Cuiabá

Secretaria de Relações Comunitárias apoia lideranças em repúdio a troca do nome de ferrovia

Publicados

em


Jose Ferreira

Clique para ampliar

A Secretaria Adjunta de Relações Comunitárias (SARC),  da Prefeitura de Cuiabá, acompanhou a mobilização comandada por lideranças comunitárias, durante  sessão plenária da Assembleia Legislativa de Mato Grosso realizada na quarta-feira (22), em favor da manutenção do nome Senador Vicente Emílio Vuolo para a primeira ferrovia estadual de Mato Grosso, com extensão de 730 km. 

A ação aconteceu em repúdio quanto a substituição do nome da via que presta homenagem a Vicente Vuolo, já definido por Lei nº 7.027, de 02 de julho de 1998, de autoria do deputado estadual Wilson Santos (PSDB), sancionada pelo ex-governador Dante de Oliveira, para Olacyr de Moraes,  pioneiro do agronegócio.

Na última segunda-feira (20), foi realizado um ato solene da assinatura do contrato de concessão entre a empresa Rumo/SA e o Governo do Estado, em Cuiabá, Nova Mutum e Lucas do Rio Verde, autorizando a construção da primeira ferrovia estadual de Mato Grosso, porém com outro nome, de Ferrovia Autorizada de Transporte Olacyr de Moraes (Fato). “Nós estivemos na manhã desta quarta-feira na Assembleia, em virtude da grande repercussão negativa. Nós estivemos com diversas lideranças fazendo agenda nas Secretarias. As lideranças mostraram-se indignadas e convidaram a  equipe da SARC, para que acompanhasse a sessão plenária, onde eles iriam demonstrar essa insatisfação, porque essa troca de nome pegou toda a sociedade de surpresa.  O movimento comunitário deve ser ouvido. O ato  demonstra a  sensibilidade do movimento,  já que a história e a luta do senador Vicente Vuolo deve ser respeitada. Ele viveu praticamente uma vida política inteira brigando para que ela se tornasse realidade”, destaca o secretário da SARC, Ricardo Lobo. 

As lideranças representadas pelo presidente da Federação Mato-Grossense de Associações de Moradores de Bairros (Femab), Walter Arruda, pela presidente da União dos Clubes de Mães, Maria Orli, entre outros de diversas regiões de Cuiabá, que estiveram na manifestação, comemoraram o apoio dos deputados estaduais, que estão em favor de manter o nome de Vuolo na ferrovia estadual.

“Eu classifico como um sucesso essa mobilização, pois o clamor da cuiabania foi muito grande. O Vuolo representa o sonho, é o pai da ferrovia. E nós cuiabanos nos sentimos ofendidos pela apresentação do nome Olacyr de Moraes para a substituição, porque o Vuolo tem uma luta inteira em defesa da ferrovia. Chegou a ser ‘classificado’ como louco, na época, quando começou a sonhar com ela. Ele não está mais entre nós, mas o sonho dele continua”, pontua Walter Arruda.

Comentários Facebook
Propaganda

Cuiabá

Vereador diz que valor a ser gasto em clínica conveniada daria para castrar 600 pets no CCZ

Publicados

em


Secom Câmara

Vidal lembrou que em fevereiro fez um Anteprojeto de Lei pedindo ao prefeito que construísse dentro do CCZ uma clínica para castrações de pets


O vereador Sargento Vidal (Pros) criticou durante a sessão ordinária desta terça-feira (26/10), na Câmara de Cuiabá, a ação proposta pela Diretoria de Bem-Estar Animal de castrar 50 animais ao mês. Segundo ele, o número mínimo deveria ser de mil castrações mensais para diminuir a proliferação nas ruas da capital.

O parlamentar lembrou que em fevereiro fez um Anteprojeto de Lei pedindo ao prefeito que construísse dentro do Centro de Controle de Zoonoses, uma clínica para castrações de pets. Segundo ele, o mesmo valor que gastaria mensalmente para castrar entre 500 a 600 animais dentro do CCZ, a diretoria vai gastar agora com 50 em clínicas conveniadas.&nbsp

“Esse valor poderia ser utilizado de forma correta e todo o material utilizado nessa clínica veterinária dentro do CCZ não se perderia, pois assim que construísse o Hospital Público Veterinário o material seria todo remanejado, então não se perderia um centavo, castraria cerca de 600 onde vai castrar 50”, disparou.

Vidal questionou os critérios que a diretora da pasta utilizou para chegar a essas 50 castrações que, segundo informações, irão começar pelo Residencial Nico Baracat. Pontuando que em Cuiabá há 10 ONGs e em cada uma delas tem no mínimo 100 animais precisando ser castrados e que deveriam ser prioridade.&nbsp

“Se temos hoje cerca de 12 mil animais nas ruas abandonados entre cães e gatos, com esses animais que estão nas ONGs, se estivessem nas ruas, poderíamos dizer que nos próximos dois anos poderíamos aumentar para 20 mil, porque a gata procria quatro vezes ao ano e a cadela três vezes, cada ninhada tem no mínimo de sete a 10, aí é só fazer a conta vezes mil a 1.200”, explicou ele.

Ele acredita que essas castrações têm o intuito de atrasar ainda mais o início da obra do Hospital Público Veterinário, que já era para ter sido lançada.

Vidal destacou que desde o início do seu mandato não viu dificuldades em conversar com o prefeito Emanuel Pinheiro e seus secretários, no entanto, não consegue dialogar com a diretora do Bem-Estar Animal.

“Faço parte da Comissão do Meio Ambiente e mesmo assim é impossível falar com a diretora do Bem-Estar Animal que não atende e não dá satisfação justamente ao único parlamentar da Casa que representa a causa animal”, declarou o vereador.&nbsp

Ao final, o vereador Kássio Coelho – presidente da Comissão do Meio Ambiente – disse que irá convocar a diretora para prestar esclarecimentos à comissão.

Luana Valentim/Gabinete Vereador Sargento Vidal

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana