Saúde

Rio tem mais 1.500 casos e 245 mortes por covid-19 em 24 horas

Publicado


.

O estado do Rio de Janeiro registrou mais 1.500 casos confirmados e 245 mortes por covid-19. Com isso, o total chega a 33.589 casos e 3.657 óbitos. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (22) pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). Há 1.023 óbitos em investigação e 28.120 pacientes se recuperaram da doença.

A capital tem o maior número de contaminados, com 20.161 casos, ou 60% do total no estado. Entre os municípios com maior número de casos, aparecem Niterói (1.982), Nova Iguaçu (1.191), Duque de Caxias (1.177), São Gonçalo (860), São João de Meriti (611), Volta Redonda (546), Itaboraí (531), Belford Roxo (507), Mesquita (412), Angra dos Reis (404), Queimados (384), Magé (378), Campos dos Goytacazes (374), Petrópolis (276), Nilópolis (245), Teresópolis (235) e Cabo Frio (226).

A cidade do Rio de Janeiro também registra o maior número mortes, com 2.520 casos, ou 68,9% do total no estado.

Entre os demais municípios com mais óbitos, estão Duque de Caxias (174), Nova Iguaçu (119), Niterói (88), São Gonçalo (78), Magé (69), Belford Roxo (68), São João de Meriti (62), Itaboraí (46), Mesquita (45), Petrópolis (30), Nilópolis (29), Itaguaí (24), Volta Redonda (20), Angra dos Reis (19), Maricá (19), Teresópolis (19), Macaé (17), Campos dos Goytacazes (16), Barra do Piraí (14), Nova Friburgo (13), Tanguá (12), Cabo Frio (11), Paracambi (11), Rio das Ostras (11) e Queimados (10).

Leia mais:  Bolsonaro participa de inauguração de hospital em Goiás

O estado do Rio alterna com o Ceará a segunda posição em número de casos de covid-19 no país, atrás de São Paulo. Por isso, o governador Wilson Witzel prorrogou as medidas de isolamento social até o dia 31 deste mês.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
publicidade

Saúde

Covid-19 é encontrado em 88% das amostras de esgotos de BH

Publicado


.

Amostras de monitoramento feitas em 24 pontos de coleta do sistema de esgotamento de Belo Horizonte e Contagem (MG) indicam que a incidência do novo coronavírus (covid-19) aumentou significativamente na Bacia do Ribeirão da Onça, onde a presença do vírus chegou a 88% das amostras que coletadas entre os dias 11 e 15 de maio. No levantamento anterior, feito de 27 de abril a 8 de maio, o índice estava em 69%.

Na outra bacia analisada, a do Ribeirão Arrudas, houve “leve queda” do total de amostras positivas, que passaram de 50% para 43%. 

Os dados constam de boletim divulgado pelo projeto-piloto Monitoramento Covid Esgotos, a partir dos efluentes gerados por uma população de 2,2 milhões de habitantes, o que corresponde a quase 71% da população urbana de Belo Horizonte e Contagem.

O projeto abrange 24 pontos de monitoramento. Dezoito deles na rede coletora, e os demais em pontos dos ribeirões Arridas e Onça; e em pontos de entrada e saída das estações de tratamentos de esgoto locais.

Leia mais:  Bolsonaro participa de inauguração de hospital em Goiás

Vigilância epidemiológica

O monitoramento de esgotos como ferramenta de vigilância epidemiológica não é uma novidade. Em meados dos anos 1850, o inglês John Snow usou essa ferramenta para entender a ocorrência da cólera e identificar as residências de pessoas que morreram por conta da doença no bairro do Soho, em Londres.

A expectativa é de que agora essa ferramenta seja aplicada também para acompanhar a situação da atual pandemia no Brasil, de forma a gerar dados que poderão ajudar os gestores na tomada de decisões inclusive sobre medidas como a de isolamento social.

A iniciativa, que terá duração inicial de dez meses, conta com a participação da Agência Nacional de Águas (ANA) e do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Estações Sustentáveis de Tratamento de Esgoto (Inct ETEs Sustentáveis), entidade vinculada à Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Segundo o coordenador do Inct ETEs Sustentáveis e professor da UFMG, Carlos Chernicharo, a testagem do esgoto possibilita o diagnóstico do conjunto de indivíduos de uma comunidade. 

Leia mais:  Professora Maria Bonfim é a 58ª vítima do coronavírus em Mato Grosso

“Assim sendo, o esgoto passa a ser a amostra de fezes e de urina que representa o conjunto da população”, explicou durante uma videoconferência promovido pela Agência Nacional de Águas (ANA).

 

 

 

 

Edição: Kleber Sampaio

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Agronegocio

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana