TECNOLOGIA

Quer entrar no Clubhouse? Convites podem expor contatos; entenda como

Publicados

em


source

Olhar Digital

Clubhouse, rede social apenas de áudio, vem fazendo sucesso em todo o mundo
Unsplash/William Krause

Clubhouse, rede social apenas de áudio, vem fazendo sucesso em todo o mundo

Você viu?

Até então, só é possível enviar convites do Clubhouse para amigos caso seja feito o upload da lista de contatos no app. Mas, segundo o jornalista Will Oremus do OneZero , site independente hospedado no Medium, isso pode ser mais invasivo do que parece.

De acordo com a experiência do próprio Oremus, o app vai além da lista de contatos dos usuários. O objetivo dele, como quase todas as redes sociais , é usar a lista para enviar convites para mais usuários participarem da rede, mas também para mostrar quem da agenda já está com perfil ativo. Se fosse só até aí, tudo bem. O problema é que o Clubhouse também mostra os “amigos dos amigos”.

“Eu entrei em uma sala de boas-vindas de uma pessoa com quem eu não falava há anos, meio que sem querer, e mesmo que ela não estivesse [na sala], eu acabei conhecendo, virtualmente, alguns dos seus amigos aleatórios”, disse Oremus. “Isso pode até ser legal, mas você também pode imaginar cenários onde ser jogado em uma sala privativa com pessoas que você não conhece pode ser menos do que ‘prazeroso'”.

Esse é um formato no qual o Clubhouse lista amigos em potencial para cada usuário. O outro se revela quando você clica em “Convidar”. O app cria uma lista do que parecem ser todos os contatos da agenda do usuário que não estejam atrelados a um perfil ativo na rede. Mas essa mesma lista mostra quantos amigos dessas pessoas ausentes já aceitaram convites e estão dentro do Clubhouse, e ainda cria um ranking de níveis de conexão deles com você, do mais próximo ao mais distante.

A grosso modo, pense no seguinte: “João” fez o upload da agenda no app e lá apareceu o nome de “José”, que não está no app. Só que “José” conhece “Pedro”, que está no app. Se por um acaso “Pedro” também fizer o upload de sua agenda e lá constar o mesmo “José”, então o Clubhouse já sabe que “Pedro” é conectado a “José” e, indiretamente, a “João”, mesmo que “Pedro” apenas tenha a conta e nunca tenha usado o app.

Lista visível “para todos”

Relatos coletados por Oremus de usuários do Clubhouse no Twitter mostram que alguns dos números puxados pela rede social não são necessariamente só de pessoas físicas, mas de serviços como de entregas de comida, médicos ou fornecedores de maconha, em países onde isso é legalizado, por exemplo.

“Quando você se junta ao Clubhouse, ele te diz quantas pessoas dentro do app conhece, então agora eu sei quantas pessoas neste app têm o mesmo traficante, terapeuta, advogado e empregada doméstica que eu”, disse um internauta. 

“Estou tentando entender como faço para convidar pessoas ao Clubhouse e ele está me mostrando minha agenda, me contando quantos amigos aquela pessoa tem dentro do app e, aparentemente, tem um serviço de entrega de maconha com 141 amigos aqui”, escreveu outro.

“Dois dos nomes no topo da minha de convidados não eram pessoas, mas restaurantes – um par de lanchonetes do sul do Harlem [Nova York], uma que, inclusive, já fechou há dois anos”, disse Oremus em seu texto. “O Clubhouse também pensou que eu gostaria de convidar o meu psiquiatra que me receitou minha medicação contra TDAH [transtorno do déficit de atenção com hiperatividade], o qual, agora eu sei, tem 62 amigos no app. Felizmente, ele não me mostra quem são essas 62 pessoas – mas o Clubhouse deve saber e ter esse informação em algum lugar de sua base de dados”.

Oremus procurou o Clubhouse para comentar o caso, mas não recebeu resposta. E, considerando a falta de conhecimento público em relação às políticas de uso do app – já que ele ainda é secretivo a ponto de exigir um convite para que você ingresse à sua rede -, cenários perigosos podem ser especulados com essa prática.

A percepção que fica é a de que o Clubhouse , embora utilize uma prática adotada por outras redes sociais para encontrar amigos, deixa os contatos – além dos contatos dos contatos – mais visíveis do que a maioria. E algumas pessoas podem não apreciar isso.

Comentários Facebook
Propaganda

TECNOLOGIA

Troca de dados entre WhatsApp e Facebook é ilegal, determina Alemanha

Publicados

em


source
WhatsApp troca dados dos usuários com o Facebook
Unsplash/Allie

WhatsApp troca dados dos usuários com o Facebook



Nesta terça-feira (13), um dos principais órgãos reguladores da Alemanha entrou com uma ação contra o Facebook . O motivo seria que a empresa de Mark Zuckerberg estaria trocando dados de usuários entre a rede social e o aplicativo de mensagens WhatsApp de forma ilegal.

Segundo o comissário Johannes Caspar, oficial de proteção de dados de Hamburgo e quem iniciou a ação, a recente atualização dos termos de uso e política de privacidade do serviço, que engloba esse compartilhamento, fere o Regulamento Geral de Proteção de Dados ( GDPR ) da União Europeia.

Caspar justificou a iniciativa afirmando que o Facebook precisaria da autorização expressa dos usuários para o compartilhamento – algo que não teria ocorrido. Além disso, ele lembrou que, quando o WhatsApp foi adquirido pelo Facebook há alguns anos, uma das premissas é que não ocorreria a troca de informações entre os serviços.

Você viu?

“Temos motivos para acreditar que a política de compartilhamento de dados entre WhatsApp e Facebook está sendo inadmissivelmente aplicada devido à falta de consentimento expresso e voluntário”, disse o especialista. Algo que, segundo ele, não aconteceu.

Novos termos de uso

Em agosto, o Facebook alterou a política de uso do WhatsApp . Caspar classifica essa alteração do serviço como “uma troca ilegal de dados em massa”, motivo pelo qual ele estaria entrando com o procedimento, e argumenta que a ação visa proteger os dados dos cerca de 35 milhões de usuários do WhatsApp na Alemanha.

A ação regulatória prevê o bloqueio do compartilhamento dos dados por três meses, com possibilidade de a decisão ser ampliada, se autorizada pelo comitê regulatório para proteção de dados.

Além disso, a ação pede ao Facebook que dados sejam apagados, bem como sugere uma multa para o caso de não cumprimento da decisão. Em contrapartida, um porta-voz do WhatsApp afirmou que a empresa não estaria agindo contra as leis locais.

Segundo o porta-voz, “ao aceitar os termos de serviço atualizados do WhatsApp , os usuários não concordam com qualquer expansão em nossa capacidade de compartilhar dados com o Facebook, e a atualização não afeta a privacidade de suas mensagens com amigos ou familiares”, disse, em nota, à Reuters . O Facebook alega que sua atuação está em conformidade com a lei e que vai recorrer da decisão.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana