turismo

Poliglota dá dicas de como aprender novos idiomas sem sair de casa

Publicados

em

 

 

source
Anna Murakawa em Sydney onde mora atualmente
Reprodução / @annamurakawa.violin

Anna Murakawa em Sydney onde mora atualmente

No mundo moderno, não existem mais fronteiras. Graças à internet, a conexão com novas culturas e línguas é uma situação frequente e alcançável. “As pessoas que sabem mais de um idioma estão liderando os caminhos, pois conseguem se comunicar com mais eficácia, têm uma visão de mundo ampliada e estão abertas a entenderem diferentes culturas”, explica Anna Murakawa, de 31 anos, violonista brasileira que fala fluentemente sete idiomas.

Murakawa vive atualmente em Sydney, na  Austrália , e o aprendizado de novas línguas foi de extrema importância para seguir seu sonho em estudar música, ajudando a abrir portas e alcançar sonhos. “Aos 17 anos, saí do Brasil para estudar violino na Bulgária, sem falar inglês e nem tampouco búlgaro. Passei por muitos momentos ruins e me senti humilhada diversas vezes, até que entendi o poder da comunicação e prometi a mim mesma que nunca mais deixaria de entender algo ou de ser entendida”, lembra.

Murakawa, que atualmente fala português, inglês, búlgaro, francês, italiano, russo e espanhol, lista as cinco dicas principais para alcançar a fluência em pouco tempo.

1) Entenda os sons

É preciso ouvir, entender, tentar dizer inúmeras vezes até acertar e continuar esse ciclo. O ser humano, naturalmente, adquire um idioma através do som. “Uma vez que os sons passem a fazer sentido para a pessoa, fica muito mais fácil conseguir assimilar as palavras e frases. Focar também na pronúncia irá acelerar o processo de aprendizado”, conta a musicista.

2) Amplie seu vocabulário com palavras em comum entre os idiomas

As palavras que têm a grafia e significados semelhantes são chamadas de cognatos. Elas existem porque, etimologicamente, têm uma origem comum. Entre o português e o inglês, por exemplo, existem um monte de palavras cognatas. Ou seja, um ponto positivo para aprender o idioma. “É preciso, apenas, entender os sons e em como essas palavras foram transformadas no idioma de estudo. Assim, em um piscar de olhos, o novo vocabulário já estará muito mais extenso”, diz a poliglota, que já viveu também nos Estados Unidos.

3) Saiba qual é o seu vocabulário ativo

Após saber os cognatos, é preciso se perguntar quais são as palavras e frases que mais se usam no cotidiano. Um erro muito cometido é aprender, primeiramente, palavras que quase não são usadas e deixar as coisas que mais importam para depois. Dê prioridade para o vocabulário que faz sentido para aquilo que é usado na sua vida e, depois, amplie-o para outras palavras e expressões. “Estude essas palavras e essas estruturas gramaticais. Se eu sou violinista, de nada adianta eu saber falar ‘girafa’, ‘hipopótamo’ e outras palavras que eu não falo nem no português ao longo do meu dia a dia. Eu preciso focar, antes, em saber falar ‘música’, ‘violino’, ‘escutar’, ‘comer’, ‘andar’, entre outras ações e temas básicos da minha vida”, reforça Murakawa, que já morou em quatro continentes diferentes.

4) Seja consistente durante o aprendizado

Se está estudando um idioma uma vez por semana, saiba que está aprendendo da maneira errada. “Quando aprendemos algo hoje e deixamos para revisar só depois de uma semana, a porcentagem de retenção desse conteúdo é muito baixa. Melhor estudar 10 minutos por dia do que 3 horas em um sábado. É como tomar banho, você tomar um banho hoje não significa que você não vai precisar de banho amanhã”, explica.

5) Se jogue em filmes, livros, vídeos e podcasts

Grande parte das pessoas já ouviram essa dica antes, mas o mais importante quando se está começando a aprender um idioma é que a pessoa consuma coisas relacionadas a tópicos que ela goste e já conhece. “Na primeira vez, você vai entender uma palavra, depois duas, e assim por diante. Isso faz parte do processo, mas você já vai saber o contexto e isso vai te ajudar a compreender o idioma e as estruturas gramaticais de uma maneira muito mais rápida”, finaliza a especialista.

Você viu?

Fonte: IG Turismo

Comentários Facebook
Propaganda

turismo

Tem até agência de correio! 7 pontos turísticos submersos espalhados pelo mundo

Publicados

em


source
Molinere Underwater Sculpture Park, um museu de esculturas, é um dos pontos turísticos submersos mais impressionantes do mundo
Divulgação

Molinere Underwater Sculpture Park, um museu de esculturas, é um dos pontos turísticos submersos mais impressionantes do mundo

O fundo do mar abriga tantos mistérios e segredos que a humanidade ainda não descobriu tudo o que existe sobre ele. Nos últimos anos,  pontos turísticos submersos foram descobertos ou até mesmo criados para atrair turistas para este mundo.

O iG Turismo selecionou algumas das mais inusitadas  maravilhas turísticas que estão debaixo d’água, sendo a maioria delas visitáveis, para você colocar na sua lista.


Molinere Underwater Sculpture Park, no Caribe


O Molinere Underwater Sculpture Park foi inaugurado em 2006 na baía de Moliner, em Granada, país da região do Caribe . Trata-se de uma área com 16 esculturas submersas que retratam a vida naquela região, bem como a sensação de solidão.

As obras foram esculpidas pelo artista britânico Jason de Caires Taylor e todas foram feitas com cimento e uma superfície texturizada que permite o crescimento de corais sobre elas. Por esse motivo, as estátuas são sustentáveis e criam cenários submersos esplendorosos.

De acordo com o Tripadvisor, um passeio realizado ao museu e a outra baía próxima, Flamingo Bay, por 4 horas, com lanche, bebidas e equipamentos de mergulho incluídos, sai em torno de R$ 450 (US$ 82,06) por adulto. As companhias de viagem geralmente montam excursões que envolvem, além do passeio ao museu submerso, alguns mergulhos em corais de outras regiões e baías próximas. Nesses casos, tanto o preço como o tempo de visita podem variar.

Agência de Correio Subaquática, em Vanuatu


Já imaginou como seria enviar um cartão postal diretamente do fundo do mar? Essa é a proposta da agência de correios localizada na Hideaway Island, uma das ilhas de Vanuatu, país da Oceania que fica a 1.600 km da Austrália.

O posto fica a 3 metros da superfície e a 50 metros da costa da ilha. O horário de funcionamento é todo detalhado para os turistas e locais em uma placa à beira-mar. Além disso, sempre existe uma boia flutuante bem em cima do local do posto de correio quando um funcionário está presente.

Porto Real, na Jamaica


Porto Real não é apenas a cidade fictícia da série “Game Of Thrones” , mas é também uma das cidades mais importantes da história da Jamaica. No século 17, o local era conhecido como a cidade mais rica e próspera do país, mas ao mesmo tempo tinha fama de ter uma aura de perversão, já que atraía piratas e negócios considerados obscuros.

Em 1692, a região sofreu um terremoto que abalou a estrutura abaixo da cidade e, depois, foi totalmente inundada por um tsunami. No entanto, diversas estruturas e até mesmo navios inteiros estão preservados, alguns praticamente intactos.

Porto Real está a 12 metros abaixo do mar da região chamada hoje de Sunken Pirate City. Por se tratar de uma cidade histórica de grande valor arqueológico, os  turistas que desejam visitar a localidade precisam de uma autorização governamental.

Prisão Rummu, na Estônia


Quem curte incluir no roteiro lugares mais sinistros pode gostar da ideia de mergulhar debaixo da prisão Rummu, no município de Vasalemma Parish, na Estônia. O local foi um campo soviético que funcionou na década de 1930, mas foi inundado por um lago e precisou ser desativado. Boa parte da torre onde funcionava o quartel ainda é visível fora d’água, mas a parte submersa preserva celas e labirintos.

A prisão Rummu está dentro de uma propriedade privada, o que por si só já dificulta o acesso. Mergulhadores profissionais afirmaram que a área não é segura para explorar devido aos pedaços de concreto, metal e árvores, que podem causar danos ao turista. Por esse motivo, o lago possui um histórico de afogamentos e pessoas que se lesionaram.

Você viu?

Poseidon Undersea Resort, em Fiji


Luxo, aventura e deslumbre se unem nas acomodações e áreas comuns do Poseidon Undersea, resort cinco estrelas submerso a 12 metros de profundidade no Oceano Pacífico, em uma ilha particular no Fiji. O local é o primeiro  hotel subaquático do mundo e despertou interesse e curiosidade por proporcionar uma experiência única aos turistas amantes do universo subaquático.

Neste que é um dos pontos turísticos submersos mais curiosos do mundo, é possível acordar e dormir com a visão dos passeios de cardume, corais e rochas marinhas, já que a cobertura de acrílico dos 48 bangalôs 24 suítes têm transparência de 70%. As opções de lazer também impressionam, já que o local conta com spa, um luxuoso restaurante, sala de estudo e até mesmo capela!

No entanto, seu funcionamento é um mistério. Há quem diga que o local está sempre lotado desde 2008 e que, por dificuldades estruturais, ele nunca chegou a abrir! No entanto, estima-se que para passar uma semana no resort, seja necessário desembolsar R$ 82 mil (US$ 15 mil).

A Cidade do Leão ou Shi Cheng, na China


Uma das cidades mais antigas da China , Shi Cheng, localizada na província de Zhejiang, foi propositalmente inundada. Conhecida como Cidade do Leão, foi construída no primeiro século depois de Cristo e era o centro político e econômico mais importante da província. A inundação aconteceu muito tempo depois, em 1959, para a construção de uma usina hidrelétrica chamada Xinanjiang.

Em 2002, foi descoberto que muito da arquitetura e da estrutura da cidade ficaram preservados debaixo do lago artificial que foi criado. Lá, é possível ver esculturas, palácios imperiais intactos, túmulos de imperadores e sedes imperiais. Nos detalhes e ornamentos, estão esculturas de leões, considerados os guardiões das entradas desses locais; daí vem o apelido da cidade.

Operadoras de turismo da Ásia oferecem passeios e excursões de mergulho para conhecer Shi Cheng, que está localizada abaixo do lago Qiandao, a 400 km de Shanghai e bem perto da Montanha Wu Shi. Estão disponíveis pacotes de três dias de mergulho por R$ 2 mil (2.480 yuans renminbis chineses), incluindo acomodações, alimentação e equipamento, e passeios pela região sem fazer o mergulho, por R$ 1,6 mil (1.980 yuans).

Red Sea Star Restaurant, em Israel


Um dos pontos turísticos submersos mais românticos do mundo está localizado na cidade de Eilat, no sul de Israel e bem no Mar Vermelho. Trata-se do Red Sea Star Restaurant, um  restaurante e bar no fundo do mar que permite se deslumbrar com a vista subaquática e se deliciar com um cardápio exclusivamente selecionado. A estrutura em formato de estrela, inaugurada em 1998, está localizada em meio aos corais a 5 metros de profundidade.

Lá dentro, estão disponíveis 62 janelões que dão direto para o fundo do mar, onde é possível contemplar as profundezas do Mar Vermelho enquanto se degusta um cardápio variado de frutos do mar. No período da noite, existe uma iluminação fraca que acende os corais sem agredi-los, deixando o ambiente ainda mais apaixonante.

Fonte: IG Turismo

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana