BRASIL E MUNDO

Presidentes do STF e TSE manifestam pesar pelas mortes de Bruno e Dom

Publicados

em

source
Bruno Pereira ajudou Justiça Eleitoral a instalar nova seção eleitoral na aldeia Maronal, comunidade no Vale do Javari
TSE/Divulgacao

Bruno Pereira ajudou Justiça Eleitoral a instalar nova seção eleitoral na aldeia Maronal, comunidade no Vale do Javari

Os presidentes do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Edson Fachin, lamentaram nesta quinta-feira as mortes do indigenista Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips, ambos assassinados na Amazônia. Ambos estavam desaparecidos na região do Vale do Javari desde o domingo.

Em nota divulgada através do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), do qual também é presidente, Fux manifestou “extrema tristeza pelos acontecimentos e afirma às famílias e aos amigos que a luta do indigenista e do jornalista para garantia dos direitos humanos e da preservação da Amazônia jamais será esquecida”.

Ainda segundo a manifestação, o Grupo de Trabalho criado no âmbito do CNJ vai acompanhar os desdobramentos e a efetiva punição dos eventuais culpados, para garantia da célere prestação da justiça. Este acompanhamento será feito pelos representares da sociedade civil que compõem os Observatórios.

Na nota emitida pelo TSE, Fachin se solidarizou com os familiares de Bruno e Dom e reforçou que é “imperativo constitucional que a sociedade e o Estado respeitem os povos tradicionais”.

A Corte eleitoral também disse que o indigenista foi um “importante parceiro” da Justiça Eleitoral e lembrou que nas eleições de 2014, ele ajudou na instalação de cinco seções eleitorais no Vale do Javari, quando houve pela primeira vez, eleições na Terra Indígena, que fica localizada no extremo oeste do estado do Amazonas, na fronteira com o Peru.

“Esse auxílio foi fundamental para que indígenas da região pudessem exercer a cidadania por completo ao eleger seus representantes. Na época, viviam cerca de 5,5 mil indígenas das etnias Marubo, Matís, Mayuruna, Kanamary e Kulina”, lembrou o TSE.

Ainda segundo o presidente do TSE, entre os dias 21 e 23 de setembro de 2021, a Justiça Eleitoral instalou uma nova seção eleitoral na aldeia Maronal, comunidade no Vale do Javari. “A luta pelo direito ao voto era uma reivindicação antiga da aldeia de etnia Marubo”, diz o texto.

Fachin também lembrou a trajetória do jornalista britânico e destacou que uma “imprensa livre, segura e plural é condição essencial para uma sociedade democrática”.

“Com a morte trágica de Bruno e Dom, perdem os familiares e também perde a democracia, a imprensa, perdem todos. Um país só se faz dignamente com respeito, paz e justiça”, conclui o texto.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Comentários Facebook
Propaganda

BRASIL E MUNDO

Agente de Salman Rushdie afirma que o escritor apresenta melhoras

Publicados

em

Salman Rushdie, autor do livro
Reprodução: Flickr

Salman Rushdie, autor do livro “Os Versos Satânicos”

Salman Rushdie  foi extubado neste sábado (13), como informa Andrew Wylie, agente do escritor. De acordo com o representante do autor, esfaqueado na última sexta-feira (12), ele apresenta melhora significativa e deve restabelecer o movimento da mão, apesar de os nervos do braço terem sido afetados pelo ataque. Rushdie pode perder um olho, e teve o fígado atingido.

O escritor anglo-indiano de 75 anos deixou de respirar por meio de ventilação mecânica após receber múltiplas facadas enquanto falava em uma conferência em Nova York . Ele passou por uma cirurgia e segundo seu agente nos Estados Unidos, Andrew Wylie, ainda não consegue falar.

Versos satânicos A obra de Rushdie fez com que ele se tornasse alvo de ameaças de morte no Irã desde a década de 1980. O livro “Os Versos Satânicos” de Rushdie é proibido no país desde 1988. Muitos muçulmanos consideram a história uma blasfêmia.

Um ano depois, o falecido líder do Irã, o aiatolá Ruhollah Khomeini, emitiu um edito, pedindo a morte de Rushdie. Uma recompensa de mais de US$ 3 milhões também foi oferecida para quem tirasse a vida dele. O escritor passou cerca de dez anos sob proteção policial e vivendo na clandestinidade. Ele mora nos EUA desde 2000.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

*Com informações de agências internacionais


Fonte: IG Mundo

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

TECNOLOGIA

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana