POLÍCIA FEDERAL

Polícia Federal deflagra 2ª Fase da Operação ET CATERVA

Publicados

em


Cuiabá/MT – A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira (13/4) a 2ª fase da Operação ET CATERVA, a qual visa desarticular organização criminosa especializada em aplicar fraudes no benefício social Auxílio Emergencial e em Precatórios Judiciais.

Estão sendo cumpridos três mandados de busca e apreensão, sequestro de bens e dois mandados de prisão preventiva, expedidos pelo Juiz da 5ª Vara Federal da Seção Judiciária de Cuiabá/MT.

Na primeira fase da operação, foram identificadas fraudes no recebimento indevido de precatórios judiciais. Tais ações resultaram no levantamento ilegal de mais de R$ 13 milhões em precatórios judiciais, além de mais de R$ 2,7 milhões em tentativas de saques em várias regiões do país.

A organização criminosa cooptou servidores de instituição bancária, os quais forneciam informações sobre precatórios à disposição para saque, sendo que também foi constatada a participação de servidores do Tribunal Regional Eleitoral/MT.

No ano de 2020, após a interrupção temporária do pagamento de precatórios pela CAIXA, os integrantes da organização criminosa passaram a cometer fraudes em detrimento de parcelas do Auxílio Emergencial. Restaram efetuados mais de 1570 saques de benefícios, entre os meses de abril de 2020 e março de 2021, resultando em um prejuízo superior a R$ 1,3 milhão.

Na primeira fase, foram cumpridos 12 mandados de prisão, 77 mandados de busca e apreensão e sequestro de bens e, ainda, 9 medidas de suspensão do exercício da função pública. Foi apreendida a quantia de mais de R$ 910 mil, em espécie, em poder dos investigados, além de veículos e outros objetos de valor.

Após análise parcial dos itens apreendidos, foi identificada a participação de outros integrantes do esquema criminoso em desfavor das parcelas do auxílio emergencial, o que desencadeou a 2ª fase da operação.

Na data de hoje, foram apreendidas centenas de aparelhos de telefones celulares nas residências dos envolvidos. Suspeita-se que os aparelhos sejam utilizados no cadastramento do aplicativo CAIXA TEM, a fim de efetuar os saques das parcelas do auxílio emergencial.

A Polícia Federal ressalta que, em razão da situação de pandemia causada pelo Coronavírus, foi adotada logística especial de preservação do contágio com distribuição de EPI’s a todos os envolvidos na missão, a fim de preservar a saúde dos policiais, testemunhas e investigados.

 

Comunicação Social da Polícia Federal em Mato Grosso

[email protected]

(65) 992488987

Comentários Facebook
Propaganda

POLÍCIA FEDERAL

Polícia Federal deflagra Operação Erasure, visando combater organização criminosa que fraudou o concurso do TRE/SP de 2017

Publicados

em


São Paulo/SP- A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira (23/6) a Operação ERASURE, com o objetivo de apurar a atuação de uma organização criminosa que teria fraudado o concurso do TER/SP de 2017.

As investigações apontaram que, desde ao menos o ano de 2005, o grupo criminoso atuou em diversos concursos pelo Brasil conseguindo, em várias oportunidades, aprovar, mediante fraude, dezenas de pessoas que pagaram pelo serviço fraudulento. Estipula-se que a ORCRIM tenha obtido mais de R$ 29 milhões com essas fraudes.

Na ação de hoje, em específico, além do objetivo de obter mais materialidade dos crimes perpetrados, houve comunicação ao presidente do TRE/SP sobre a decisão da Justiça Federal que determinou o afastamento cautelar de um servidor que tomou posse no referido tribunal já no ano de 2017. 

Cinco equipes policiais cumpriram mandados de buscas em desfavor de sete investigados. Uma busca foi feita em Cotia/SP (dois alvos), uma em Santos/SP (dois alvos), uma em Recife/PE (um alvo), e duas em pessoas jurídicas com endereços situados em Boa Vista/RR.

A investigação teve início no ano de 2017, por meio de informações advindas das Operações GABARITO, que investigou fraude no Concurso do Ministério Público do Rio Grande do Norte, em 2017, e PORTA DOS FUNDOS, que investigou fraude no concurso do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região, também em 2017. Essas operações conseguiram constatar o modus operandi (utilização de pontos e instrumentos de comunicação, professores para realizarem as questões, piloto para conseguir a prova e sair do local após o tempo mínimo, candidatos que pagavam para obter as vagas, etc.) da ORCRIM, sendo que um braço desta mesma ORCRIM atuou no concurso do TRE/SP de 2017.

Os investigados poderão responder pelos crimes previstos nos artigos 311-A, inciso I, parágrafos 2° e 3°, do Código Penal Brasileiro, artigo 288, caput, do Código Penal Brasil (associação criminosa) ou no art. 2º da Lei 12.850/2013 (organização criminosa), a depender da evolução das investigações.

A palavra ERASURE, em tradução livre, tem o significado de apagamento e foi utilizada para batizar esta operação policial já que um dos seus objetivos é apagar, retirar do setor público, pessoas que obtiveram êxito no concurso público do TRE/SP de 2017 mediante fraude.

Comunicação Social da Superintendência da PF em São Paulo

Contato: (11) 3538-5013

 [email protected]

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana