CIDADES

Presidente da AMM lamenta a morte do ex-prefeito de Rondonópolis

Publicados

em


O presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios, Neurilan Fraga, lamenta com tristeza a morte do ex-prefeito de Rondonópolis, Fausto de Souza Faria. Ele estava internado em uma Unidade de Terapia Intensiva de um hospital em Porto Alegre-RS, mas acabou não resistindo e veio a óbito na noite desta quarta-feira, 5 de maio em decorrência da Covid-19.

Neurilan Fraga destaca a trajetória política de Fausto Faria em Rondonópolis, localizada a 212 quilômetros da Capital, onde ele se elegeu vice-prefeito em 1982, na chapa do então PMDB, encabeçada por Carlos Bezerra. Em 1986, Bezerra seguiu na disputa ao Governo e Fausto o substituiu, concluindo o mandato.

O ex-prefeito de Rondonópolis também foi presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios-AMM, na gestão de 1987 a 1989, período em que Fausto inaugurou a nova sede da instituição.  

Posteriormente ele foi também secretário de Fazenda no governo de Rogério Salles. Ele também foi secretário de Educação e de Administração no Governo de Dante de Oliveira, que administrou o Estado por dois mandatos.

Fausto Faria era formado em Medicina, com especialidade em gastroenterologista. Ao deixar o cargo público, atuou por muito tempo como cirurgião na clínica Modelo em Rondonópolis. Atualmente ele morava em Porto Alegre, onde se aposentou como médico perito do INSS.

Fausto estava internado desde o dia 20 de abril no Hospital de Porto Alegre.  Ele deixa a esposa, Ingrid Nancy Sturm e dois filhos. O sepultamento será em Porto Alegre.

Fonte: AMM

Comentários Facebook
Propaganda

CIDADES

Presidente da AMM participou da audiência da Comissão de Zoneamento Socioeconômico Ecológico da Assembleia Legislativa

Publicados

em


O presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios-AMM, Neurilan Fraga, participou da audiência da Comissão Especial de Zoneamento Socioeconômico Ecológico da Assembleia Legislativa, ocorrida na última quarta-feira. A comissão recebeu também o secretário-adjunto de Investimentos, Inovação e Sustentabilidade, Walter Valverde, e o superintendente de Agronegócios, Sérgio Leal, da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico-Sedec. 

Na ocasião, o presidente da AMM falou sobre a necessidade de um programa que priorize a produção local com sustentabilidade econômica e social. Fraga informou aos parlamentares que vem participando de diversas reuniões que discute o tema, considerado um dos mais importantes para Mato Grosso e para o Brasil.

Na sua avaliação, o Estado deve ter um projeto aprovado, para colocar o carimbo na produção local. “Temos que ter o zoneamento aprovado, garantindo ao nosso consumidor, o que produzimos com sustentabilidade econômica e social”, disse ele, ponderando que não adianta o Estado ser o grande produtor de grãos, se tem grande parte da população, vivendo com pouca renda, marginalizada pela ruqueza produzida no Estado.

Durante a audiência, Fraga disse ainda que na ouproposta do zoneamento, tem que ficar clara a preocupação com a questão econômica, com foco na sustentabilidade social. Ele lembrou que são movimentados mais de R$ 60 bilhões com as exportações do setor do agronegócio,   concentrado por apenas dez famílias, sendo que o  restante da população não participa deste processo. “Sabemos que é fruto do trabalho do agronegócio, mas a grande produção agrícola fica concentrada com uma minoria em Mato Grosso”, assinalou
Conforme o presidente da AMM, é preciso inverter a situação, quando se trata da inclusão social, ter um programa de desenvolvimento econômico que possa trabalhar as regiões empobrecidas. “Tem muitas regiões empobrecendo e outras ficando mais ricas. Estamos construindo ilhas de prosperidade e ilhas de bolsões de pobreza”, disse ele, questionando sobre o percentual da população que participou do crescimento desta riqueza em Mato Grosso. 

O governo estadual, segundo ele, deve ter o compromisso de descentralizar a produção de riqueza. É essencial que a Agricultura familiar tenha acesso a tecnologia e mais assistência técnica. “Necessitamos de um programa que apresente as ações socialmente sustentáveis. Que possamos produzir e gerar receita   no nosso estado, que as pessoas pobres possam ter mais oportunidades e melhor qualidade de vida”, alertou.

O presidente da comissão especial, deputado estadual Dr. Eugênio, pediu que a Sedec trabalhe para fazer mudanças na minuta de novo Zoneamento Socioeconômico Ecológico do estado que está sendo apresentada à população desde fevereiro. “Queremos receber para votação na Assembleia um projeto diferente, que não impeça o desenvolvimento do estado para evitarmos fazer um substitutivo que possa ser contestado na justiça”, disse o parlamentar.

A Casa vai ter a grande responsabilidade de votar esse novo zoneamento e é importante que o estado não seja impedido de ser um grande produtor de alimentos, defendeu.

A próxima reunião da Comissão Especial de Zoneamento Socioeconômico Ecológico está prevista para o próximo dia 29 e deve ser realizada com técnicos da Universidade Federal de Viçosa (UFV), em São Felix do Araguaia.

Fonte: AMM

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana