PRIMAVERA DO LESTE

Safra comercial de trigo em Mato Grosso pode começar

Workshop do Governo do Estado e parceiros levou informações técnicas a produtores rurais e mostrou viabilidade

Publicado

 

Sedec MT

Safra comercial de trigo em Mato Grosso pode começar em Primavera do Leste

Safra comercial de trigo em Mato Grosso pode começar em Primavera do Leste

A cultura do trigo começa a ganhar destaque em Mato Grosso. A vinda da indústria Moinho Dona Hilda para Cuiabá faz com que produtores rurais se interessem em produzir o grão com a garantia de demanda e preço. Para tratar das questões técnicas, foi realizado o 1º Workshop para Implantação da Cultura do Trigo em Mato Grosso na sexta-feira (13.12), em Primavera do Leste.

“A região tem 40 mil hectares de área com pivô, local ideal para a cultura do trigo. Por isso, decidimos conversar com os produtores rurais locais e mostrar toda a potencialidade que há em fazer uma terceira safra no Estado”, explicou o superintendente de Política da Agricultura e Pecuária da Sedec, Eldo Leite Gatass Orro.

A primeira demanda do moinho necessitaria de produção de 50 mil hectares de trigo. Porém, a expectativa dos técnicos dos órgãos envolvidos é que em dois ou três anos haja somente na região a produção em 20 mil hectares.

“O município e a região poderão se destacar como pólo logístico para distribuição com a futura instalação de um armazém da indústria”, disse João Antônio Sentchuk, diretor do Moinho Dona Hilda.

A indústria na capital mato-grossense terá a capacidade final para moer 300 toneladas de trigo por dia, mas iniciará sua produção com 150 toneladas por dia. A fábrica será instalada em 2021 com produção de 50% no primeiro ano e capacidade total em 2022. Neste período de instalação, o trigo produzido em Mato Grosso será transformado na fábrica do Paraná.

Para o início do trabalho no estado, há à disposição quatro mil sacas de sementes para o produtor rural. Os interessados em apostar nesta cultura terão o compromisso de compra da indústria.

Há atualmente seis variedades de trigos que se adaptaram ao solo e ao clima mato-grossenses e todas elas são de trigo melhorador, comparado ao argentino e utilizado na panificação. Além de opção para a renda do produtor rural, o pesquisador da Empresa Mato-grossense de Assistência Rural (Empaer), Hortêncio Paro, destaca que melhorará o solo no que se refere a controle de nematoides e pragas.

O pesquisador Gilberto Cunha, da Embrapa Trigo, explicou o zoneamento do trigo em Mato Grosso e as condições de produção do cereal. A empresa ainda revelou que há cursos já em andamento no Rio Grande do Sul, em parceria com cooperativas, para capacitar os produtores rurais.

Para o prefeito de Primavera do Leste, Leonardo Bortolin, o município tem condições de se tornar referência. “Podemos fazer desta cultura algo rentável para os produtores rurais e para toda a região trazendo desenvolvimento e gerando emprego e renda com a implantação do armazém aqui, que irá estocar e distribuir a produção”, afirmou.

O presidente do Sindicato Rural, José Nardes, relembrou que a cultura do trigo no município é desenvolvida pela família Borguette. “Neste ano, colheram 70 sacas por hectare, porém a expansão não foi possível por causa dos custos. Agora, eles serão reduzidos com a indústria em Cuiabá e também com desenvolvimento das áreas de pivô”.

“Incentivamos e discutimos as políticas produtivas e diversificação das culturas e, depois de todo o estudo, verificamos que não é só viável mas também eficiente para a rotação”, disse Afrânio Cesar Migliari, presidente da Associação dos Produtores de Feijão e Irrigantes de Mato Grosso (Aprofir).

O workshop foi uma realização da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec), com apoio da Aprofir e do Moinho Dona Hilda e com a parceria da Empaer, Embrapa, Banco do Brasil, OCB MT, Câmara Municipal de Primavera do Leste e Prefeitura Municipal.

 

Comentários Facebook
publicidade

Cuiabá

Veja os dados do painel Covid-19 desta terça-feira (4)

Publicado


.

Nesta terça-feira (4), Cuiabá tem 12.637 casos confirmados de Covid-19 de residentes no município e 2.499 de não residentes, mas que estão sendo atendidos na capital. Dos confirmados, 2.873 já estão recuperados da doença e houve 579 óbitos de residentes e 269 de não residentes.

Na rede hospitalar há 293 pacientes confirmados com Covid-19 internados, sendo 196 na UTI e 97 em enfermaria. Também estão internados 153 pacientes com suspeita da doença, sendo 72 na UTI e 81 em enfermaria. Do total de pessoas internadas em UTI, 169 são de residentes em Cuiabá e 99 de residentes de outros municípios. Do total de internados em enfermaria/isolamento, 133 pessoas são de Cuiabá e 45 de outros municípios.

Hoje Cuiabá registrou mais 6 óbitos, chegando a um total de 579 mortes. O prefeito Emanuel Pinheiro e o secretário municipal de Saúde, Luiz Antonio Pôssas de Carvalho lamentam profundamente estes óbitos.

Segue abaixo a relação dos óbitos de residentes em Cuiabá:

-Homem, 68 anos, internado em hospital público. Tinha hipertensão e problema cardiovascular. Foi a óbito em 04/08.

-Homem, 67 anos, internado em hospital público. Tinha hipertensão, diabetes, obesidade e problema cardiovascular. Foi a óbito em 04/08.

-Homem, 63 anos, internado em hospital público. Tinha hipertensão, problema pulmonar e diabetes. Foi a óbito em 03/08.

-Mulher, 56 anos, internada em hospital privado. Tinha hipertensão, problema pulmonar e problema cardiovascular. Foi a óbito em 04/08.

-Homem, 51 anos, internado em hospital privado. Tinha hipertensão e problema renal. Foi a óbito em 04/08.

-Mulher, 72 anos, internada em hospital público. Tinha hipertensão. Foi a óbito em 04/08.

 

 

 

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Agronegocio

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana