AGRO & NEGÓCIO

Projeto SULCO faz live para apresentar resultados da safra da soja 20/21

Publicados

em


Os resultados apresentados pela tecnologia do uso do sulco-camalhão para a cultura de grãos em terras baixas serão mostrados na live agendada pelo Projeto SULCO – trabalho de pesquisa da Embrapa e empresas no RS – que acontece no próximo dia 16 de junho, às 19h, no canal da Embrapa no Youtube. A temática do encontro será  “Soja e milho irrigados em terras baixas” e o evento virtual apresentará os números da safra 20/21, com a participação de produtores rurais, técnicos e pesquisadores envolvidos no Projeto e a interação do público participante na plataforma online.

Esta segunda live trará depoimentos das experiências de produtores rurais das tecnologias aplicadas pelo Projeto em cinco propriedades. O produtor rural Geovani Weber, da Granja do Sossego, de Formigueiro, contará como ele atingiu mais de 100 sc/ha de soja e Paulo Nolasco da Fazenda São Francisco, do Grupo Quero-Quero, de Jaguarão, falará como é possível viabilizar  outras culturas com irrigação em áreas de várzea.

Na sequência serão relatadas as experiências de Álvaro Ribeiro, da Fazenda Estrela, de Camaquã, Cyrano Busato, da RiceTec Sementes, de Capão do Leão, e Mário Assis Brasil, da Granja Mangueira, de Santa Vitória do Palmar.

Conforme o coordenador do Projeto pela Embrapa, pesquisador José Maria Barbat Parfitt, esse é um estudo de viabilidade técnica e econômica do uso do sistema sulco-camalhão, que visa contribuir para a adaptação de culturas de terras altas às terras baixas gaúchas para aplicação em áreas demonstrativas – lavouras de produtores parceiros – capaz de comprovar o aumento da produtividade de grãos como soja e milho.
Ao acompanhar a live dos resultados do Projeto SULCO o participante irá conhecer os resultados obtidos na safra atual. “A primeira safra do Projeto (2019/2020), por exemplo, foi extremamente seca, com perdas de produtividade nas lavouras do Estado, mas as áreas piloto irrigadas produziram, em média, 20 sc/ha a mais do que as áreas não irrigadas na mesma propriedade, obtendo uma produtividade média de 66,3 sc/ha. Esta produtividade corresponde ao peso da produção total obtida na colheita, ajustada para a umidade de 13% e descontadas as impurezas”, revelou Parfitt.

O participante que quiser assistir a live deve se inscrever para o evento antecipadamente, através deste endereço aqui. 

O Projeto SULCO é uma cooperação técnica e financeira entre a Embrapa, através da unidade de pesquisas em Pelotas/RS, a Embrapa Clima Temperado, a AGCO do Brasil Soluções Agrícolas Ltda/Massey Ferguson, a Trimble Brasil, a PipeBR, a KLR Implementos e a Centeno Agro Inteligência.  

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Propaganda

AGRO & NEGÓCIO

Embrapa Amapá atualiza técnicos do Ideflor sobre produção de mudas de castanheira

Publicados

em


Técnicos de vários municípios da região oeste do Pará participaram, na última quinta-feira, 17/6, da reunião técnica on line de atualização das inovações tecnológicas para produção e mudas de castanheira (Bertholletia excelsa), promovida pela Embrapa Amapá em parceria com a gerência regional do Baixo Amazonas do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-Bio).

Árvore símbolo da floresta amazônica, a castanheira é uma das principais espécies do extrativismo da região, e representa uma importante fonte de renda para milhares de famílias agroextrativistas. Possui valor econômico no mercado nacional e internacional e também tem importância na composição de sistemas agroflorestais. A espécie é uma das mais altas da Amazônia, podendo chegar até a 50 metros. “O objetivo principal desta articulação e a realização deste nivelamento é promover a troca de informações entre profissionais das áreas técnicas de produção de mudas de castanheiras de diferentes municípios do Pará e Amapá”, destacou o analista de transferência de tecnologias da Embrapa Amapá, Walter Paixão.  

De acordo com o gerente do Escritório Regional Baixo Amazonas II, do Ideflor-Bio, Jorge Braga, esta reunião de nivelamento deu continuidade a uma programação de transferência de tecnologias, que incluiu anteriormente conhecimentos sobre análises de solos e a cadeia produtiva do açaí. “Este é o terceiro evento técnico que realizamos em parceria com a Embrapa, e envolvemos a participação direta dos nossos técnicos de vários municípios de atuação do Ideflor, como Almeirim, Porto de Moz, Prainha, Monte Alegre, Alenquer, Óbidos, Oriximiná e Santarém, que são de abrangência da região da Calha Norte”.    

O pesquisador engenheiro florestal Marcelino Guedes, da Embrapa Amapá, conduziu a reunião a partir da programação focada no resumo das pesquisas com castanheiras, seleção de matrizes e coleta de material reprodutivo, clonagem e sementes, etapas fundamentais para a produção de mudas, escarificação para facilitar o descascamento e desinfecção, produção de mudas a partir do armazenamento de sementes no ouriço, produção em mini-estufas, cuidados na condução das mudas e plantio em campo, e manejo da regeneração natural por meio da tecnologia Castanha na Roça.

O chefe de Transferência de Tecnologias da Embrapa Amapá, Jô de Farias Lima, fez a abertura do evento ressaltando a importância da articulação para o desenvolvimento do extrativismo da castanha nos Estados da Amazônia Legal. A reunião foi apresentada pela analista de comunicação da Embrapa Amapá, Aline Furtado.    

O Ideflor-Bio é um órgão do Governo do Pará que faz a gestão das florestas públicas visando a produção sustentável e a preservação da biodiversidade, incluindo entre suas funções a gestão da política estadual para produção e desenvolvimento da cadeia florestal; e a execução das políticas de preservação, conservação e uso sustentável da biodiversidade, da fauna e da flora terrestres e aquáticas no Estado.

Saiba mais:

Link da gravação da reunião: https://youtu.be/nD4oYf-b694

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana