POLÍCIA FEDERAL

PF prende servidor público que jogou notebooks no lixo durante a deflagração da Operação Triuno

Publicado


São Paulo/SP – A Polícia Federal prendeu nesta segunda-feira (26/10), em cumprimento a mandado de prisão preventiva expedido pela Justiça Federal de São Paulo, o agente público que jogou os notebooks e um HD no lixo, durante busca na deflagração da Operação Triuno, ocorrida no último dia 22.

Ele é investigado juntamente com outros dois por terem solicitado e recebido de duas empresas vantagens indevidas para que as autuações decorrentes de fiscalizações realizadas nessas empresas não incluíssem todos os tributos devidos.

Como o suspeito tentou se desfazer de provas dos fatos criminosos em investigação, jogando dois notebooks e um HD na lixeira do andar de baixo do seu apartamento, a Polícia Federal representou pela sua prisão.

A representação foi deferida pela Justiça que emitiu, além do mandado de prisão preventiva, dois novos mandados de busca e apreensão em imóveis a ele relacionados, um em São Paulo/SP e outro em Santos/SP, a fim de localizar e apreender provas possivelmente ocultadas dos fatos criminosos investigados.

O preso será encaminhado ao sistema prisional, onde ficará à disposição da Justiça.

 

Comunicação Social da Polícia Federal em São Paulo

Contato: (11) 3538-5013

[email protected]

Comentários Facebook
publicidade

POLÍCIA FEDERAL

Polícia Federal prende suspeito de invasão do sistema do Tribunal Superior Eleitoral

Publicado


Brasília/DF – A Polícia Federal deflagrou, na manhã de hoje (28), a Operação Exploit* tendo como objetivo desarticular a associação criminosa que teria promovido os ataques hackers ao TSE no primeiro turno das Eleições 2020, com o acesso e divulgação ilegal de informações de servidores públicos do TSE. As ações se desenvolvem com a cooperação da Polícia Judiciária Portuguesa – Unidade Nacional de Combate ao Cibercrime e Criminalidade Tecnológica.

Estão sendo cumpridos, no Brasil, três mandados de busca e apreensão e três medidas cautelares de proibição de contato entre investigados nos estados de SP e MG. Além disso, em Portugal, são cumpridos um mandado de prisão e um mandado de busca e apreensão. Os mandados cumpridos no Brasil foram expedidos pelo Juízo da 1ª Zona Eleitoral do Distrito Federal, após representação efetuada pela Polícia Federal e manifestação favorável da 1ª Promotoria de Justiça Eleitoral.

O inquérito policial aponta que um grupo de hackers brasileiros e portugueses, liderados por um cidadão português, foi responsável pelos ataques criminosos aos sistemas do Tribunal Superior Eleitoral – TSE quando do primeiro turno das Eleições de 2020.

A Polícia Federal apura o acesso ilegal aos dados de servidores públicos divulgados no dia 15/11, além de outras atividades criminosas do grupo.
Os crimes apurados no inquérito policial são os de invasão de dispositivo informático e de associação criminosa, ambos previstos no Código Penal; além de outros previstos no Código Eleitoral e na Lei das Eleições (9.504/97).

Não foram identificados quaisquer elementos que possam ter prejudicado a apuração, a segurança ou a integridade dos resultados da votação.  

* Um exploit é uma parte de software, um pedaço de dados ou uma sequência de comandos que tomam vantagem de um defeito a fim de causar um comportamento acidental ou imprevisto no software ou hardware de um computador ou em algum dispositivo eletrônico.

 

Comunicação Social da PF

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Agronegocio

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana