POLÍTICA NACIONAL

PT cobra regulamentação do Telegram pelo TSE

Publicados

em

source
 Gleisi Hoffman, presidente do PT defende a regularização do Telegram
Reprodução/Flickr

Gleisi Hoffman, presidente do PT defende a regularização do Telegram

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, cobrou nesta segunda-feira que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) regule o Telegram para evitar a propagação de fake news durante as eleições deste  ano. A coordenadora da pré-campanha do  ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ainda afirmou que discutiu com outros partidos a realização de uma audiência sobre o aplicativo de troca de mensagens.

“Espero que as instituições, principalmente o TSE, tomem medidas firmes em relação às fake news e à propagação de fake news. Nós queremos conversar com o TSE sobre Telegram”.

Gleisi ainda disse que o Telegram “nos preocupa muito”. Para a presidente do PT, é importante ficar claro quem são os representantes da empresa no Brasil. Adversário de Lula, o presidente Jair Bolsonaro (PL) tem mais interações e grupos mais populosos de mensagens no Telegram.

“Vai ter regras, tal qual o WhtasApp, ou vai ser terra ninguém? Ou vai poder falar o que quiser, do jeito que quiser e todo mundo vira vítima? Porque tem um momento em que nós somos as vítimas, mas depois as vítimas também passam a ser as instituições, como estão sendo o TSE e o Supremo Tribunal Federal (STF). Acho que eles têm responsabilidade em relação a isso para fazer com que esse processo eleitoral seja o mais limpo possível”

A coordenação da pré-campanha revelou ter discutido a realização de uma audiência no TSE sobre o Telegram não só com os partidos que apoiam Lula, como também com outras legendas que são vítimas de ataques bolsonaristas:

“Não dá para deixar essas coisas sem regulação.”

As declarações ocorreram durante uma entrevista com representantes dos outros seis partidos (PCdoB, PV, PSB, Rede, PSOL e Solidariedade) que apoiam a pré-candidatura de Lula.

Reunião do Conselho Político

O encontro foi o primeiro para a implantação de um conselho político da pré-candidatura. Pela manhã, Lula e o ex-governador Geraldo Alckmin, indicado vice da chapa, participaram da reunião. À tarde, houve discussões sobre a composição da coordenação executiva, que cuidará do dia a dia da campanha.

Gleisi disse que as lideranças presentes concordaram com a  necessidade de ampliar a aliança em torno de Lula e Alckmin:

“O que for não possível ampliar no campo nacional, ampliar no âmbito dos estados. Todo mundo está convencido de que precisamos ampliar esse movimento”.

A presidente do PT, porém, não quis comentar a saída de João Doria (PSDB) da disputa presidencial . Disse ainda que um eventual contato com o tucano não  foi discutida:

“Não somos contra conversar com ninguém que se coloca nesse campo democrático, mas isso (como fazer pontes com Doria) não foi discutido”.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Comentários Facebook
Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

Márcio França se encontra com Lula mas mantém candidatura a governador

Publicados

em

source
Ex-governador de São Paulo, Márcio França (PSB)
reprodução: commons – 13/06/2022

Ex-governador de São Paulo, Márcio França (PSB)

O ex-governador  Márcio França (PSB) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se reuniram nesta sexta-feira para tratar da eleição em São Paulo. Aliados acreditam que França aceitará desistir da sua pré-candidatura a governador nos próximos dias, mas o presidente do PSB, Carlos Siqueira, disse que o ex-governador reafirmou ao líder petista a sua intenção de se manter na disputa.

Lula tem se empenhado para reproduzir em São Paulo a aliança firmada com o PSB no plano nacional e que levou Geraldo Alckmin(PSB) a ser indicado para ser o seu vice.

O pré-candidato do PT a governador é o ex-prefeito Fernando Haddad. A saída de França facilitaria o caminho para Lula e Alckmin percorrerem juntos o interior de São Paulo.

“O Márcio me contou que teve uma boa conversa com o Lula, mas disse que mantém a sua candidatura ao governo paulista”, afirmou Siqueira.


A ideia de Lula é que França concorra ao Senado na chapa de Haddad. O GLOBO mostrou nesta sexta-feira que o PSB quer reduzir o número de candidatos a governador do partido para que sobre mais dinheiro para as campanhas de deputados.

Integrantes da direção da legenda acreditam que ter cinco postulantes a executivos estaduais seria o ideal. França não entra nessa conta. O pré-candidato do PSB também não conseguiu até agora partidos aliados, o que dificulta as suas pretensões de concorrer a governador.

Um dos trunfos de França propagados para a eleição de São Paulo é contar com Alckmin como seu cabo eleitoral exclusivo. Mas nesta sexta-feira, o pré-candidato a vice-presidente esteve com Haddad na inauguração de um laticínio do MST, na cidade de Andradina, no interior do estado.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana