BRASIL E MUNDO

Repórter cai de ponte durante entrada ao vivo e fratura os calcanhares; assista

Publicados

em


source
Jandir Martins terá que ficar cerca de 2 meses usando uma cadeira de rodas
Reprodução

Jandir Martins terá que ficar cerca de 2 meses usando uma cadeira de rodas

Jandir Martins, jornalista da TV Cidade, no Mato Grosso , sofreu um acidente enquanto fazia uma entrada ao vivo em um telejornal na última quinta-feira (18).

O repórter se pendurou em uma ponte e sem conseguir se segurar, caiu de uma altura de 4 metros.

Confira o vídeo:

Na queda, Jandir trincou os dois tornozelos e teve que passar por uma cirurgia de urgência. Durante a recuperação, terá que passar 60 dias usando cadeira de rodas.

Momentos depois de ser resgatado, Jandir Martins gravou um vídeo para tranquilizar os espectadores e familiares:

“Eu vou aproveitando aqui para avisar minha família, meu filho, que está tudo vem, uma possibilidade de fratura apenas, mas a dor já melhorou bem, não está doendo tanto, foram ministradas duas medicações aqui nesse transporte (Ambulância). Vamos que vamos, gente, fé em Deus”.

Comentários Facebook
Propaganda

BRASIL E MUNDO

Médico é espancado ao alertar pessoas sobre riscos de aglomeração

Publicados

em

Médico José Eduardo Mainart Panini
O médico publicou o relato sobre o acontecimento em seu perfil nas redes sociais
Um  médico infectologista foi espancado após alertar um grupo de “pessoas conhecidas” sobre os riscos da Covid-19, em Toledo, no Paraná. José Eduardo Mainart Panini trabalha no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, da USP.

O estado do Paraná vive um colapso na saúde, devido ao alto número de internações e casos graves da doença . Ciente da situação, o infectologista fez um alerta sobre o período das aglomerações e uma segunda onda do vírus e foi agredido. “A resposta que me foi dada foram chutes e socos, enquanto um me segurava o outro me agredia”, disse ele.

O médico relatou o ocorrido em seu perfil do Instagram:

“Na sexta-feira, após horas de reunião pra determinar o que seria ou não fechado, baseado num Decreto do Estado do Paraná. Já deixo claro, que baseado nos números não há mais nada a que fazer, senão as coisas só piorarão. Ao alertar os riscos a pessoas conhecidas, a resposta que me foi dada foram chutes e socos, enquanto um me segurava o outro me agredia.

Enfim pessoas assim que ajudaram situação chegar onde está! O desânimo não vem! E junto com eles temos muita coisa boa, progresso, vacinas e tudo que vai fazer sairmos dessa pandemia! E aos trabalhadores da saúde muita força!”

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana