BRASIL E MUNDO

Polícia encontra pano ensanguentado e acredita que Lázaro Barbosa esteja ferido

Publicados

em


source
Lázaro Barbosa, o serial killer do DF
Reprodução: iG Minas Gerais

Lázaro Barbosa, o serial killer do DF

A polícia de Goiás acredita que o serial killer Lázaro Barbosa possa estar ferido. O secretário de Segurança Pública de Goiás, Rodney Miranda, informou que um pano ensanguentado foi encontrado. O ferimento teria sido causado após um  tiroteio ocorrido entre o criminoso e a polícia na tarde desta quinta-feira (17).

“Cão farejador achou pano ensanguentado, pode ser até um ferimento grave. Ele tentou acertar um dos cachorros, policiais visualizaram e revidaram. Ele entrou em uma vala e depois, provavelmente, na água, e os policiais perderam o rastro dele”, disse o secretário. O tiroteio ocorrido hoje por volta das 17h foi o segundo entre Lázaro e a polícia.  Na primeira ocasião, Lázaro fazia uma família de refém — que já foi resgadada.

Segundo informações do G1, moradores de Cocalzinho de Goiás relataram ter ouvido mais de 50 disparos. “Muito tiro para o rumo do mato. Acho que pegaram ele. As viaturas todas descendo”, disse Marcos Douglas.

As  buscas ao criminoso já duram 9 dias.

Comentários Facebook
Propaganda

BRASIL E MUNDO

Randolfe Rodrigues: “Dúvida não é se Bolsonaro prevaricou, mas o por que”

Publicados

em


source
Randolfe Rodrigues avalia que a CPI da Covid reuniu elementos que podem imputar ao presidente da República o crime de prevaricação
Reprodução: iG Minas Gerais

Randolfe Rodrigues avalia que a CPI da Covid reuniu elementos que podem imputar ao presidente da República o crime de prevaricação

Vice-presidente da CPI da Covid –  que retoma suas atividades nesta segunda-feira (02) -, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) diz que não há dúvidas de que o presidente Jair Bolsonaro cometeu crime de prevaricação no caso da tentativa de compra da vacina Covaxin, mas destaca que a comissão quer avançar na nova etapa dos trabalhos para entender qual a motivação por trás do episódio.

Com a retomada da CPI, quais devem ser os principais objetivos da comissão?

Sobre imunidade de rebanho, utilização dos manauaras como cobaias, esses aspectos todos nós já temos elementos suficientes. Na segunda parte da temporada, digamos assim, da CPI, nós vamos concluir a investigação sobre corrupção. Por isso, a nossa ideia é organizar por tema cada uma das semanas. A primeira semana é sobre o papel das intermediárias que atuaram no Ministério da Saúde, com o coronel Hamilton Gomes, Marcelo Blanco e Airton Cascavel. Na segunda semana, a nossa ideia é avançar para investigarmos a Precisa e a Covaxin. E assim por diante. Então, nós devemos adotar essa dinâmica para ser mais didático, mas também para ser mais produtiva, sistematizando as informações e avançando para o relatório final.

E o senhor considera que já há elementos que conectam o presidente Jair Bolsonaro às investigações que tratam de suspeitas de corrupção?

Para nós da CPI, não tem dúvida o crime de prevaricação no caso da Covaxin. Esse crime não há dúvidas. O que nós estamos investigando é por que o presidente prevaricou. O senhor presidente, tendo recebido a notícia de um esquema de corrupção em curso no âmbito do Ministério da Saúde, não tomou providências. E também há outros crimes. Nós estamos procurando os liames entre os crimes de corrupção ativa, corrupção passiva, tráfico de influência e os demais.


O senador da República também ressaltou que o desafio da comissão parlamentar de inquérito é concluir o reatório final até o mês de setembro. Segundo Randolfe, uma eventual responsabilização de Bolsonaro não dependerá apenas da Procuradoria-Geral da República.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana