POLÍCIA FEDERAL

PF e PGR deflagram segunda etapa da Operação Q.I.

Publicados

em

Belém/PA. A Polícia Federal, em conjunto com a Procuradoria-Geral da República (PGR), deflagrou nesta sexta-feira, dia 5/8, a segunda fase da Operação Q.I. (Quem Indica), por conta dos desdobramentos ocorridos durante o cumprimento das buscas no dia anterior.

Essa nova fase tem como objetivo dar cumprimento a mais 12 mandados de busca e apreensão em endereços residenciais e funcionais de magistrados e servidores do Tribunal de Justiça do Estado do Pará (TJPA).

Foram mobilizados mais de 40 Policiais Federais para cumprir as novas medidas cautelares expedidas pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). Membros da Procuradoria-Geral da República acompanharam as buscas.

Durante as diligências realizadas na quinta-feira, dia 4, foram localizados documentos que, em tese, revelam uma maior amplitude do possível “loteamento” de cargos comissionados, com outras nomeações de “apadrinhados” de Magistrados do TJ/PA em diversos órgãos no âmbito do Poder Executivo Estadual do Pará.

Foram encontrados ainda comprovantes de pagamentos e extratos bancários que demonstram a utilização da conta pessoal de um servidor para pagamento de contas de titularidade de magistrado, o que aparentemente pode indicar a ocorrência de situação popularmente nominada de “rachadinha”.

A partir da célere análise do material apreendido na Operação Q.I., foi requerida a extensão dos mandados de busca e apreensão anteriormente decretados em relação a novos investigados, tendo em vista que, com a deflagração da fase ostensiva da operação, há risco de desaparecimento de provas materiais dos delitos investigados. A Polícia Federal continuará investigando os fatos.
As investigações seguem em andamento.

Comunicação Social da Polícia Federal no Estado do Pará – SR/PF/PPA

Contato Telefone: (91) 983930775

Instagram @policiafederalpa

Instagram @policiafederalpa

Fonte: Polícia Federal

Comentários Facebook
Propaganda

POLÍCIA FEDERAL

Polícia Federal deflagra Operação Diamante de combate à lavagem de dinheiro decorrente do tráfico internacional de entorpecentes

Publicados

em

Santos/SP – A Polícia Federal deflagrou, entre os dias 8 e 9 de agosto, a Operação Diamante, contra a lavagem de dinheiro do tráfico de drogas.

Foram cumpridos 44 mandados de busca e apreensão em imóveis vinculados aos investigados e pessoas envolvidas no esquema de lavagem de capitais, na região da Baixada Santista, cidades do litoral e interior de São Paulo, e no estado de Santa Catarina.

Por determinação judicial, foi realizado o sequestro de 22 imóveis, avaliados em mais de R$ 12 milhões, interrupção das atividades de 5 empresas, 8 contas bancárias, 16 veículos automotores, uma lancha no valor de R$ 1.2 milhão e um jet sky.

Até o momento, foram apreendidos veículos de luxo, grande quantidade de esmeraldas avaliadas em aproximadamente R$ 6 milhões, joias, celulares, HD e diversos documentos de interesse para investigação.

Durante a operação, foi cumprido um mandado de prisão preventiva do investigado, considerado o responsável pelo esquema de lavagem de capitais. O homem foi preso nos termos do artigo primeiro da lei 9613/1998, pelo crime de lavagem de capital.

A investigação teve início com uma prisão em flagrante ocorrida no dia 2/12/2020 em Santos, quando na ocasião foram apreendidos R$ 6 milhões em espécie.

O nome da Operação – Diamante – faz alusão a uma loja de roupas de grifes e artigos de luxo que era utilizada pelos investigados para a lavagem dos valores de origem ilícita.

Comunicação Social da Polícia Federal em Santos/SP

Fonte: Polícia Federal

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

TECNOLOGIA

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana