GERAL

Semana Nacional de Museus começa no Rio com extensa programação

Publicados

em

A 20ª Semana Nacional de Museus começou hoje (16), no Rio de Janeiro, com o lançamento, em formato digital, dos Anais do 2º Seminário Museu e Educação, realizado pelo Museu Histórico Nacional (MHN), em novembro do ano passado. O ponto alto do evento, promovido pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), será a abertura, nesta quarta-feira (18), da exposição Rio-1922, que apresenta a cidade de 100 anos atrás.

A exposição tem patrocínio do Instituto Cultural Vale, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, e reúne pinturas, fotografias, objetos, peças de vestuário e mobiliário de época que buscam mostrar como se vivia na então capital do Brasil e quais eram os desafios do período. A Rio-1922 ficará em cartaz até dezembro, com entrada franca, no MHN, situado na Praça Marechal Âncora, região central da cidade. O museu de quarta a sexta-feira, das 10h às 17h, e, aos sábados e domingos, das 13h às 17h.

“Para nós, 2022 é tanto a comemoração do nosso centenário, como do bicentenário da Independência, porque o museu foi criado no ano das comemorações desse evento, em 1922”, disse a coordenadora técnica do MHN, Fernanda Castro, em entrevista à Agência Brasil. O dia 18 foi escolhido para abertura da mostra por se tratar do Dia Internacional dos Museus.

A Rio-1922 começa retratando a derrubada do Morro do Castelo e as transformações da região onde se localiza o museu e fala também da Exposição Internacional do Centenário da Independência. Toda a área foi transformada para receber a mostra. Um dos módulos destaca o que acontecia no Rio de Janeiro naquela época, como as pessoas se vestiam, quais produtos circulavam na cidade. Serão exibidas imagens sobre o Rio antigo, finalizando com o contexto da criação do Museu Histórico Nacional.

Fazem parte da mostra o acervo do próprio MHN e peças cedidas pelo Ibram, como também pelo Museu Nacional de Belas Artes, que apresentará ao público o movimento modernista no Rio de Janeiro, “trazendo um pouco da efervescência carioca dos anos 20”, destacou Fernanda Castro. A Rio-1922 tem apoio da Associação dos Amigos do MHN e parceria com outras instituições públicas, como o Museu da República e o Centro Técnico Audiovisual.

Medalha

Pátio da Minerva - MHN Pátio da Minerva - MHN

A obra Pátio da Minerva, que faz parte do acervo do Museu Histórico Nacional – Manuel de Oliveira Pastana/Acervo MHN

Na abertura da Rio-2022, o MHN receberá a Medalha Tiradentes, concedida pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) a pessoas e instituições que prestaram relevantes serviços à causa pública no estado. A Associação dos Amigos do MHN e quatro ex-diretores da instituição receberão moções honrosas: Heloísa Duncan, Solange Godoy, Vera Tostes e Paulo Knauss.

Fernanda Castro informou que, na quinta-feira (19), serão inauguradas mais duas exposições, uma delas, virtual: Entre Cenas e Retratos, que poderá ser acessada na plataforma Google Arts & Culture. A segunda, presencial, é a Brasil Decolonial – Outras Histórias, um conjunto de 17 intervenções no circuito de longa duração do MHN sobre temas e objetos relativos à diáspora africana na história do Brasil.

A programação da Semana Nacional de Museus encerra-se na sexta-feira (20) com mais uma edição do projeto Bonde da História em Casa, transmitido pelo canal do MHN no YouTube, que leva o público a ‘passear’ virtualmente pelo museu com a atividade “200 Anos da Independência do Brasil”. A mostra é interativa e não necessita de inscrição prévia para ser acompanhada.

“Qualquer pessoa pode acompanhar e interagir com a nossa equipe por meio do canal do YouTube. A gente responde a perguntas. É uma visita interativa”, explicou a coordenadora técnica do Museu Histórico Nacional.

Outros museus

No Museu do Índio, órgão científico-cultural vinculado à Fundação Nacional do Índio (Funai), foi lançada hoje (16) a mostra virtual Arte Indígena no Museu: Das Aldeias para O Mundo. Na mostra, que integra a programação da 20ª Semana Nacional de Museus, os visitantes podem fazer o percurso que artes e artefatos de diferentes culturas indígenas percorrem até chegarem ao museu e estarem prontos para serem difundidos ao público.

Em Petrópolis, região serrana do estado do Rio de Janeiro, poderá ser vista a mostra comemorativa dos 200 anos da Imperatriz Dona Teresa Cristina, no Palácio Imperial, com ingressos a preços populares: R$ 10 a inteira e R$ 5, a meia-entrada.

Em Niterói, região metropolitana do Rio, o Museu do Ingá promove na quarta-feira visita sensorial mediada. A atividade pretende atender todos os públicos, principalmente as pessoas com perda parcial e total de visão, ampliando o acesso à obra e promovendo uma experimentação.

No Instituto Moreira Salles, localizado na Gávea, está programada, também para quarta-feira, das 19h às 21h, a exibição do primeiro vídeo da série infantojuvenil Pega a Visão, sobre o acervo de fotografia da instituição. A jovem Mari reflete sobre imagens do acervo e a potência do protagonismo indígena nas narrativas visuais. O lançamento será na mesa Museus e Culturas Indígenas, e a transmissão será ao vivo pelo canal do IMS no YouTube e no Facebook.

Em parceria com a Secretaria de Educação do Município do Rio de Janeiro, o Museu de Ciências da Terra, localizado na Urca, promove amanhã (17), das 16h às 18h, o lançamento do projeto do Programa Museu em Movimento/22, para as crianças da educação infantil que estudam nos complexos do Chapadão e Pedreira, considerados áreas de menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Rio de Janeiro.

O Guia de Programação da 20ª Semana Nacional de Museus pode ser acessado aqui. Participam da programação deste ano 877 museus de todo o país, com 2.587 eventos cadastrados. Estão inscritas 379 cidades de 26 estados. As atividades incluem shows, teatros, seminários, exposições, cinema, visitas mediadas, debates, lançamentos de livro, oficinas, festivais, entre outras.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook
Propaganda

GERAL

Familiares se despedem de Dom Phillips em funeral em Niterói

Publicados

em

Familiares e amigos se despediram do jornalista Dom Phillips em um funeral realizado na manhã de hoje (26), em Niterói, na região metropolitana do Rio de Janeiro. O profissional de imprensa foi assassinado no Vale do Javari, no Amazonas, onde estava a trabalho acompanhado do indigenista Bruno Pereira, que também foi morto. 

A família do jornalista britânico chegou ao cemitério Parque da Colina por volta das 9h, quando começou o velório de Phillips. A cerimônia foi seguida da cremação de seus restos mortais, realizada no mesmo cemitério.

A viúva de Dom, Alessandra Sampaio, e a irmã do jornalista, Sian Phillips, leram pronunciamentos em português e inglês para a imprensa, destacando o amor do britânico pelo Brasil, seu compromisso com a conservação do meio ambiente e a necessidade de continuar sua luta. 

Alessandra Sampaio agradeceu o apoio que recebeu dos povos indígenas, da imprensa, de amigos jornalistas e de todos que participaram das buscas e se solidarizaram com Dom, Bruno e suas famílias.  

“Hoje, Dom será cremado no país que amava, seu lar escolhido, o Brasil”, disse. “Dom era uma pessoa muito especial, não apenas por defender aquilo que acreditava como profissional, mas também por ter um coração enorme e um grande amor pela humanidade”.

A viúva disse que a família seguirá atenta a todos os desdobramentos das investigações, “exigindo Justiça no significado mais abrangente do termo”, destacou. “Renovamos nossa luta para que a nossa dor e a da família de Bruno Pereira não se repitam, como também das famílias de outros jornalistas e defensores do meio ambiente, que seguem em risco”. 

Casal planejava adoção

Sian Phillips contou que Alessandra e o jornalista planejavam adotar duas crianças brasileiras e lembrou que Dom era apaixonado pelo futebol, música e paisagens naturais do Brasil.

“Ao lembramos Dom como um amável, divertido e legal irmão mais velho, ficamos tristes que foi negada a ele a chance de compartilhar essas qualidades, como pai, à próxima geração.”, disse.

A irmã do jornalista destacou que ele foi um profissional que compartilhou um leque diverso de histórias sobre os brasileiros, de ricos e poderosos a moradores de favelas e povos indígenas. 

“Ele foi morto porque tentou dizer ao mundo o que estava acontecendo com a floresta e seus habitantes. Sua missão confrontou os interesses de indivíduos que estão determinados a explorar a Floresta Amazônica sem se preocupar com o impacto destrutivo de suas atividades ilegais”, disse.

Sian contou que Dom trabalhava no projeto de um livro sobre modelos de desenvolvimento sustentáveis que podem assegurar a preservação da Amazônia, tanto como lar dos povos tradicionais como fator estabilizante para o clima global. 

“Dom entendeu a necessidade de uma mudança urgente tanto na abordagem política quanto econômica da conservação. Família e amigos estamos comprometidos a continuar este trabalho, mesmo nesse momento de tragédia. A história precisa ser contada”.

Mortos a tiros

Do lado de fora do cemitério, um grupo de manfestantes levou uma faixa que questionava: “Quem mandou matar Dom e Bruno?”. Segundo o inquérito da Polícia Federal, não há indícios de que haja mandantes na ação criminosa que matou os dois.

O jornalista e o indigenista foram vistos no Vale do Javari pela última vez no dia 5 de junho, e, após buscas, restos mortais foram encontrados no dia 15 de junho. No dia seguinte, os corpos foram levados para Brasília, onde foram periciados e identificados pelo Instituto Nacional de Criminalística.

Os restos mortais foram localizados em um local indicado pelo pescador Amarildo da Costa Oliveira, conhecido como “Pelado”, que é um dos suspeitos do crime, confessou sua participação e foi preso. 

Em nota divulgada no último dia 18, a Polícia Federal informou que Bruno Pereira foi morto com dois tiros na região abdominal e torácica, e um na cabeça, enquanto Dom Phillips levou um tiro no abdômen/tórax. A munição usada no assassinato foi típica de caça.

Dom Phillips era colaborador do jornal britânico The Guardian e já havia produzido reportagens sobre desmatamento na Floresta Amazônica. Bruno Pereira, por sua vez, era servidor licenciado da Funai e denunciava ameaças sofridas na região, informação confirmada pela PF. Ele atuava como colaborador da Univaja, uma entidade mantida pelos próprios indígenas da região, que tinha como foco impedir invasão da reserva por pescadores, caçadores e narcotraficantes.

Na última quinta-feira, a Polícia Federal transportou os corpos de Bruno e Dom de Brasília para os estados em que seriam realizados seus funerais. O corpo de Bruno Pereira foi velado e cremado na última sexta-feira, em Paulista, na região metropolitana do Recife (PE). 

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana