turismo

Quer estudar fora? 5 dicas para planejar um intercâmbio pós pandemia

Publicados

em


source
Aproveite o tempo de isolamento social para se organizar
Glenn Carstens-Peters/Unsplash

Aproveite o tempo de isolamento social para se organizar

A pandemia da Covid-19 fez com que muitas pessoas precisassem adiar o tão sonhado intercâmbio. Contudo, esse tempo de isolamento pode ser útil para se organizar e planejar tudo com mais calma. A empreendedora e professora de inglês Anna Carolyna Diniz acredita que os planos para o tão sonhado intercâmbio não precisam ficar totalmente de lado.

Ela diz que é possível aproveitar o tempo extra de planejamento para rever orçamento, analisar as melhores opções e ver o que mais se encaixa ao seu perfil. Existem diversas maneiras de se fazer intercâmbio. Por isso, listamos cinco dicas para quem deseja começar a se organizar.

Defina o seu objetivo 

Existem vários formatos de intercâmbio, desde cursos de idioma, graduação, cursos profissionalizantes, assim como opções de intercâmbio para trabalho voluntário, au pair (babá). É importante primeiro decidir qual formato se encaixa ao que você está buscando. 

Destino

O segundo passo é pesquisar qual país. Para aqueles que desejam trabalhar durante o período de intercâmbio, vai precisar pesquisar quais países permitem e quais as restrições ou exigências para isso. Vale considerar também se o candidato prefere frio ou calor, para buscar países que atendam aos seus gostos. 

Você viu?

Moradia

A moradia é uma questão bem importante para o intercambista planejar, afinal, é onde ele ficará até o final de sua viagem. Existe a opção de hospedagem em casa de família, residência estudantil ou alugar algum apartamento, então é importante pensar se o candidato busca uma imersão total. Caso prefira ter o seu próprio espaço, com mais privacidade, lembre que isso irá refletir diretamente nos custos. 

Tempo

O intercâmbio pode ter duração de uma semana, dois anos ou mais, de acordo com o curso que pretende fazer ou o tipo de intercâmbio. É importante ter em mente quanto tempo pretende ficar, para que, assim, consiga elaborar seus planos de custo.

Aproveite para estudar 

Enquanto ainda não é possível realizar sua viagem, faça um curso do idioma do país que pretende ir. Ao chegar lá, conseguindo se comunicar pelo menos o básico já vai lhe ajudar muito. Existem diversos cursos on-line rápidos, ou até mesmo particulares para praticar o idioma e ficar expert.

Agora é hora de dar início às pesquisas e preparar tudo para que a experiência seja inesquecível.

Fonte: IG Turismo

Comentários Facebook
Propaganda

turismo

Guia do acampamento: o que é preciso saber para viver esta experiência

Publicados

em


source
Acampar fora das áreas reservadas para isso é proibido no Brasil
Pexels

Acampar fora das áreas reservadas para isso é proibido no Brasil


Acampar se tornou uma das formas mais procuradas de turismo nesta pandemia pela Covid-19. Os viajantes mais aventureiros têm investido em  barracas e itens de acampamento para sair um pouco de casa e curtir uma experiência barata, naturalmente ao ar livre, geralmente com pouca concentração de pessoas e/ou em lugares isolados. 

Entretanto, não é todo mundo que escolhe um camping para passar a noite ou alguns dias, mas sim um local aberto sem a infraestrutura de banheiro, cozinha, pontos de iluminação e wi-fi. Apesar de ilegal, a modalidade de acampamento selvagem também vem ganhando adeptos .


Para além da ilegalidade em diversos estados do Brasil, o  acampamento selvagem requer alguns cuidados especiais por parte de quem o pratica, já que não é somente a estrutura de camping que é deixada de lado, mas também o conhecimento de um guia local.

Por isso, a primeira recomendação é que a pessoa estude bem o lugar. É importante conseguir o máximo possível de informações sobre como é a vegetação, o clima, quais animais habitam o lugar e como é a trilha de acesso. Assim é possível decidir quais itens são essenciais para sua estadia.

Você viu?

Acampamento ao ar livre
Pexels

Acampamento ao ar livre


Cuidado!

Um dos cuidados que muitos guias e mochileiros experientes ressaltam é o de evitar montar acampamento em leitos de rio seco ou em cachoeiras que aparentemente estão com fluxo reduzido. Isso porque o viajante pode ser surpreendido por uma tromba d’água, que é quando chove muito na nascente do rio e o fluxo demora para atingir a parte que está aparentemente seca. Quando a água chega é tudo muito rápido e o acamper corre sérios riscos de morte.

“Muitas vezes o acampamento selvagem acontece de um jeito desordenado, em locais que não são adequados, como reservas ambientais, gerando diversas infrações (fogueiras em local inadequado, resíduos de alimentos e lixos, pesca indevida, entre outros)”, aponta Adriana Gradim Perdiza, presidente do Sindicato Estadual dos Guias de Turismo de São Paulo (SINDEGTUR SP).

Ela ressalta que existe um trabalho conjunto dos guias de turismo com a polícia ambiental, pois como o acampamento selvagem cresceu bastante e as áreas escolhidas geralmente são grandes, é difícil cobrir tudo. “Um dos nossos objetivos é ajudar na preservação, seja urbana ou ambiental. Nós ajudamos na fiscalização denunciando casos de acampamento selvagens e/ou irregularidades”, conclui.

A fogueira de acampamentos ilegais podem causar incêndios em áreas protegidas
Pexels

A fogueira de acampamentos ilegais podem causar incêndios em áreas protegidas
Fonte: IG Turismo

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana