economia

Sachsida se reúne com membros do TCU para debater venda da Eletrobras

Publicados

em

source
TCU retoma julgamento sobre privatização da Eletrobras nesta quarta-feira (18)
Fernanda Capelli

TCU retoma julgamento sobre privatização da Eletrobras nesta quarta-feira (18)

A dois dias da retomada do julgamento da privatização da Eletrobras no Tribunal de Contas da União (TCU), o ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, deverá se reunir com ministros da instituição para debater o tema nesta segunda-feira (16). O objetivo de Sachsida é fazer uma ofensiva para convencer os membros do tribunal a aceitarem a venda da estatal.

Na manhã desta segunda, o ministro se reuniu com Augusto Sherman, que tem costume de votar em linha com os desejos do Palácio do Planalto. À tarde, Sachsida irá participar de um encontro por videoconferência com o ministro Benjamin Zymler e posteriormente com o relator do processo Aroldo Cedraz.

As tratativas é uma forma de pressionar o TCU a autorizar a venda da estatal até agosto, prazo estipulado pelo Planalto após o adiamento do julgamento. As discussões devem ser retomadas nesta quarta-feira (18), quase um mês após o pedido de vistas do ministro Vital do Rêgo.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia

Aliados do presidente Jair Bolsonaro (PL) chegaram a se reunir com ministro do TCU para reverter o adiamento, mas não obtiveram sucesso. O ministro do tribunal, Jorge Oliveira, indicado por Bolsonaro, também tentou reduzir o prazo para retomar as discussões, mas teve seu voto vencido.

Anteriormente, o governo esperava vender a empresa energética em maio. Entretanto, ministros encontraram inconsistências sobre a proposta de privatização. Rêgo, por exemplo, achou o valor oferecido para a venda da empresa baixo, considerando a importância da Eletrobras na matriz energética do país.

Comentários Facebook
Propaganda

economia

Campos Neto diz não querer permanecer à frente do BC em 2024

Publicados

em

Roberto Campos Neto
José Cruz/Agência Brasil

Roberto Campos Neto

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto , disse nesta quinta-feira (18) que não quer ser reconduzido ao cargo quando terminar o seu mandato, em 2024.

Quando o Congresso aprovou a autonomia do BC, incluiu a possibilidade de reeleição a cada quatro anos, o que Campos Neto diz ter sido contrário. Segundo ele, a possibilidade de recondução não seria saudável porque expõe o órgão à vontade política do Executivo.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

“Eu acho que a recondução não é saudável mesmo porque cria uma fragilidade no meio do mandato porque vai ter um presidente do banco central que vai estar interessado em estar reconduzido e fica exposto naquele momento à vontade do Executivo”, disse.

“Eu não gosto, não acho que é bom. Se tivesse dependido só de mim não teria nem recondução na lei de autonomia”, completou.

Quando aprovada a autonomia do BC, em 2021, o banqueiro já estava à frente da instituição a dois anos. Segundo ele, seu trabalho já foi feito. 

“O Brasil fez o trabalho mais cedo, mais rápido e as pessoas entendem que o trabalho do Banco Central está em grande parte feito”, afirmou.

A lei visa proteger a diretoria e o presidente do órgão de influências políticas. Para isso, entre outras medidas, criou um mandato fixo de quatro anos tanto para o presidente como para os diretores. Antes, o presidente da República indicava o nome que regeria a política monetária. 


Fonte: IG ECONOMIA

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

TECNOLOGIA

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana