mato grosso

Secretaria de Saúde avança em ações de enfrentamento à hanseníase em Mato Grosso

Publicados

em

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) avança no combate à hanseníase em Mato Grosso. Em parceria com o Instituto Aliança Contra a Hanseníase, o Estado recebe duas novas oficinas de adaptação de calçados e elabora um Manual Orientativo para os Cuidados em Hanseníase.

O balanço positivo foi feito pela Dra. Laila de Laguiche, hansenologista e presidente do Instituto, que oferta suporte científico, educacional e filantrópico na medida em que auxilia as ações de enfrentamento à doença em Mato Grosso.

De acordo com a especialista, as oficinas de adaptação de calçados serão instaladas em municípios que contam com uma Unidade de Atenção Especializada para o compartilhamento de cuidados voltados às pessoas acometidas pela hanseníase.

“Nós da Aliança Contra a Hanseníase estamos muito contentes com essa parceria público-privada. Estamos avançando, não necessariamente com a velocidade que gostaríamos pois tivemos a pandemia neste meio tempo, mas estamos entregando duas oficinas de adaptação de calçados – uma em Tangará da Serra e outra em Alta Floresta. E também promoveremos a capacitação dos profissionais para poder calçar melhor os pacientes atingidos pela hanseníase”, explicou.

Além das entregas e capacitações já realizadas por meio da parceria, a hansenologista explica que a associação AAL também desenvolveu o projeto TechHansen, que disponibiliza aos profissionais do Estado uma série de materiais voltados para a qualidade de vida de pacientes com sequelas da hanseníase.

“Nós oferecemos a possibilidade de os profissionais de saúde prescreverem e solicitarem, pelo nosso site, objetos de tecnologia assistiva que ajudam na qualidade de vida dos pacientes. Esses materiais não são oferecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), como luvas térmicas de proteção, tiras especializadas, pinças, lubrificantes ocular e nasal. São objetos simples, mas que mudam a vida do paciente”, disse a doutora, ao pontuar que os itens são importantes para pacientes que perdem a sensibilidade da pele ou passam por amputação.

Hanseníase em Mato Grosso

Mato Grosso apresenta níveis considerados hiperendêmicos para a hanseníase há muitos anos. Considerando os últimos cinco anos, 2018 destacou-se pelo maior número de casos novos e pela maior taxa de detecção da doença, com 4.678 casos, representando 138,30 casos novos por 100.000 habitantes. O ano de 2019 seguiu a mesma tendência, com leve decréscimo.

Contudo, em 2020, foram diagnosticados 2.517 casos novos de hanseníase no estado, um decréscimo abrupto e não esperado pela tendência estatística e comportamental da doença. De acordo com o relatório da Organização das Nações Unidas (ONU), a diminuição do número de casos pode ser reflexo da pandemia da Covid-19, que trouxe dificuldades no acesso da população aos serviços de saúde.

Comparando a curva epidemiológica da hanseníase entre 2019 e 2020, estima-se que mais de 50% de casos novos deixaram de ser diagnosticados em todo o mundo – o que também pode ser observado no Brasil e em Mato Grosso.

Neste contexto, o Estado trabalha no sentido de capacitar os profissionais para a detecção precoce da hanseníase e para o melhor atendimento dos pacientes. A SES-MT tem um projeto robusto denominado “Mato Grosso em Redes: Cuidado Integral em Hanseníase”, que integra o plano de ações da saúde.

“No que se refere ao combate à hanseníase, de 2016 a 2019, a SES qualificou cerca de 2 mil profissionais que atuam em Mato Grosso. Neste cenário, Mato Grosso faz um grande esforço junto à Atenção Primária, com um trabalho efetivo de qualificação das equipes de saúde”, ponderou o secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo.

Algumas das vertentes de trabalho perpassam as áreas da educação e comunicação e saúde, que precisam ser efetivadas como suporte às ações assistenciais. Desta forma, o objetivo é dinamizar a participação da sociedade no enfrentamento da hanseníase no estado.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Propaganda

mato grosso

Governador de Mato Grosso reforça defesa do congelamento do ICMS dos combustíveis

Publicados

em


Em carta pública, o governador Mauro Mendes reforçou a defesa por prorrogar o congelamento do preço médio do Preço Médio Ponderado ao Consumidor Final (PMPF), que é o preço usado para a base de cálculo de cobrança do ICMS dos combustíveis.

A carta foi assinada por 21 governadores, nesta quarta-feira (26.01). O Governo de Mato Grosso já havia votado pela prorrogação do congelamento no dia 14 de janeiro, junto ao Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), mas foi voto vencido na ocasião.

Nesta semana, Mauro Mendes enviou nova proposta ao grupo de governadores, na qual insistiu em prorrogar a medida por mais 180 dias, mas não foi aceita em sua integralidade, ficando definido o prazo de mais 60 dias. A proposta deve ser votada nesta quinta-feira (27.01) junto ao Confaz.

“Diante do novo cenário que se descortina, com o fim da observação do consenso e a concomitante atualização da base de cálculo dos preços dos combustíveis, atualmente lastreada no valor internacional do barril de petróleo, consideram imprescindível a prorrogação do referido congelamento pelos próximos 60 dias, até que as soluções estruturais para a estabilização dos preços desses insumos sejam estabelecidas”, consta trecho da carta assinada pelos 21 governadores.

Conforme os gestores, a proposta é mais um esforço para amenizar a inflação que tem prejudicado a população, em especial “as camadas mais pobres e desassistidas”.

Mauro Mendes e os demais governadores também defenderam a mudança na política de preços da Petrobras, que é baseada no preço internacional do barril de petróleo.

“Enfatizam a urgente necessidade de revisão da política de paridade internacional de preços dos combustíveis, que tem levado a frequentes reajustes, muito acima da inflação e do poder de compra da sociedade”, finalizaram.

Em relação aos combustíveis, o Governo de Mato Grosso também realizou promoveu redução de ICMS que passou a valer a partir deste ano. Foi reduzido o imposto da gasolina de 25% para 23% (a menor alíquota do país) e do diesel de 17% para 16%. No etanol, Mato Grosso tem a menor alíquota entre os estados, de 12,5%.

Além de Mauro Mendes, assinaram a carta pública os seguintes governadores: Waldez Góes (Amapá), Ronaldo Caiado (Goiás), Wilson Lima (Amazonas), Flávio Dino (Maranhão), Camilo Santana (Ceará), Ibaneis Rocha (Distrito Federal), Reinaldo Azambuja (Mato Grosso do Sul), Renato Casagrande (Espírito Santo), Romeu Zema (Minas Gerais), Helder Barbalho (Pará), Fátima Bezerra (Rio Grande do Norte), João Azevêdo (Paraíba), Eduardo Leite (Rio Grande do Sul), Ratinho Júnior (Paraná), Carlos Moisés (Santa Catarina), Paulo Câmara (Pernambuco), João Doria (São Paulo), Wellington Dias (Piauí), Belivaldo Chagas (Sergipe) e Cláudio Castro (Rio de Janeiro).

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana