Rondonópolis

Prefeito confirma dois nomes para comandar Secretarias

Publicados

em


O prefeito de Rondonópolis, José Carlos do Pátio, confirmou durante entrevista na manhã desta terça-feira (23) dois novos ocupantes de cargos do primeiro escalão no Palácio da Cidadania. A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico vai ser liderada pelo economista Alexsandro Silva e a Secretaria Municipal de Transparência Pública e Controle Interno estará sob o comando de Késia Elaine Paula Costa de Almeida Marques, doutora na área da contabilidade.

A nomeação dos dois novos secretários deve ser publicada no Diário Oficial do município – Diorondon – ainda essa semana. Alexsandro Silva é economista, especializado em finanças e controladoria e tem experiência na elaboração de projetos de viabilidade e captação de recursos financeiros, além de empresário e consultor credenciado pelo Sebrae e Senai/MT.

 A pasta da Transparência Pública e Controle Interno terá no comando a servidora pública Késia Elaine Paula Costa de Almeida Marques, doutora em contabilidade e professora da Universidade Federal de Rondonópolis (UFR). Késia já atuou na Secretaria Municipal de Planejamento e atualmente faz parte do quadro de servidores da Transparência e Controle Interno. 

Antes de receber Alexsandro Silva, o Desenvolvimento Econômico era liderado interinamente por Hermes Moriggi, o Big. Também servidor da Prefeitura, José Fabrício Roberto deixou o cargo maior da Transparência Pública e Controle Interno e volta para o quadro da mesma Secretaria.

Comentários Facebook
Propaganda

Rondonópolis

Promoção e Assistência Social marca Dia Internacional da Mulher com debate em live sobre violência doméstica

Publicados

em


Berros, ironias, chantagens, manipulações, ameaças, xingamentos, entre outros desrespeitos são o prenúncio de ações que podem tomar forma concreta na violência física – que deixa marcas visíveis – contra a mulher. Porém, a agressão não é só um tapa. Ela pode começar de uma maneira invisível, sutil, sendo, inicialmente, uma violência psicológica. Para combatê-la, é importante conscientizar a população e nada melhor para isso do que um debate que leve à identificação na raiz para sua eliminação logo que se manifeste.

Por isso, a Secretaria Municipal de Promoção e Assistência Social realiza, na próxima segunda-feira (8), às 14 horas, uma live, por meio do link https://www.facebook.com/CREAS… onde o público poderá dialogar com a psicóloga do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), Rafaela Alves Scaramal, sobre o tema “O Creas e as mulheres vítimas de violência doméstica”, que vai abordar não apenas a conjuntura atual das relações abusivas envolvendo o universo feminino, mas também as ações dessa entidade como suporte para que suas vítimas consigam enfrentar as esse tipo de circunstância e as sequelas advindas dessa prática, recuperar sua dignidade e se refazer dos traumas.

“Muitas mulheres silenciam ao viverem uma situação de violência doméstica. É importante, no entanto, que elas compartilhem com outras pessoas o que está acontecendo, dando esse primeiro passo para, a partir daí, conseguirem tomar novos rumos, se libertando do agressor e superando todas as consequências decorrentes do comportamento abusivo do companheiro”, adverte a secretária de Promoção de Assistência Social, Neiva de Cól.

São seríssimos os impactos que a violência por parte do companheiro gera na vida da mulher, como assinala Rafaela: “Por vezes, as pessoas não têm noção da gravidade, da dimensão, das consequências e da repercussão que os atos de violência doméstica podem ocasionar. É importante ressaltar que o excesso de submissão, de dominação, de subalterinzação e de manipulação também são formas de violências, a famosa a violência psicológica”.

Vários fatores envolvem o contexto de violência doméstica, entre eles, o social, o econômico, o psicológico e o emocional. “É comum a violência ser ofuscada pela própria vítima porque ela depende, muitas vezes, financeiramente ou afetivamente do companheiro agressor. Inclusive, há casos em que elas, sequer, sabem por onde começar e não conseguem ver uma porta de saída ou um caminho longe daquele homem”, relata a psicóloga.

Para promover o amparo necessário à mulher em situação de vulnerabilidade causada pela violência, existe uma rede de atendimento e proteção que envolve Centros de Referência de Atendimento à Mulher (Crams), Centros de Referência de Assistência Social (Cras), Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher (Deams), Casas Abrigo, Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, Defensoria Pública, além dos Creas.

“No CREAS é ofertado o acompanhamento psicossocial voltado ao enfrentamento e superação da violência, bem como dos obstáculos decorrentes de submissões a situações que provocam danos e agravos à condição de vida da mulher e as impedem de usufruir de sua autonomia e bem-estar. Por meio de uma rede de proteção”, explica Rafaela e emenda: “O acompanhamento disponibilizado pela entidade oferece serviço de apoio e orientação, compreende atenções direcionadas para a promoção de direitos, para o fortalecimento da função protetiva das famílias diante do conjunto de condições que as vulnerabilizam, as submetendo a situações de risco pessoal e social”.

De acordo com a psicóloga, os encaminhamentos das vítimas chegam através de documentos oriundos dos órgãos parceiros, em especial a delegacia especializada, o poder judiciário, os Cras, os conselhos de defesa de direitos e demais atores da rede, através dos quais se realiza a busca ativa da vítima. Assim, há o contato inicial com a escuta sensível, estabelecimento de vínculo e apresentação do serviço. Com isso, acontece a identificação de demandas e avaliação da necessidade de acompanhamento.

Após esse primeiro momento, segundo a servidora do Creas, são traçadas estratégias de fortalecimento da vítima adequadas a cada caso, com atendimento médico e psicológico e, ainda, com a contribuição da Defensoria Pública – onde a mulher pode requerer seus direitos, especialmente, em casos de separação –, encaminhamento ao Serviço Nacional de Emprego (Sine) – para que ela possa conseguir uma vaga no mercado de trabalho e assim desenvolver autonomia financeira –, e, também, direcionamento à Secretaria de Habitação e Urbanismo – a fim de fazer inscrição para uma casa própria.

Rafaela comenta que, com os serviços que se articulam com as atividades e atenções prestadas às famílias nos demais serviços socioassistenciais, nas diversas políticas públicas e com os demais órgãos do Sistema de Garantia de Direitos, após receberem os cuidados de que precisam para vencerem a opressão em que se encontram, as vítimas mencionam que o alívio por terem conseguido se desvencilhar do jugo é maior do que a falta que sentem do companheiro e das dificuldades que precisam encarar por estarem começando uma nova fase sozinhas para reconstruírem suas vidas.

Tanto as vítimas como qualquer pessoa que tenha conhecimento de alguma situação de violência doméstica deve denunciar para que possa ser preservada ou restaurada a integridade da mulher. Há diversas formas de se fazer isso: por meio de boletim de ocorrência na Delegacia Especializada de Defesa da Mulher (DEDM), no disque 100 e no disque 180 – que são telefones onde específicos de serviços voltados para a proteção às mulheres vítimas de violência –, além da própria polícia, pelo 190.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana