BRASIL E MUNDO

‘Quem morreu, é porque tinha que morrer’, diz vereador de GO sobre Covid-19

Publicados

em


source
Delcimar Fortunato, vereador de Anápolis (GO)
Reprodução

Delcimar Fortunato, vereador de Anápolis (GO)

O vereador Delcimar Fortunato (Avante), de Anápolis (GO), disse nesta terça-feira durante sessão ordinária na Câmara de Vereadores do município que “quem morreu [de covid-19], é porque tinha que morrer”.

“No momento do colapso [da pandemia], nós não deixamos a desejar. Conseguimos atender a demanda. Quem morreu, é porque tinha que morrer. Não foi por falta de leitos, não foi por falta de profissional. Então, assim, eu quero parabenizar o prefeito Roberto por fazer um trabalho de excelência”, disse Fortunato .

Após repercussão negativa nas redes sociais, o parlamentar se desculpou, afirmando que sua fala foi “equivocada”. 

Durante a sessão, o parlamentar de Anápolis comparou fez elogios à gestão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), dizendo que este faz um trabalho “diferenciado” e comparando sua gestão às gestões do PT. 

“Ainda tem pessoas que falam que o Bolsonaro não está trabalhando. O reflexo disso é o que eu disse aqui. É a saúde da nossa cidade. É por isso que o prefeito [de Anapólis] tem conseguido fazer uma administração exitosa porque tem um presidente que tem dado esse apoio. Tem dado condições para os prefeitos, governadores investirem na saúde e o prefeito Roberto fez isso. Fala do presidente Bolsonaro, mas ele está investindo um dinheiro bem investido na saúde, principalmente. É um presidente que fez a diferença. Não tem corrupção. Não tem rolo.”

Pedido de desculpas

O deputado divulgou uma nota de esclarecimento nas redes sociais. Ele afirma que sua fala foi “equivocada” e publicou um vídeo explicando a declaração. Veja abaixo.

“Quando eu falei que as pessoas morreram em função da covid, eu quis dizer que não foi por falta de investimento da saúde. Até porque foi uma fatalidade”, disse o parlamentar.

Comentários Facebook
Propaganda

BRASIL E MUNDO

Bolsonaro ataca imprensa e diz estar à disposição para reunião entre poderes

Publicados

em


source
Presidente Jair Bolsonaro repete falas contra oposição, ministros do STF e urnas eletrônicas
O Antagonista

Presidente Jair Bolsonaro repete falas contra oposição, ministros do STF e urnas eletrônicas



O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) usou sua live, nesta quinta-feira (05), para atacar, mais uma vez, veículos de comunicação. Segundo Bolsonaro, muitos jornais brasileiros só disseminam “fake news”.

Ao falar contra a imprensa, o presidente quis, entre outras coisas, argumentar que nunca atacou o Supremo Tribunal Federal (STF), rebatendo uma declaração do presidente do STF, Luiz Fux.

Você viu?

Nesta tarde, Fux cancelou um encontro entre os chefes de poderes , pois, segundo ele, Bolsonaro insiste em ataques contra o STF, principalmente, em relação aos ministros Alexandre de Moraes e Luís Barroso . “Quando se ataca um integrante desta Corte, se ataca a todos”, disse o presidente do STF.

“Lamento que não tenha ninguém para informá-lo sobre o que eu falo. Não tem um ataque contra o STF. Zero. Se o senhor se baseia pela imprensa brasileira, está desinformado. Boa parte dos jornais só servem para envenenar o povo brasileiro”, afirmou Bolsonaro, ao se dirigir a Fux, durante a sua live.

O presidente da República também falou que, mesmo com o cancelamento, está disposição para se reunir com Fux, bem como com Arthur Lira (PP -AL) e Rodrigo Pacheco (DEM – MG), presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado, respectivamente. “Só não pode sair da reunião e tagarelar com jornalistas”, disse Bolsonaro.

Apesar dos ataques à imprensa, Bolsonaro, no início da live, chegou a dizer que “nenhum outro presidente falou tanto com os jornalistas como ele”. Em outros momentos,  ele repetiu o discurso de que as urnas eletrônicas podem, sim, ser violadas – defendendo a volta do voto impresso. Além disso, voltou a criticar Moraes e Barroso, dizendo que o presidente do TSE é de “esquerda”.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana