Colniza

Polícia cumpre mandados de prisão contra investigados por sequestro e extorsão de prefeito

Um dos alvos foi preso na zona rural do município de Novo Mundo, na região norte do estado. As outras ordens judiciais foram cumpridas contra pessoas que já estão presas por outros crimes

Publicado

Prefeito de Colniza, Celso Leite Garcia

Por Raquel Teixeira

A Polícia Civil de Mato Grosso cumpriu nesta sexta-feira (31.07) três mandados de prisão contra alvos investigados em inquérito que apura os crimes de sequestro e extorsão praticados contra o prefeito do município de Colniza (1.065 km a noroeste de Cuiabá).

Um dos alvos foi preso na zona rural do município de Novo Mundo, na região norte do estado. As outras ordens judiciais foram cumpridas contra pessoas que já estão presas por outros crimes, em unidades do Sistema Penitenciário estadual em Lucas do Rio Verde e em Cuiabá.

A ação para cumprimento dos mandados contou com apoio das regionais da Polícia Civil em Nova Mutum e Guarantã do Norte e da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO).

O delegado regional de Juína, Carlos Francisco de Morais, destaca o empenho da equipe de Colniza para investigação e esclarecimento do crime e a integração das unidades da Polícia Civil para o cumprimento dos mandados.

Investigação

Em abril deste ano, o prefeito de Colniza, Celso Leite Garcia, 50 anos, procurou a Polícia Civil relatando que no dia 17 daquele mês, por volta das 18h, foi abordado quando chegava a sua residência. Um veículo modelo Ônix parou na frente da casa e dois homens desceram do carro e o renderam. Armado com uma pistola, um dos homens pediu que a vítima dirigisse para fora da cidade, sendo acompanhado pelo Ônix. No trajeto, o homem que estava com o prefeito no carro ligou para uma terceira pessoa perguntando o que era para fazer com a vítima. A pessoa ao telefone, que foi identificada nas investigações como a mandante do crime, disse que o prefeito deveria pagar um valor e que estava no cargo somente em virtude da morte do gestor anterior, ocorrida em 2017.

Após esse contato, a vítima foi levada a uma chácara fora da cidade, onde os dois suspeitos esconderam os carros e continuaram cobrando dinheiro do prefeito e insinuando que poderiam matá-lo. A vítima relatou ainda que ficou com os suspeitos por aproximadamente três horas e disse que pagaria o que eles pediram, mas que não conseguiria tudo de uma vez. Após o acordo, os dois homens liberaram o prefeito informando que enviariam uma conta para a transferência do dinheiro e o ameaçaram caso a promessa de pagamento não fosse cumprida ou fizesse denúncia.

Prisões

A partir das informações coletadas, a equipe da Polícia Civil de Colniza, coordenada pelo delegado Henrique Madureira Espíndola, iniciou a investigação e chegou à identificação dos executores e da mandante dos crimes, que está presa na Penitenciária Feminina Ana Maria do Couto May, em Cuiabá. A mulher é indiciada em outro inquérito sobre o homicídio do ex-prefeito de Colniza, Esvandir Antônio Mendes, ocorrido em dezembro de 2017.

Um dos suspeitos presos nesta sexta-feira pela equipe da Polícia Civil de Guarantã do Norte foi localizado na zona rural de Novo Mundo, na região norte do estado.

O outro suspeito teve o mandado de prisão cumprido no Centro de Detenção Provisória de Lucas do Rio Verde, onde já estava custodiado por outra ocorrência criminal quando foi preso com o carro Ônix utilizado no crime em Colniza.

Além dos mandados de prisão, a Polícia Civil de Colniza cumpriu também buscas na casa da mulher investigada como mandante do crime.

As investigações sobre os crimes praticados contra o atual prefeito de Colniza prosseguem para identificar se há o envolvimento de outras pessoas.

Homicídio de Esvandir Mendes

O ex-prefeito de Colniza, Esvandir Mendes, conduzia uma Toyota SW4 preta quando foi interceptado por dois criminosos em um veículo SUV preto, a cerca de sete quilômetros da entrada da cidade. O veículo dos criminosos foi ao encontro da caminhonete, momento que foram efetuados vários disparos contra Esvandir, que ainda conseguiu dirigir, mas, acabou morrendo dentro do veículo. Outros dois disparos feriram o secretário municipal de Finanças que estava no mesmo veículo. O fato ocorreu por volta das 18h40 do dia 15 de dezembro de 2017.

Cinco pessoas foram indiciadas por envolvimento na morte do ex-prefeito, sendo uma delas a mulher que teve o mandado de prisão cumprido nesta sexta-feira.

Fonte: PJC MT

Comentários Facebook
publicidade

colniza

Homem é preso por atear fogo em mata em Colniza

Publicado

Uma operação integrada na Gleba Taquaruçu do Norte, em Colniza, entre Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e Polícia Militar (PM) apreendeu seis motosserras, uma arma de fogo e culminou com a condução de um homem para delegacia por crime contra a flora ao provocar incêndio em mata ou floresta.

A fiscalização da Sema está realizando a Operação Arco Norte e fiscais do Ibama a Operação Verde Brasil, ambos na região. Em ação conjunta, equipe formada pelos dois órgãos, com apoio da Polícia Militar, observou algumas labaredas de fogo e um homem vindo da região em uma motoneta Honda Biz.

Quando a equipe fez a abordagem o homem largou a moto e fugiu pela mata, sendo acompanhado pelos policiais e localizado logo depois, confirmando ser o autor da queimada.

A queimada aconteceu em uma área de pasto, conforme constatou a equipe de fiscalização, porem o fogo atingiu área de floresta amazônica que estava nas proximidades ao se alastrar rapidamente. As equipes de fiscalização tiraram fotos de drone e irão calcular os danos.

Operações Integradas

A Operação Verde Brasil, do Governo Federal, atua em conjunto com a Operação Amazônia Arco Norte, da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) e Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) no combate ao desmatamento e incêndios ilegais. Por meio do alinhamento entre as duas esferas de Governo, o enfrentamento ao crime ambiental ganha uma força maior em Mato Grosso.

A Operação Amazônia Arco Norte aplicou até o momento 954,9 milhões em multas, sendo 772 milhões na região Amazônica, o Bioma com maior número de autuações.

Também foram apreendidos Operação do Governo Estadual 239 equipamentos ou acessórios usados em crimes ambientais, 18 armas de fogo, 66 motosserras, 74 tratores de pneu, 110 caminhões, 37 tratores esteira e 139 pessoas foram conduzidas a delegacia.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Agronegocio

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana