texto, vídeo, áudio e imagem para os assinantes do serviço.

O Telegram é um aplicativo concorrente do WhatsApp e vem crescendo nos últimos anos. Veículos de Imprensa, jornalistas e influenciadores digitais mantêm canais na plataforma para a distribuição de conteúdo.

O objetivo, com o novo canal, é ampliar a distribuição de notícias confiáveis. Além do canal no Telegram, o Senado têm um serviço de envio de notícias no WhatsApp (061-9583-5265), com cerca de 20 mil assinantes, perfis no Twitter e no Instagram e páginas no Facebook e no LinkedIn, todos geridos pelo  pelo Núcleo de Mídias Sociais (Nmidias), vinculado à Secretaria de Comunicação Social (Secom). Ao todo, o Senado soma quase 6 milhões de seguidores nessas plataformas. 

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

Aliados de Lula e Ciro ficam em dúvida se aliança para 2022 será mesmo formada

Publicado


source
Lula e Ciro Gomes
Ricardo Stuckert / Instituto Lula

Lula e Ciro Gomes em encontro em 2018

Aliados próximos ao ex-presidente Lula (PT) e o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) ainda estão com dúvidas se os dois formarão mesmo uma aliança de esquerda para 2022. A informação é do jornal Folha de S. Paulo . Ambos têm um longo histórico de trocas de farpas, sendo que o pedetista já chegou a chamar o PT de “um bando de ladrão e mentiroso” e acusou Lula de ser o líder de “falcatruas”.

No início do mês passado,  Lula e Ciro tiveram um encontro e conversaram de forma reservada por um longo período. Na ocasião, eles teriam feito as pazes e discutido movimentos de oposição ao governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Desde então, os ataques entre os dois pararam, mas uma aliança ainda é vista com desconfiança por líderes dos partidos do dois lados. Segundo aliados de ambos, o encontro pode ter amenizado alguns desentendimentos, mas as diferenças políticas permanecem.

Um cacique do PT diz duvidar que as desavenças sejam zeradas a tempo de permitir uma aliança para a eleição de 2022. O próprio petista afirma que, ainda que o partido sinalize uma união, Ciro “não acredita” que a sigla vá apoiá-lo.

Do lado do PDT, o ceticismo é ainda maior. De acordo com um aliado, Ciro considera ter sido traído pelo PT na corrida de 2018 e acha que a legenda ainda trabalha para manter sua hegemonia na esquerda.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Agronegocio

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana