POLÍCIA FEDERAL

PF faz operação contra pornografia infantil em Macapá

Publicados

em


Macapá/AP – A Polícia Federal deflagrou nesta manhã (29/3) a Operação Zero Byte*, dando cumprimento a um mandado de busca a apreensão, expedido pela Justiça Federal no Amapá, na residência de um homem, no bairro Perpétuo Socorro, na capital amapaense.

Investigações apontaram para o indivíduo, que armazenou e compartilhou – ao menos – 17 arquivos caracterizados como conteúdo de pornografia infantil. Por meio de dispositivos de investigação eletrônicos, foi possível constatar que ele fazia download de imagens da rede de computadores. Posteriormente, disponibilizava tal conteúdo na internet para outras pessoas que praticam esse tipo de delito.

As condutas apuradas até o momento incidem em crimes previstos no Estatuto da Criança e Adolescente (ECA), sobretudo de armazenamento e compartilhamento de imagens contendo pornografia infanto-juvenil. As penas somadas, em caso de condenação, podem chegar a oito anos de reclusão.

Em 2021, a Polícia Federal deflagrou cinco operações para repressão desse crime no Estado do Amapá. Foram cumpridos doze mandados de busca e apreensão, além da prisão de quatro pessoas. As ações são fruto de parceria que a PF possui com organismos internacionais voltados à repressão desses crimes.

Comunicação Social da Polícia Federal no Amapá

Contato:  (96) 3213-7500
E-mail: [email protected]

Instagram: @policiafederalamapa

*Zero byte diz respeito a um arquivo de computador que não contém dados, causado por uma corrupção no disco rígido, cujo fator pode ser um software malicioso, em referência a quem pratica esse tipo de crime de pornografia infantil.

Comentários Facebook
Propaganda

POLÍCIA FEDERAL

PF combate comércio ilegal transnacional de patrimônio histórico peruano

Publicados

em

Florianópolis/SC– A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira (11/8) operação policial para o cumprimento de mandado de busca e apreensão emitido pela Justiça Federal, objetivando investigar notícia de comércio eletrônico transnacional de artefatos do patrimônio histórico de possível origem ilícita.

A suspeita foi levantada pelo Ministério da Cultura do Peru, que tomou conhecimento da comercialização de objetos assemelhados a estatuetas peruanas do período pré-colombiano, praticado por meio de site de vendas internacional.

As investigações levaram à localização do vendedor em Florianópolis, com o qual foram encontrados diversos outros objetos que serão submetidos a inspeção para avaliar seu valor histórico e a licitude das suas origens.

Caso se conclua haver a posse de objetos do patrimônio histórico sem origem legal, além da apreensão, podem ficar caracterizadas as condutas de receptação ou crime contra patrimônio cultural.

Comunicação Social da Polícia Federal em Santa Catarina
[email protected]
(48) 3281-6699

Fonte: Polícia Federal

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

TECNOLOGIA

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana