POLÍCIA FEDERAL

Polícia Federal deflagra operações simultâneas para combater fraudes ao auxílio emergencial

Publicados

em


São Paulo/SP – A Polícia Federal deflagrou hoje (16/4) duas operações para desarticular organização criminosa, situada no interior do estado de São Paulo, especializada em fraudar contas de beneficiários do auxílio emergencial.

As duas operações são resultado do trabalho da Estratégia Integrada de Atuação contra as Fraudes ao Auxílio Emergencial (EIAFAE), que reúne Polícia Federal, Ministério Público Federal, Ministério da Cidadania, CAIXA, Receita Federal, Controladoria-Geral da União e Tribunal de Contas da União.

Os objetivos da atuação conjunta e estratégica são a identificação de fraudes massivas e a desarticulação de organizações criminosas que atuam causando prejuízos aos programas assistenciais.

 Operação Lotter

 Em Campinas foi deflagrada a Operação Lotter, para o cumprimento de 8 mandados de busca e apreensão (6 em Paulínia e 2 em Sumaré) e um mandado de prisão temporária (em Paulínia), expedidos pela 9ª Vara Federal em Campinas.

Segundo apurado, a organização criminosa envolve, no mínimo, 8 pessoas e utilizava programas de computadores para invadir a conta dos beneficiários, transferindo o dinheiro para contas dos criminosos por meio do pagamento de boletos gerados em site de sistema de pagamentos ou por meio de transações eletrônicas.

Durante as investigações, restou comprovado o furto de mais de R$ 135 mil, o que indica um mínimo de 225 famílias lesadas.

 Operação Botter

 Em Sorocaba, foi deflagrada a Operação Botter para o cumprimento de 8 mandados de busca e apreensão (3 em Tatuí, um em Boituva, 3 em Paulínia e um em São Paulo) e um mandado de prisão preventiva contra indivíduo que fraudou 170 auxílios emergenciais durante a primeira rodada do programa em 2020, com prejuízo total já confirmado de R$ 435.000,00.

 Coordenação das ações

As investigações chegaram simultaneamente a braços diferentes da organização criminosa, identificando investigados que estão entre os maiores fraudadores já detectados do Auxílio Emergencial.

O objetivo das buscas é recolher documentos e equipamentos e dispositivos eletrônicos utilizados pela associação criminosa, tanto para compor o quadro de provas dos crimes já identificados como para impedir que iniciassem uma nova rodada de furtos a partir do pagamento de novos parcelas do benefício. Além dessas medidas, também estão sendo executados sequestros e bloqueios de contas para garantir a recomposição dos danos causados.

Os envolvidos responderão pelos crimes de furto mediante fraude, estelionato, falsidade ideológica e formação de organização criminosa, cujas penas somadas podem chegar a quase 30 anos de prisão.

 Será realizada coletiva de imprensa na sede da Superintendência Regional da Polícia Federal em São Paulo às 10h30.

Transmissão ao vivo no Instagram @pfsaopaulo

Comunicação Social da Polícia Federal em São Paulo

Contato:  (11) 3538-5013

 

Nome das operações

Os nomes das duas operações decorrem do modo eletrônico utilizado pelos criminosos para fraudar as contas. Enquanto lotter refere-se a usuários que se utilizam da internet para enganar os outros, aproveitando-se da boa-fé ou fragilidade de terceiros, botters são usuários que operam bots (robôs).

Comentários Facebook
Propaganda

POLÍCIA FEDERAL

Polícia Federal deflagra Operação Cozinheiro Fantasma em Marília/SP

Publicados

em


Marília/SP – A Polícia Federal deflagrou nesta sexta-feira (7/5) a Operação Cozinheiro Fantasma visando cumprir 4 mandados de busca e apreensão e 14 mandados de intimação no Município de Piraju/SP, com a finalidade de se obter provas referentes à investigação de fraudes ao benefício do seguro desemprego.

A investigação teve início a partir de denúncia do Posto de Atendimento ao Trabalhador do Município de Piraju/SP, informando o ingresso de 14 requerimentos de seguro desemprego com indícios de demissões fraudulentas envolvendo uma empresa localizada no Município de Osasco/SP, o que gerou prejuízo de aproximadamente R$ 80 mil aos cofres públicos.

Durante as buscas, foram apreendidos telefones celulares, HD’s de computadores e documentos, os quais serão analisados no interesse da investigação.

Os investigados poderão responder, no limite de suas responsabilidades, pelos crimes estelionato majorado (art. 171, § 3º, do Código Penal) e, eventualmente, pelo crime de associação criminosa (art. 288 do Código Penal).

O nome da operação decorreu da constatação de que os investigados nunca haviam desempenhado a função de cozinheiro indicada nos requerimentos de seguro desemprego apresentados ao PAT/PIRAJU.

Comunicação Social da Polícia Federal em Marília

Contato: (14) 3303-3000

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana