campo verde

Projeto Muxirum da Alfabetização, da Seduc chega ao município

O desafio é tornar o município o primeiro do Centro-Oeste livre de Analfabetismo. Meta é alfabetizar 400 pessoas e, com isso, reduzir para 3% o número de iletrados

Publicados

em


 

Junior Silgueiro

Muxirum da Alfabetização chega em Campo Verde

Muxirum da Alfabetização chega em Campo Verde

O Projeto Muxirum da Alfabetização, da Secretaria de Estado de Educação, Esportes e Lazer (Seduc), chega nesta sexta-feira (16) à cidade de Campo Verde (a 131 quilômetros ao sul da Capital) com o desafio de alfabetizar 400 pessoas – entre jovens e adultos. A meta é obter a taxa de 3% de pessoas sem saber ler e escrever, índice que a Organização das Nações Unidas (ONU) considera que o município está livre de analfabetos. 

 

Campo Verde conta com uma população de 1.204 pessoas iletrados num total de 25.625 moradores, com 15 anos ou mais, representando um índice de 4,7%.

 

A Confederação Nacional dos Municípios (CMN) divulgou nesta quarta-feira (14) que apenas 64 municípios brasileiros receberam o selo de Município Livre de Analfabetismo conferido pelo MEC, sendo que Campo Verde pode ser o primeiro do Centro-Oeste a configurar nesta lista.

 

Segundo o líder do projeto, Abílio Camilo, o Muxirum da Alfabetização conta no município conta com uma equipe de 30 alfabetizadores – que serão responsáveis por 34 turmas. “Nesta fase, a equipe está em busca de 400 pessoas. Esse é o número mínimo”, destaca.

 

Para obter a meta, além da parceria com a Secretaria Municipal de Educação de Campo Verde, projeto deverá receber o reforço de entidades religiosas, clubes de serviços – como Lions e Rotary e sindicatos rurais.

 

“Em face dos bons resultados do ano passado, vamos contar com novas parcerias e, com isso, chegar a meta de 3% de analfabetos que será uma vitória de todos”, comemora.

 

Metas

 

Em 2017, o projeto conseguiu alfabetizar 156 pessoas em todo o município. Neste ano, o desafio é conseguir três vezes mais alunos para chegar ao objetivo final.

 

“Para que tudo dê certo, é preciso unir forças; por isso, buscamos parcerias com os órgãos oficiais, organizações da sociedade civil, empresas públicas, e quem mais se dispor a colaborar”, ressalta o secretário adjunto de Política Educacional da Seduc, Edinaldo Gomes de Souza.

 

Neste ano, a meta da Seduc é atender mais de nove mil pessoas analfabetas em Mato Grosso, por meio do Muxirum da Alfabetização.

 

Somente no último ano, o projeto alfabetizou 4.679 jovens e adultos, em 20 municípios mato-grossenses. A iniciativa atendeu 486 turmas, em sua maioria pessoas na faixa etária acima de 50 anos, principalmente em áreas rurais.

 

A palavra “muxirum”, muito comum no linguajar cuiabano, é de origem tupi e significa “mutirão”, “fazer juntos”.

 

Comentários Facebook
Propaganda

campo verde

Comunidade rurais próximas a Campo Verde estão isoladas e pedem socorro

Publicados

em

A reunião aconteceu em frente à Escola Agrícola, prefeito de Campo Verde e o deputado Allan Kardec, participaram

Pelo menos 8 comunidades da região da Serra de São Vicente (90 km da capital), fizeram uma manifestação ontem (22.06) para pedir socorro. Segundo as lideranças comunitárias, eles estão isolados, sem assistência e sem apoio técnico para desenvolverem suas atividades.

O problema, de acordo com o presidente da Associação Córrego do Ouro, Nadir Moreira, é a situação geográfica dos assentamentos, onde moram 2 mil famílias, nunca foi esclarecida. “Ninguém aqui sabe a qual município nós, de fato pertencemos”.

Moreira diz que o problema vem se arrastando há 3 décadas e chegou agora a um estado insustentável, pois essa indefinição não permite a regularização das terras e por consequência trava o sistema de crédito e dificulta o processo de produção, colocando todas as famílias em dificuldades. eles reivindicam que a região seja anexada ao município de Campo Verde.

“Além de estar mais próximo da gente Campo Verde é quem nos atende com assistência à saúde e na manutenção das estradas, além disso, Campo Verde é um município produtor agrícola e possui políticas de apoio ao setor rural”. O representante dos assentados disse que as comunidades estão reivindicando que a Assembleia Legislativa interfira e vote um projeto lei que permita que o território dos assentamentos rurais seja anexado ao município.

O prefeito de Campo Verde, Alexandre Lopes, que participou da manifestação, se mostrou solidário à anexação da região. “São comunidades que têm uma ligação muito forte com a gente e esse remanejamento já tem projetos em andamento junto ao estado, que contempla a região dos assentamentos”, informou.

ENTENDA O CASO

O Assentamento Mata Mata que compõe o grupo dos oito, já foi considerado a “menina dos olhos” do Governo durante a gestão Dante de Oliveira (1987/1990). Naquele período o Governo levou a energia e água tratada, construiu pontes de concreto e forneceu sistema de irrigação. Como resultado desses investimentos só o Mata Mata foi responsável por 15% dos produtos de hortigranjeiros que abasteciam Cuiabá e Várzea Grande.

De lá para cá a região foi perdendo essa assistência por parte da Capital e para complicar ainda mais, a Lei Federal 10.500/2017 definiu um novo reordenamento territorial para os municípios brasileiros e determinou que os assentamentos Mata Mata, Santo Antônio da Fartura, Bigorna, Córrego do Ouro, Serrana, Bom Jardim e São Vicente, alguns deles pertencentes a Santo Antônio de Leverger e Chapada dos Guimarães, fossem todos anexados ao território do município de Campo Verde.

Ocorre que, apesar da Lei ter definido o novo layout a Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (SEPLAG) antiga SEPLAN, em seus registros considera aquele território como sendo uma área branca isolada pertencente a Cuiabá. Santo Antônio e Chapada alegando prejuízo iniciaram uma serie de interpelação jurídicas, fato que, por força de uma decisão liminar Campo Verde está hoje impedido de assumir de vez e realizar qualquer tipo de investimento na área dos assentamentos.

 

 

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana