BRASIL E MUNDO

RJ: Falso massagista é preso por abusar sexualmente de influenciadoras digitais

Publicados

em


source
Suspeito é preso no Rio de Janeiro por abusar influenciadoras digitais
Reprodução

Suspeito é preso no Rio de Janeiro por abusar influenciadoras digitais

A Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu um homem que se passava por massagista para abusar sexualmente de influenciadoras digitais. Matheus Calainho Cyranka, de 26 anos, abordava as vítimas pelas redes sociais e propunha uma parceria: em troca de seus serviços, elas teriam que postar fotos dele para promover seu perfil. Durante o procedimento, entretanto, ele chegava a tocá-las e até a se masturbar.

De acordo com as investigações da 16ª DP (Barra da Tijuca), pelo menos sete mulheres foram vítimas de Matheus nos últimos dois anos. Segundo o delegado Henrique Damasceno, algumas delas têm mais de 100 mil seguidores no Instagram e resistiram a denunciar o criminoso por vergonha e medo da exposição.

Há cerca de dois meses, porém, uma jovem que recebeu Matheus em casa para uma sessão de massagem resolveu ir até a delegacia. Em depoimento, ela contou que o criminoso se apresentava como homossexual para não levantar “dúvidas” de seu profissionalismo. Mesmo com o marido na residência, ele acariciou suas partes íntimas.

Matheus foi preso na casa de sua família, no Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio. Aos policiais, ele admitiu não ter formação em cursos de massagem e ter aprendido algumas técnicas assistindo a vídeos no YouTube. Ele foi indiciado por violação sexual mediante fraude, crime cuja pena varia de dois a seis anos de prisão.

Comentários Facebook
Propaganda

BRASIL E MUNDO

Policial que matou negro após abordagem de trânsito é presa

Publicados

em


 A policial que baleou e matou um homem negro durante uma briga ocorrida após uma abordagem de trânsito de rotina no estado norte-americano de Minnesota foi presa e formalmente acusada de homicídio culposo nesta quarta-feira (14).

Kim Potter, veterana com 26 anos de serviço que se demitiu da força policial de Brooklyn Center na terça-feira, foi posta sob custódia na manhã desta quarta-feira e fichada na prisão do condado de Hennepin por matar a tiro Daunte Wright, de 20 anos, na tarde de domingo, disse o Órgão de Apreensão Criminal de Minnesota em um comunicado.

Potter, de 48 anos, estava detida sem direito a fiança, segundo registros da prisão.

Wright foi parado no domingo devido a um registro de veículo vencido, disse a polícia. Policiais descobriram que existia um mandado de prisão contra ele e Potter sacou a arma de fogo ao invés da arma de choque acidentalmente durante uma luta com Wright, que voltou para o carro, disse na segunda-feira o chefe policial de Brooklyn Center, Tim Gannon, que também pediu demissão na terça-feira.

No vídeo da polícia, ouve-se Potter gritando um palavrão e, em seguida, “acabei de atirar nele”.

Para que ela seja condenada pela lei do Minnesota por homicídio culposo, os procuradores precisam mostrar que Potter foi “culposamente negligente” e que correu um “risco insensato” em suas ações contra Wright. A acusação implica uma pena máxima de 10 anos de prisão e uma multa de 20 mil dólares.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana