mato grosso

Secel oferta auxílio financeiro mensal a treinadores esportivos de Mato Grosso

Publicados

em


A Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT) está recebendo propostas para concessão de bolsas de auxílio mensal a treinadores esportivos de Mato Grosso. Lançado no início de julho, o edital Bolsa Técnico, que faz parte do projeto Olimpus, segue com inscrições abertas até a próxima quinta-feira (21.07).  

De acordo como secretário adjunto de Esporte e Lazer da Secel, Jefferson Neves, a quantidade de beneficiados poderá chegar a 40 técnicos conforme disponibilidade orçamentária.

“O objetivo é valorizar e fomentar o trabalho dos responsáveis por ajudar os atletas a desenvolverem suas habilidades técnicas, suas  potencialidades. É mais um avanço no projeto Olimpus, um reconhecimento em forma financeira que mostra a importância que o Estado dá ao esporte”, destaca Jefferson.  

Os profissionais serão contemplados com valor mensal de R$ 1 mil, na categoria Bolsa-Técnico Nacional, e de R$ 1,5 mil na Nacional Elite. A principal diferença entre as categorias é a abrangência das competições em que os atletas treinados pelo técnico participaram, se nacional ou internacional. Ambas dispõem de percentuais de bolsas para treinadores de atletas com deficiência.

A seleção pública abrange somente residentes em Mato Grosso há pelo menos dois anos. Além disso, o profissional deve ter registro de graduado ou de provisionado no Conselho Regional de Educação Física (CREF-17).

Dentre os documentos para inscrição, o interessado deverá apresentar também a relação de atletas que se encontram em treinamento regular, bem como as colocações alcançadas pelos mesmos nas competições. Isso porque a pontuação do técnico será de acordo com os melhores resultados apresentados dentro da categoria que está concorrendo.

Serão selecionados preferencialmente técnicos de modalidades olímpicas e paralímpicas, que são administradas no Brasil por entidades vinculadas ou reconhecidas pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB), Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), Confederação Brasileira de Desporto Escolar (CBDE) e Confederação Brasileira de Desporto Universitário (CBDU).

O projeto Olimpus

Retomado e ampliado em 2020 pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT), o projeto Olimpus garante auxílio financeiro mensal a 151 atletas de Mato Grosso, abrangendo categorias de base e de alto rendimento.

O projeto ainda está possibilitando incentivos especiais aos participantes mato-grossenses nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio 2021. Atletas, paratletas, atletas-guias e técnicos convocados e/ou medalhistas nas competições mundiais têm direito à premiação que pode chegar a R$ 100 mil.  Saiba mais aqui

Serviço

Edital para a concessão de bolsa técnico

Prazo para inscrições: 21 de julho de 2021

Acesso ao edital e anexos: www.esportes.mt.gov.br/-/17452721-edital-n-04/2021/secel-bolsa-tecnico

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Propaganda

mato grosso

Trabalhadores do Ensino Público de Mato Grosso entram em greve pedindo 20% de reajuste

Publicados

em

Professores, administradores e funcionários de escolas, do governo de Mato Grosso, anunciaram paralisação de 24 horas nesta quinta-feira (28/10) – Dia dos Servidores Públicos – contra o que eles chamam de “calote do pagamento da Revisão Geral Anual (RGA) dos servidores da educação, o que resultaria num reajuste salarial de 20%.

O valor, segundo o Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT), membro do Fórum Sindical, foi um dos signatários do movimento dos servidores, mais de 700 escolas de Mato Grosso tiveram suas atividades suspensas nesta quarta.

O presidente do Sintep, Valdeir Pereira, disse que o governo não paga o reajuste integral dos servidores desde 2018. Ele destaca que a inflamação registrada é superior a 10%, nos últimos 12 meses. Afirma que o governo deve fazer um reajuste no próximo ano, mas que não atingirá a totalidade da inflação.“Vai ficar pela metade, tivemos um aumento da alíquota previdenciária e o governo não sinaliza em pagar os valores defasados”, disse.

Fora a cobrança da RGA, os professores exigem o cumprimento da Lei 510 de 2013, que assegura a dobra do poder de compras dos salários, a convocação dos aprovados no concurso público, reforma das escolas em condições precárias e aplicação de leis que asseguram recursos para a educação.

“A lei 510 foi, inclusive, uma greve que fizemos pela exigência da parcela fixa. O governo, junto com o Ministério Público, pediu a inconstitucionalidade da lei, mas outros setores, como o Tafe e Sema, o governo fez o pagamento dos percentuais. Ou seja, pra educação a tratativa é uma, pros outros setores a tratativa é outra”, recorda.

Além disso, os profissionais aproveitam para protestar também contra a volta as aulas na pandemia, o fechamento de escolas e a falta de políticas públicas para auxiliar estudantes que foram prejudicados por conta da covid-19.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana