BRASIL E MUNDO

Putin sofreu ataque frustrado há 2 meses, diz inteligência da Ucrânia

Publicados

em

source
Vladimir Putin, presidente da Rússia
Reprodução: commons

Vladimir Putin, presidente da Rússia

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, teria escapado de um ataque frustrado há dois meses, após o início da guerra em 24 de fevereiro, informou o chefe de inteligência do Ministério da Defesa da Ucrânia, Kyrylo Budanov.

A ação teria ocorrido na região do Cáucaso, que inclui territórios de Armênia, Azerbaijão, Geórgia e partes do sul da Rússia. Até agora, Moscou não comentou as informações.

“Houve uma tentativa não muito tempo atrás. Esta é uma informação não pública e uma tentativa absolutamente fracassada.

Mas realmente aconteceu há cerca de 2 meses”, disse Budanov em entrevista ao portal Ukrainska Pravda.

“Repito, esta tentativa foi mal sucedida e não houve publicidade sobre este evento, mas aconteceu”, acrescentou o ucraniano, explicando que a tentativa de assassinato foi feita após o início da invasão, em 24 de fevereiro, quando o presidente russo estava em viagem.

Recentemente, Budanov informou que “Putin está gravemente doente” em decorrência de um câncer e que um golpe já está em andamento na Rússia para removê-lo do poder. O Kremlin, no entanto, negou os rumores sobre a suposta doença.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

Comentários Facebook
Propaganda

BRASIL E MUNDO

Habeas Corpus para cônsul alemão é negado

Publicados

em

Cônsul Alemão, viúvo de belga
Divulgação

Cônsul Alemão, viúvo de belga

O Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) negou, neste domingo (7), o pedido de Habeas Corpus solicitado pela defesa do diplomata alemão Uwe Herbert Hahn. O cônsul foi preso em flagrante neste sábado , suspeito de matar o marido, o belga Walter Henri Maxilien Biot, de 52 anos, em um apartamento em Ipanema, na Zona Sul do Rio.

Segundo a defesa do cônsul, a prisão teria sido ilegal, pela ausência de flagrante para a sua custódia, bem como considerando a imunidade diplomática.

A juíza Maria Izabel Pena Pieranti, do plantão judiciário do Tribunal de Justiça, se manifestou pela manutenção da prisão preventiva por entender que não caberia ao plantão judicial decidir sobre a soltura do investigado e que isso deveria ser feito em audiência de custódia.

“O Plantão não é um prolongamento do expediente forense, funcionando com normas próprias, específicas e cogentes. E, por óbvio, não pode o Juiz do Plantão desviar-se dos estritos termos das referidas normas. Não olvidemos que este Órgão Jurisdicional não tem o desiderato de atender a toda e qualquer demanda. Como tal, para atender as medidas que se enquadrem às finalidades textuais, há de pautar-se excepcional e parcimoniosamente”, completou.

O cônsul alemão teria afirmando, durante seu depoimento realizado na 14ªDP (Leblon), ao qual O DIA teve acesso, de que ele teria enviado uma foto do seu marido caído no chão do seu apartamento a um amigo residente em Nova Iorque, nos Estados Unidos. Enquanto estava caída, a vítima emitia gemidos de dor, mas Hahnn disse achar que se tratava de embriaguez, o que seria de costume.

Imunidade

Segundo Caio Padilha, advogado criminalista, a imunidade diplomática não se aplica no caso.”O Supremo tribunal federal (STF), ao analisar casos com esse tema, aponta que o artigo 41 da Convenção de Viena só se aplica se o crime tiver relação com o exercício da função. Então, não há óbice que impeça a prisão preventiva ou em flagrante de um cônsul, principalmente em crimes graves”, disse.

A prisão do cônsul realizada pela Polícia Civil foi em flagrante. A reportagem não encontrou sua defesa; o consulado alemão ainda não se manifestou.

Noite do crime

A polícia foi acionada na noite de sexta-feira, dia 5, para o apartamento do cônsul, uma cobertura em Ipanema, Zona Sul do Rio. O médico do Samu, identificado como Pedro Henrique, foi acionado por volta das 20h e se recusou a atestar o óbito por mal súbito. A polícia acredita que o cônsul tenha demorado a chamar o socorro e confessou que pediu para que uma limpeza fosse feita no apartamento, o que dificultou a perícia. No entanto, luminol foi usado no imóvel e marcas de sangue foram encontradas em móveis.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Nacional

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

TECNOLOGIA

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana