AGRO & NEGÓCIO

Seis pesquisadores da Embrapa Agrobiologia destacam-se em ranking internacional

Publicados

em


A Embrapa Agrobiologia (Seropédica, RJ) abriga cinco dos 13 principais cientistas do Brasil em Fitotecnia e Agronomia – os pesquisadores Segundo Urquiaga, Robert Boddey, José Ivo Baldani, Bruno Alves e Verônica Reis, além de Johanna Döbereiner (in memorian). Eles figuram entre os 13 mais citados do País, dentro de uma lista de 36 cientistas brasileiros da área de ciências vegetais e agronômicas relacionados em ranking mundial divulgado pelo Research.com, um dos principais sites de pesquisa do mundo. Oito são da Embrapa – os outros dois são Mariângela Hungria (Embrapa Soja, PR) e Nand Kumar Fageira (in memorian, Embrapa Arroz e Feijão, GO).

O ranking contém valores de índice-h (métrica que quantifica a produtividade e o impacto das publicações autorais), publicações e citações, coletados em dezembro passado. “Nosso ranking de melhores cientistas é uma lista confiável dos principais cientistas da área de ciências vegetais e agronomia”, informa a publicação. De acordo com o site, os critérios de inclusão dos pesquisadores foram baseados no índice h e nas contribuições científicas e também considerou prêmios e realizações na área. “Verificamos manualmente cada perfil e o correlacionamos com publicações em uma ampla variedade de fontes confiáveis.”

Foram analisados perfis de 166.880 cientistas do mundo em 21 áreas das ciências, disponíveis no Google Scholar e no Microsoft Academic Graph. Na área de Fitotecnia e Agronomia, foram examinados mais de 2.575 perfis. Também há pesquisadores da Embrapa em outras áreas das ciências como Ciência Animal e Veterinária.

Veja a lista completa em: https://research.com/scientists-rankings/plant-science-and-agronomy

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Propaganda

AGRO & NEGÓCIO

Irregularidade das chuvas tem afetado potencial produtivo do feijão

Publicados

em

As irregularidades das chuvas têm afetado significativamente o potencial produtivo das áreas de plantio de feijão mais tardio, ou seja, que ainda se encontram na fase de enchimento dos grãos. No nordeste, por exemplo, a colheita segue na fase introdutória, com apenas 3% da área total colhida. Na região, a maioria das lavouras está na etapa de enchimento de grãos e uma pequena porção está em maturação. 

Semelhantemente, na região Sul, mesmo com a colheita avançando, grande parte das lavouras estão em fase de enchimento de grãos e maturação. 

Por outro lado, em Goiás, cerca de 75% da área total já está colhida e nas regiões Leste e Oeste do estado a colheita já se encontra na fase final. Já em Minas Gerais, devido aos escalonamento da semeadura, as lavouras estão em estágios fisiológicos diversos, desde o desenvolvimento vegetativo até a colheita. Cerca de 28% das lavouras foram colhidas e  a maioria das áreas remanescentes seguem em maturação.

Fonte: AgroPlus

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

TECNOLOGIA

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana